A química no Vestibular Fuvest (1980-2018)

  • Paulo Alves Porto Universidade de São Paulo. Instituto de Química
Palavras-chave: Vestibular, Ensino de Química, Fuvest, Avaliação

Resumo

Este artigo propõe uma análise de aspectos epistemológicos e didáticos dos programas e de algumas questões de química do vestibular Fuvest, referentes ao período de 1980 a 2018. A análise se volta para os critérios que orientaram a seleção e organização dos conteúdos; as relações sugeridas entre os níveis macroscópico e submicroscópico da matéria; o uso de modelos de partículas para explicação dessas relações; a experimentação e a contextualização do conhecimento químico. Observou-se uma grande mudança do programa em 1991 e outra, de menor extensão, em 2002, as quais podem ser relacionadas a mudanças em diretrizes curriculares estaduais e federais. O processo aqui delineado, de incorporação ao vestibular de tendências originadas na pesquisa em ensino de ciências, pode ensejar reflexões úteis aos educadores em química.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Alves Porto, Universidade de São Paulo. Instituto de Química

é bacharel e licenciado em química pela Universidade de São Paulo, mestre e doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, livre-docente na área de Ensino de Química pela USP, professor associado do Departamento de Química Fundamental IQ-USP.

Publicado
2018-12-13
Como Citar
Porto, P. A. (2018). A química no Vestibular Fuvest (1980-2018). Estudos Avançados, 32(94), 247-267. https://doi.org/10.1590/s0103-40142018.3294.0017
Seção
Ensino de ciências