O tempo entre ficção e filosofia: sobre a História do cerco de Lisboa, de José Saramago

Palavras-chave: Literatura portuguesa, José Saramago, História do Cerco de Lisboa, Tempo, Filosofia

Resumo

O propósito deste artigo é discutir a concepção de tempo na História do cerco de Lisboa (1989), de José Saramago. Para tanto, a partir da leitura do romance, recorre-se a considerações filosóficas - de Agostinho, Kant, Nietzsche, Bergson, Cioran e Koselleck - sobre tempo e história. Pretende-se, assim, evidenciar e analisar os estratos temporais dessa História saramaguiana com base nas relações entre ficção e filosofia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Lachat, Universidade Federal de São Paulo

Departamento de Letras, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, São Paulo, Brasil.

Publicado
2020-06-30
Como Citar
Lachat, M. (2020). O tempo entre ficção e filosofia: sobre a História do cerco de Lisboa, de José Saramago. Estudos Avançados, 34(98), 331-344. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/171750
Seção
José Saramago: Temas e Linguagens