Traduzindo literaturas periféricas: a literatura norueguesa

  • Francis Henrik Aubert Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Tradução literária, Literaturas periféricas, Literatura norueguesa

Resumo

Traduções literárias de línguas/culturas periféricas tendem a ser esporádicas e, como tais, tornam-se mais propensas a buscar integrar o polissistema literário meta, abandonando os elos entre a obra original e seu polissistema fonte. Para atingir essa integração a abordagem assimilativa (ou domesticadora, no sentido de Venuti, 1998) mostra-se quase inevitável. O presente ensaio, tomando como exemplo as traduções efetivas e potenciais de obras da literatura norueguesa para o português brasileiro, sustenta que seria possível adotar uma abordagem diversa, que buscasse reproduzir - ainda que parcialmente - o polissistema fonte (ou fragmentos relevantes desse). Esta abordagem exigirá mais do que um esforço tradutório pontual: terá de ser mobilizada uma estratégia intercultural, planejando a tradução paulatina de uma multiplicidade de obras relevantes - e, destarte, estabelecer uma imitatio do polissistema fonte nos espaços de recepção brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2012-12-01
Como Citar
Aubert, F. (2012). Traduzindo literaturas periféricas: a literatura norueguesa. Estudos Avançados, 26(76), 177-184. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/47550
Seção
Dossiê Tradução literária