Medindo a Qualidade das Escolas: Evidências para o Brasil

Autores

  • Andréa Zaitune Curi Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas
  • André Portela de Souza Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas

DOI:

https://doi.org/10.1590/1413-8050/ea143472

Palavras-chave:

accountability, gestão-escolar, background familiar, ranking, modelo estrutural.

Resumo

Neste artigo propomos a criação de um indicador que reflita a qualidade da escola associada aos fatores escolares e que evite dois problemas encontrados em estudos anteriores: indicadores de proficiência em nível que refletem mais o background familiar do aluno do que a qualidade da escola; e estimações de valor adicionado muito sensíveis a erros de mensuração. Propomos indicadores que são obtidos através de um modelo estrutural em que se modela a variável latente de qualidade da escola de modo a corrigir o potencial viés dos estudos anteriores. Utilizamos dados brasileiros para aplicações desses indicadores e revisitamos a importância relativa dos fatores de família, escola e gestão. Os resultados mostramque o ordenamento das escolas pelos indicadores de qualidade difere do ordenamento obtido pelos indicadores com a proficiência em nível e é menos instável do que o ordenamento obtido a partir dos indicadores de valor adicionado puro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Portela de Souza, Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas

Professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (EESP/FGV) e Coordenador do C-Micro (FGV).

Downloads

Publicado

2015-09-19

Como Citar

Curi, A. Z., & Souza, A. P. de. (2015). Medindo a Qualidade das Escolas: Evidências para o Brasil. Economia Aplicada, 19(3), 541-574. https://doi.org/10.1590/1413-8050/ea143472

Edição

Seção

Artigos