A Microestrutura do Tesouro Direto: Sazonalidade do Fluxo de Ordens e o Processo de Formação de Spreads

Autores

  • Marcelo Perlin Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.11606/1413-8050/ea140191

Palavras-chave:

Dívida pública, tesouro direto, microestrutura do mercado, componentes do spread

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a microestrutura do Tesouro Direto em dois pontos: a dinâmica do fluxo de ordens e o processo de formação dos spreads. A análise dos dados mostra uma forte sazonalidade no fluxo de ordens deste mercado. Esta previsibilidade pode auxiliar na administração do estoque de títulos por parte do governo. O segundo ponto de análise no estudo foi na formação do spread no tesouro direto. No desenvolvimento do artigo se discute os fatores negativos a respeito do método utilizado atualmente e apresenta-se uma alternativa mais parcimoniosa através de um modelo de ajustamento

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Perlin, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Adjunto, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Downloads

Publicado

2016-09-01

Como Citar

Perlin, M. (2016). A Microestrutura do Tesouro Direto: Sazonalidade do Fluxo de Ordens e o Processo de Formação de Spreads. Economia Aplicada, 20(3), 253-272. https://doi.org/10.11606/1413-8050/ea140191

Edição

Seção

Artigos