Privatização e eficiência das usinas hidrelétricas brasileiras

Autores

  • Luciano Menezes Bezerra Sampaio Universidade de Paris
  • Francisco S. Ramos CNPq
  • Yony Sampaio Universidade da Califórnia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1413-80502005000300007

Palavras-chave:

usinas hidrelétricas, eficiência, DEA

Resumo

A transição do setor elétrico brasileiro do modelo estatal para o privado visa garantir recursos para cons-trução de novas usinas, reduzir os riscos de déficit de energia elétrica, eliminar desperdícios do sistema gerador atual e aumentar sua produtividade. Para analisar os mecanismos da gestão das usinas hidrelétricas, determinou-se o grau de eficiência técnica das usinas hidrelétricas brasileiras por meio da metodologia de Análise de Envoltória de Dados (DEA). A análise foi feita sobre 71 usinas hidrelétricas. Os escores de eficiência foram analisados segundo: o tipo de propriedade da empresa - pública ou privada; a empresa a qual pertencem as hidrelétricas; a localização, segundo a bacia hidrográfica; o tamanho, sob o aspecto de potência instalada; a altura de queda; e a mão-de-obra. O setor público foi mais eficiente que o privado. Destaca-se a CESP (empresa pública estadual) e a Light (empresa privada) com, respectivamente, o melhor e o pior desempenho de eficiência. As hidrelétricas mais eficientes quanto à potência instalada foram as intermediárias, e quanto à localização foram as da bacia do rio Paraná.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2005-09-01

Como Citar

Sampaio, L. M. B., Ramos, F. S., & Sampaio, Y. (2005). Privatização e eficiência das usinas hidrelétricas brasileiras. Economia Aplicada, 9(3), 465-480. https://doi.org/10.1590/S1413-80502005000300007

Edição

Seção

Artigos