[1]
T. Souza e C. Silva, “Déficits Gêmeos no Brasil: Qual a Relação de Causalidade?”, Econ. Aplic., vol. 22, nº 1, p. 87-108, mar. 2018.