Poor man’s crop? Slavery in cotton regions in Brazil (1800-1850)

Palavras-chave: Algodão, Escravidão, Brasil

Resumo

Grande parte da literatura sobre a produção de algodão no Brasil, durante o século XIX, considera
o algodão como um produto de “homem pobre” - cultivado por pequenos agricultores que
não empregavam uma grande força de trabalho escrava. No entanto, informações fornecidas
em mapas populacionais do período entre 1800 e 1840 mostram que os escravos representavam
metade da população do Maranhão, o mais importante exportador de algodão do Brasil
até a década de 1840. Isso representou uma participação maior do que em qualquer região
do nordeste do Brasil, e foi comparável às participações da população escrava registradas na
região algodoeira no sul dos Estados Unidos. Este artigo mostra que, durante os anos do
boom do algodão (1790-1820), não apenas o algodão exportado do nordeste brasileiro para
a Grã-Bretanha e a Europa continental foi cultivado em grandes plantações, mas também
os preços de escravos foram maiores no Maranhão do que em outras províncias brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-11-12
Seção
Artigo