O clube de economistas e a revista Econômica Brasileira (1955-1964)

Um episódio na história do desenvolvimentismo nacionalista no Brasil

Palavras-chave: Celso Furtado, Clube de Economistas, Econômica Brasileira, Desenvolvimentismo

Resumo

Este ensaio investiga a história do Clube de Economistas e da revista Econômica Brasileira por ele editada. O Clube foi criado em 1955 no Rio de Janeiro, congregando economistas de viés nacionalista-desenvolvimentista. Celso Furtado concebeu e liderou o Clube e a Revista. O Clube chegou ao fim em 1964, na esteira do golpe militar. Constrói-se uma narrativa sobre o surgimento do Clube. Criado em meio à crise política de 1954, o Clube emerge a partir da deterioração das relações e do aumento das tensões entre os economistas de viés nacionalista e os liberais da FGV-RJ e sua Revista Brasileira de Economia. A liderança desse último grupo era exercida por Eugênio Gudin. Uma proposta ainda mais ambiciosa almejada pelo Clube era o da criação de uma escola de pensamento original no país. Finalmente, apresenta-se um levantamento da literatura publicada na revista Econômica Brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Flavio Silva Andrada, Universidade de Brasília. Departamento de Economia

Professor do Departamento de Economia da Universidade de Brasília.

Mauro Boianovsky, Universidade de Brasília. Departamento de Economia

Professor do Departamento de Economia daUniversidade de Brasília (UnB)

Andrea Cabello, Universidade de Brasília. Departamento de Economia

Professora do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB)

 

Referências

Textos publicados em jornais
Bulhões, Octávio Gouveia de. 1953. “A Programação do Desenvolvimento Econômico”, Jornal do Commercio,
Rio de Janeiro, 24 de maio, 4.
Correio da Manhã. 1953. “Planejamento Econômico da América Latina”, Rio de Janeiro, 25 de abril, 7.
Diário de Notícias. 1955. “Revista Especializada de Economia”. Rio de Janeiro, 16 de março, 6.
Fernandes, Florestan. 1958. “Resenha a ‘Perspectivas da Economia Brasileira”. O Estado de S. Paulo, São
Paulo, 1º de novembro, 38
Furtado, Celso. 1953. “A Programação do Desenvolvimento Econômico. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro,
21 de junho, 4
Gudin, Eugênio. 1953ª. “A Mística do Planejamento I”, Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 20 de maio, 2.
_______. 1953b. “A Mística do Planejamento II”, Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 2 de junho, 2.
_______. 1954. “O Novo Governo”, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 27 de agosto, 10.
Jornal do Brasil. 1964. “Extinto o ISEB”, Rio de Janeiro, 12 de abril, 16.
Jornal do Commercio. 1959. “As pressões inflacionárias”. Rio de Janeiro, 25 de fevereiro, 4.
Linhares, Temístocles. 1957. “Um historiador marxista”, O Estado de S. Paulo, São Paulo, 19 de maio, 77.
Prebisch, Raúl. 1953. “A Mística do Equilíbrio espontâneo da economia”, Diário de Notícias, Rio de Janeiro,
8 de novembro, 20.
Vargas, Getúlio. 1953. “Em debate os problemas básicos da América Latina”, Correio da Manhã, Rio de Janeiro,
10 de abril, 12.
Artigos publicados na Econômica Brasileira
Ahumada, Jorge. 1956. “Notas sobre o problema do desenvolvimento regional”. Econômica Brasileira 2 (4):
157-175.
Boti, Regino. 1962. “Planejamento econômico em Cuba”. Econômica Brasileira, 8, no. 2: 67-79.
Bulhões, Octávio Gouveia de. 1956. “O Ensino de Economia no Brasil”. Econômica Brasileira, 2(4): 200-203.
Delfim Netto, Antonio. 1959. “Uma nota sobre a equação a diferenças finitas que descreve o modelo de Celso
Furtado”. Econômica Brasileira, 5(1 e 2): 58-61.
Dobb, Maurice. 1960. “A polêmica sobre a teoria dos preços nos países de economia socialista”. Econômica
Brasileira 6(3 e 4): 63-73.
Econômica Brasileira. 1955. “Editorial sem título”. Econômica Brasileira 1(1): 1-2.
________. 1955b. “Clube de Economistas”. Econômica Brasileira 1(1): 49-50
_________. 1957. “Aos leitores de revista Econômica Brasileira”. Econômica Brasileira 3(3 e 4): n.p.
_________. 1959. “Ata da Oitava Assembleia Geral do Clube de Economistas”. Econômica Brasileira 5(3 e 4): n.p.
_________. 1960. “Ao leitor”. Econômica Brasileira 6(1 e 2): n.p.
Friss, Istvan. 1958. “A estrutura da oferta e da procura nas economias socialistas”. Econômica Brasileira 4(3
e 4): 79-98.
Furtado, Celso. 1955a. “O Desenvolvimento Econômico”. Econômica Brasileira 1(1): 4-23.
_________. 1955b. “Resenha: Princípios de Economia Monetária – Eugênio Gudin”. Econômica Brasileira
1(2): 120-3.
Estud. Econ., São Paulo, vol.48 n.4, p. 721-756, out.-dez. 2018
754 Alexandre Flávio Silva Andrada, Mauro Boianovsky e Andrea Felippe Cabello
_________. 1956a. “Resenha: The Theory of Economic Growth – W. Arthur Lewis”. Econômica Brasileira 2(1): 51
_________. 1956b. “Resenha: The Accumulation of Capital – Joan Robinson”. Econômica Brasileira 2(4): 221.
_________. 1956c. “Resenha a Solidaridad o Desintegración – Gunnar Myrdal. Econômica Brasileira 2(4): 220-1.
_________. 1958a. “Fundamento da Programação Econômica”. Econômica Brasileira 4 (1 e 2): 39-44
_________. 1958b. “Comentários sobre estudos do professor Rosenstein-Rodan”. Econômica Brasileira 4(3 e
4): 119-126.
_________. 1959. “Notas Bibliográficas: The Strategy of Economic Development”. Econômica Brasileira 5(1
e 2):64-65.
_________. 1960. “Industrialização e Inflação”. Econômica Brasileira 4 (3 e 4): 74-91.
Galvêas, Ernane. 1959. “Nacionalismo e Desenvolvimento Econômico”. Econômica Brasileira 4(3 e 4): 103-16.
Grunwald, Joseph. 1961. “Escola ‘Estruturalista’, estabilidade de preços e desenvolvimento econômico – o caso
chileno”. Econômica Brasileira 7(1 e 2): 3-26
Gudin, Eugênio. 1955. “Observações do Prof. Eugênio Gudin”. Econômica Brasileira 1(2): 123-5.
_______. 1956. “Quem perde com a inflação”. Econômica Brasileira 4(2): 198-200
Hirschman, Albert O. 1960. “Notas e Comentários”. Econômica Brasileira 6(3): 127-130.
Jaguaribe, Hélio. 1961. “Desenvolvimento Econômico Programado e Organização Política”. Econômica Brasileira
7(3 e 4): 99-118.
Kaldor, Nicholas. 1956. “A evolução capitalista a luz da teoria keynesiana”. Econômica Brasileira 2(3): 107-120.
Lange, Oscar. 1956. “Problemas de programação nas economias subdesenvolvidas”. Econômica Brasileira
2(3): 145.
Myrdal, Gunnar. 1959. “Saúde e desenvolvimento”. Econômica Brasileira 5(3 e 4): 69-83.
Noyola Vázquez, Juan. 1955. “Resenha: A Economia Brasileira – Celso Furtado”. Econômica Brasileira 1(3):
191-194.
____________. 1957. “A evolução do pensamento econômico no último quarto de século e sua influência na
América Latina”. Econômica Brasileira 3(1): 225-238.
Oliveira, Américo Barbosa de. 1957. “Educação um Investimento a Longo Prazo”. Econômica Brasileira 3(3
e 4): 390-400.
___________. 1958. “Planejamento econômico: da estratégia e da tática na execução da ação planejada”. Econômica
Brasileira 4(1 e 2): 45-53.
___________. 1959. “Resenha: Ideologias do Desenvolvimento na América Latina – Albert Hirschman”. Econômica
Brasileira 5(3 e 4): 123-135.
Prebisch, Raúl. 1955. “Crescimento Demográfico, Emprego e Formação de Capital nos Países Subdesenvolvidos”.
Econômica Brasileira 1(3): 135-143
__________. 1960. “A Cepal e o Desenvolvimento da América Latina: Discurso pronunciado perante o Conselho
Econômico e Social das Nações Unidas”. Econômica Brasileira 6 (1 e 2):52-56.
Pinto Santa Cruz, A. 1959. “Estabilidade e desenvolvimento”. Econômica Brasileira 5(1 e 2): 3-26.
Rangel. Ignácio M. 1955. “Industrialização e agricultura”. Econômica Brasileira 1(4): 248-9
________. 1956. “Iniciativa pública e privada”. Econômica Brasileira 2(3): 133-140.
________. 1958. “O problema da formação de capital”. Econômica Brasileira 4(1 e 2): 23-38.
_________. 1960. “As Etapas do Desenvolvimento Brasileiro”. Econômica Brasileira 4(3 e 4):108-117
_________. 1962. “A Inflação Brasileira”. Econômica Brasileira 8(2): 120-30
Rothrock, John B. 1956. “Utilização adequada das reservas monetárias”. Econômica Brasileira 2(4): 197-198.
O Clube de Economistas e a Revista Econômica Brasileira (1955-1964) 755
Estud. Econ., São Paulo, vol.48 n.4, p. 721-756, out.-dez. 2018
Simonsen, Mário Henrique. 1958. “Capital de giro para financiamento de vendas”. Econômica Brasileira 4(1
e 2): 127-136.
Sunkel, Osvaldo. “O modelo de crescimento de Domar”. Econômica Brasileira 2(2): 55-68.
________. 1957. “Um esquema geral para a análise da inflação”. Econômica Brasileira 3(3 e 4): 361-377.
Material de Arquivo
Hirschman, Albert. O. 1957. “Diary – Brazil and Colombia, August 12-September 12 1957”. Rockefeller Archive
Center. Folder 336, Box 46.
Furtado, Celso. 1955c. “Carta para Victor Urquidi”. Arquivos Celso Furtado.
Furtado, Celso. 1956. "Carta para Eugênio Gudin". Arquivos Eugênio Gudin. CPDOC-FGV.
Demais Referências
Allen, R.G.D. 1956. Mathematical economics. New York: St. Martin’s Press.
Almeida, José Roberto Novaes de. 2009. Economia monetária: uma abordagem brasileira. São Paulo: Atlas.
Baldwin, Robert E. 1952. “A Modificação Secular das Relações de Troca.” Revista Brasileira de Economia 6(3):
79-106.
Barbosa Filho, F. de H. e Samuel Pessôa. 2009. “Educação, crescimento e distribuição de renda: a experiência
brasileira em perspectiva histórica.” In Giambiagi, Fabio, Fernando Veloso & Ricardo Henriques. Educação
Básica no Brasil: construindo o país do futuro. Rio de Janeiro: Elsevier.
Bielschowsky, Ricardo. 1988. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo.
Vol. 19. Rio de Janeiro: Ipea/Inpes.
Boianovsky, Mauro. 2010. “A view from the tropics: Celso Furtado and the theory of economic development in
the 1950s.” History of Political Economy 42(2): 221-266.
Boianovsky, Mauro. 2012. “Celso Furtado and the structuralist-monetarist debate on economic stabilization in
Latin America.” History of Political Economy 44 (2): 277-330.
Boianovsky, Mauro. 2013. “The Economic Commission for Latin American and the 1950s debate on choice of
techniques”. Review of Political Economy 25: 373-98.
Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC). “Conselho Nacional de
Economia”. http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/conselho-nacional-de-economia-cne
(Acesso em: 10 de junho de 2018)
Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento. “Prefácios, apresentações e resenhas”.
http://www.centrocelsofurtado.org.br/interna.php?ID_M=1099 (Acessado em: 22 de maio de 2018).
Ekerman, Raul. 1989. “A comunidade de economistas do Brasil: dos anos 50 aos dias de hoje.” Revista Brasileira
de Economia 43(2): 113-138.
Fernandez, Ramón García, e Carlos Eduardo Suprinyak. 2018. “Creating Academic Economics in Brazil: the
Ford Foundation and the beginnings of ANPEC.” EconomiA 19(3). No prelo.
Furtado, Celso. 1950. “Características gerais da economia brasileira.” Revista Brasileira de Economia 4(1): 7-38.
_____. 1957. A análise marginalista e a teoria do subdesenvolvimento. In Contribuições à análise do desenvolvimento
econômico: Escritos em homenagem a Eugenio Gudin, 163–75. Rio: Agir.
Estud. Econ., São Paulo, vol.48 n.4, p. 721-756, out.-dez. 2018
756 Alexandre Flávio Silva Andrada, Mauro Boianovsky e Andrea Felippe Cabello
_________. 1985. A fantasia organizada. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
_________. 1989. A fantasia desfeita, 2ª edição, Rio de Janeiro: Paz e Terra.
_________. 2007. Formação Econômica do Brasil, São Paulo: Companhia das Letras [1959].
Gudin, Eugênio. 1947. “Os índices da conjuntura econômica”. Conjuntura Econômica 1(1): 1.
_______. 1952. “O caso das nações subdesenvolvidas.” Revista Brasileira de Economia 6(3): 47-77.
Haddad, Paulo Roberto. 1981. “Brazil: economists in a bureaucratic-authoritarian system.” History of Political
Economy 13(3): 656-680.
Henderson, James P. 1983. “The oral tradition in British economics: influential economists in the Political
Economy Club of London.” History of Political Economy 15(2): 149-179.
Loureiro, Maria Rita. 1992. “Economistas e elites dirigentes no Brasil.” Revista Brasileira de Ciências Sociais
7(20): 47-65.
___________. 1996. “The professional and political impacts of the internationalization of economics in Brazil.”
History of Political Economy, annual supplement (28): 184-210.
___________. 2009. “Economists in the Brazilian government: from developmentalist state to neoliberal policies”.
In: Montecinos, Veronica & John Markoff. “Economists in the Americas”. Cheltenham: Edward Elgar
Publishing, 100-141.
Matus, Carlos. 1998. Estrategia y plan. México: Siglo XXI.
Nurkse, Ragnar. 1953. “Notas sobre o Trabalho do Sr. Furtado Relativo a Formação de Capitais e Desenvolvimento
Econômico”. Revista Brasileira de Economia 7(1): 67-87.
Prebisch, Raúl. 1949. “O desenvolvimento econômico da América Latina e seus principais problemas.” Revista
Brasileira de Economia 3(3): 47-111.
Silva, Roberto Pereira. 2017. " A controvérsia sobre o planejamento econômico no Brasil. O debate entre Celso
Furtado e Octávio Gouveia de Bulhões e suas repercussões." Apresentado na Conferência ALAHPE, Bogotá,
dezembro 2017.
Simonsen, Mário Henrique. 1966. “O ensino de economia em nível de pós-graduação no Brasil.” Revista Brasileira
de Economia 20(4): 19-30.
Singer, H. W. 1950. “Comércio e Investimentos em áreas subdesenvolvidas.” Revista Brasileira de Economia
4(1): 81-103.
Skidmore, Thomas. 2007. Brasil: de Getúlio a Castelo, 14a edição, Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.
Sola, Lourdes. 1998. Ideias econômicas, decisões políticas. São Paulo: Edusp.
Unesco. 1956. International Social Science Bulletin. 8(2).
Publicado
2018-11-12
Seção
Artigo