Deficiência, emprego e salário no mercado de trabalho brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-41614912klb

Palavras-chave:

Pessoas com deficiência, Diferenças de remuneração, Trabalho

Resumo

Este estudo pretende analisar o efeito da deficiência no emprego e no salário por hora de trabalho no Brasil. A amostra é da Pesquisa Nacional de Saúde de 2013, e foram considerados três grupos: não deficientes, deficientes com limitações das atividades e deficientes sem tais limitações. Utilizou-se como estratégia metodológica a decomposição das diferenças de remuneração entre os grupos nos quantis da distribuição de salários. Os resultados indicaram uma vantagem salarial dos não deficientes e dos deficientes sem limitações em relação aos deficientes com limitações das atividades nos quantis 50° e 90°, que se deve, principalmente, às diferenças nas características observáveis dos indivíduos. Os deficientes sem limitações apresentaram uma vantagem salarial em relação aos não deficientes no quantil 90°. Esse resultado pode ser uma evidência de que os empregadores optam por contratar deficientes sem limitações para cargos de maior remuneração e, assim, cumprem as determinações da política de cotas para pessoas com deficiência, sem que sejam necessários ajustes significativos na infraestrutura ou nas rotinas de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Acemoglu, D., Angrist, J. D. 2001. “Consequences of Employment Protection? The Case of the Americans with Disabilities Act”. Journal of Political Economy 109(5): 915-957.
Becker, G. 1971. “The Economics of Discrimination”. University of Chicago Press, Chicago, IL.
Becker, G. 1993. “Human Capital: A Theoretical and Empirical Analysis, with Special Reference to Education”. Chicago, University of Chicago Press 3rd ed.
Becker, K. L. 2018. “Como a deficiência afeta a educação e o trabalho de jovens no Brasil”. UFSM: Texto para discussão. Disponível em: http://coral.ufsm.br/economia
Bell, D.; Heitmueller, A. 2009. “The Disability Discrimination Act in the UK: Helping or hindering employment among the disabled?” Journal of Health Economics 28:465–480.
Blinder, A. S. 1973. “Wage discrimination: reduced form and structural estimates.” Journal of Human resources, 436-455.
Castro, N. R.; Moreira, G. C.; Silva; R. P. 2017. “Wage differential and disability in Brazil - a productive or discriminatory effect?” In: Encontro Nacional de Economia, Natal, Rio Grande do Norte. Anais... Natal: Anpec, dez. 2017.
Deleire, T. 2001. “Changes in wage discrimination against people with disabilities: 1984-93”. Journal of Human Resources, 144-158.
Ettner, S.L. 2000. “The relationship between labour market outcomes and physical and mental health; exogenous human capital or endogenous health production?”, in D.S. Salkever and A. Sorkin (eds), The Economics of Disability, Research in Human Capital and Development 13, JAI Press Inc, Stamford, CT.
Filmer, D. 2008. “Disability, poverty, and schooling in developing countries: results from 14 household surveys”. The World Bank Economic Review 2008(22):141-163.
Firpo, S., Fortin, N. M., Lemieux, T. 2009. “Unconditional quantile regressions”. Econometrica 77(3): 953–973.
Heckman, J. J. 1979. “Sample selection bias as a specification error”. Econometrica 47(1):153-161, Jan., 1979.
Jannuzzi, G. M. A. 2004. “A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI”. Campinas: Autores Associados, 2004.
Jones, M. K. 2008. “Disability and the labour market: a review of the empirical evidence”. Journal of Economic Studies 35(5): 405 – 424.

Jones, M. K., Latreille, P. L., Sloane, P. J. 2006. “Disability, Gender, and the British Labour Market”. Oxford Economic Papers, New Series 58(3): 407-449, Jul. 2006.
Jones, M. K., Latreille, P. L. 2010. “Disability and earnings: Are employer characteristics important?” Economics Letters 106: 191–194.
Jones, M. K. 2011. “Disability, employment and earnings: an examination of heterogeneity”. Applied Economics 43: 1001–1017.
Kassar, M. C. M. 2011. “Percursos da constituição de uma política brasileira de educação especial inclusiva”. Revista Brasileira de Educação Especial 17: 41-58, Maio-Ago., 2011, Marília. Edição Especial.
Kassouf, A. L. 1994. “The wage rate estimation using the Heckman procedure”. Revista de Econometria: 89-107, 1994.
Kruse, D. and Schur, L. 2003. “Employment of people with disabilities following the ADA”, Industrial Relations 42: 31-64.
Longhi, S., Nicoletti, C., Platt, L. 2012. “Interpreting Wage Gaps of Disabled Men: The Roles of Productivity and of Discrimination”. Southern Economic Journal 78(3):931–953.
Oaxaca, R. 1973. “Male-Female wage differentials in urban labor markets”. International Economic Review 14(3): 693-709.
OMS 2011. “World report on disability 2011”. World Health Organization – WHO. Press, 20 Avenue Appia, 1211 Geneva 27, Switzerland.
OMS 2013. “How to use the ICF: A practical manual for using the International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF)”. Exposure draft for comment. October 2013. World Health Organization. Geneva: WHO.
Phelps, E.S. 1972. “The statistical theory of racism and sexism”. American Economic Review 62(4): 659-61.
Resende, M., Wyllie, R. 2006. “Retornos para educação no Brasil: evidências empíricas adicionais”. Economia Aplicada 10(3): 349-365, julho-setembro, São Paulo, 2006.
Ribeiro, M. A., Carneiro, R. 2009. “A inclusão indesejada: as empresas brasileiras face à lei de cotas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho”. Organizações & Sociedade16(50), Salvador, jul. 2009.
Schwochau, S., Blanck, P. D. 2000. “Economics of the Americans with Disabilities Act, Part III: Does the ADA Disable the Disabled”. Berkeley Journal of Employment & Labor law 21:271.

Downloads

Publicado

2019-03-31

Edição

Seção

Artigo