Avaliação do impacto do Atendimento Educacional Especializado (AEE) sobre a defasagem escolar dos alunos da educação especial

Palavras-chave: Atendimento Educacional Especializado, Educação Especial, Inclusão

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar a influência das políticas públicas voltadas à inclusão escolar, em especial do acesso ao Atendimento Educacional Especializado, sobre os anos de defasagem escolar dos alunos público-alvo da educação especial. Para a condução da análise empírica, o método Propensity Score Matching foi empregado, com base nos microdados do Censo Escolar da Educação Básica - 2016. Treze amostras foram construídas, segundo as necessidades educacionais especiais dos alunos. Os resultados sugerem impacto negativo do programa sobre os anos de defasagem escolar para oito grupos de deficiência, com destaque para alunos com cegueira e baixa visão. Mesmo com os impasses enfrentados pelos estudantes, pelos profissionais e demais envolvidos na condução do AEE, ele se mostra eficiente em elevar a aprendizagem. Este estudo contribui para a avaliação do programa, que demanda constante aperfeiçoamento, de modo a atender às especificidades educacionais particulares a cada estudante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta Rodrigues Salvini, Universidade Federal de Viçosa

Doutoranda em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa - UFV.

Raquel Pereira Pontes, Universidade Federal de Viçosa

Doutoranda em Economia Aplicada na Universidade Federal de Viçosa – UFV

Cristiana Tristão Rodrigues, Universidade Federal de Viçosa

Professora do Departamento de Economia da UFV

Maria Micheliana da Costa Silva, Universidade Federal de Viçosa

Professora do Departamento de Economia Aplicada da UFV

Referências

Autism Speaks. 2011. Autismo e Realidade: Manual para as escolas. Accessed January 30, 2018. http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/cao_civel/aa_ppdeficiencia/aa_ppd_autismo
/aut_diversos/Manual_para_as_Escolas.pdf.

Brasil. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Accessed September 15, 2017. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

______. 1994. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO.

______. 1990. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Jomtiem: UNESCO.

______. 2007. Decreto nº 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação. Accessed October 30, 2017. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6094.htm.

______. 2005. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Accessed October 30, 2017. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm.

______. 1999. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, e dá outras providências. Accessed October 30, 2017. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec3298.pdf.

______. 2011. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Accessed September 15, 2017. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d761
1.htm.

______. 2001. Decreto nº 3.956, de 8 de outubro de 2001. Promulga a Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas Portadoras de Deficiência. Accessed October 30, 2017. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03
/decreto/2001/d3956.htm.

______. 1961. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Accessed October 30, 2017. http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publi
cacaooriginal-1-pl.html.

______. 2002. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e dá outras providências. Accessed October 30, 2017. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10436.htm.

______. 1971. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Accessed October 30, 2017. http://www2.camara.
leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html.

______. 1996. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Accessed September 15, 2017. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis
/L9394.htm.

______. 2001. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Accessed October 30, 2017. http://www.planalto.gov.br/
ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm.

______. 2014. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Accessed October 30, 2017. http://www.planalto.gov.br/cci
vil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm.

______. 1989. Lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, e dá outras providências. Accessed October 30, 2017. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7853.htm.

______. 2010. Manual de Orientação: Programa de Implantação de Sala de Recursos Multifuncionais. Accessed May 04, 2019. http://portal.mec.gov.br.

______. 2010. NOTA TÉCNICA Nº 15 / 2010 / MEC / CGPEE / SEESP. Orientações sobre Atendimento Educacional Especializado na Rede Privada. Accessed January 10, 2019. http://portal.mec.gov.br/.

______. 2015. Orientações para implementação da Política de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Accessed October 30, 2017. http://portal.mec.gov.br/ind
ex.php?option=com_docman&view=download&alias=17237-secadi-documento-subsidiario-2015&Itemid=30192.

______. 2006. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: UNESCO.

______. 1994. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC/SEESP.

______. 2008. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Accessed September 15, 2017. http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeduces
pecial.pdf.

______. 2002. Portaria nº 2.678, de 24 de setembro de 2002. Accessed October 30, 2017. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/grafiaport.pdf.

______. 2007. Portaria Normativa nº 13, de 24 de abril de 2007. Accessed October 30, 2017. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9935-port
aria-13-24-abril-2007&Itemid=30192.

______. 2001. Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Accessed September 15, 2017. http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf.

______. 2002. Resolução nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Accessed October 30, 2017. http://portal.mec.gov.br/cne/
arquivos/pdf/rcp01_02.pdf.

______. 2009. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Accessed September 15, 2017. http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09
.pdf.

Batista, Marcus, and Sônia F. Enumo. 2004. “Inclusão escolar e deficiência mental: análise da interação social entre companheiros.” Estudos de Psicologia 9: 101-111.

Becker, Sascha O., and Andrea Ichino. 2002. “Estimation of average treatment effects based on propensity scores.” The Stata Journal 2 (4): 358-377.

Bridi, Fabiane R. S. 2011. “Formação continuada em educação especial: o Atendimento Educacional Especializado.” Poiésis 4: 187-199.

Caliendo, Marco, and Sabine Kopeinig. 2008. “Some practical guidance for the implementation of propensity score matching.” Journal of Economic Surveys 22: 31-72.

DiPrete, Thomas A., and Markus Gangl. 2004. “Assessing Bias in the Estimation of Causal Effects: Rosenbaum Bounds on Matching Estimators and Instrumental Variables Estimation with Imperfect Instruments.” Sociological Methodology 34 (1): 271-310.

Farrell, Peter, Alan Dyson, Filiz Polat, Graeme Hutcheson, and Frances Gallannaugh. 2007. “The relationship between inclusion and academic achievement in English mainstream schools.” School Effectiveness and School Improvement 18 (3): 335-352.

Ferreira, Simone de M., Eloisa B. de Lima, and Fernanda A. Garcia. 2015. “O Serviço de Atendimento Educacional Especializado/AEE e Práticas Pedagógicas na Perspectiva da Educação Inclusiva.” Revista Cadernos de Estudos e Pesquisa na Educação Básica 1: 46-61.

Fletcher, Jason. 2010. “Spillover Effects of Inclusion of Classmates with Emotional Problems on Test Scores in Early Elementary School.” Journal of Policy Analysis and Management 29 (1): 69-83.

Friesen, Jane, Ross Hickey, and Brian Krauth. 2010. “Disabled Peers and Academic Achievement.” Education Finance and Policy 5 (3): 317-348.

Gertler, Paul, Sebastian Martinez, Patrick Premand, Laura Rawlings, and Christel Vermeersch. 2010. Impact evaluation in practice. Washington: World Bank Publications.

Giné, Climent, and Robert Ruiz. 1995. “As adequações curriculares e o projeto de educação do centro educacional.” In Desenvolvimento psicológico e educação: necessidades educativas especiais e aprendizagem escolar, edited by César Coll, Jesus Palácios, and Álvaro Marchesi, 295-306. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

Gottfried, Michael A. 2014. “Classmates with Disabilities and Students’ Noncognitive Outcomes.” Educational Evaluation and Policy Analysis 36 (1): 20-43.

Hanushek, Eric, John F. Kain, and Steven G. Rivkin. 2002. “Inferring program effects for special populations: Does special education raise achievement for students with disabilities?” The Review of Economics and Statistics 84 (4): 584-599.

Heckman, James, and Richard Robb. 1985. “Alternative models for evaluating the impact of interventions.” In Longitudinal Analysis of Labor Market Data, edited by James Heckman and Burton Singer, 156–245. Cambridge: Cambridge University Press.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). 2016. Censo Escolar. Accessed October 30, 2017. http://portal.inep.gov.br/microdados.

Kassar, Mônica de C. M. 2011. “Educação especial na perspectiva da educação inclusiva: desafios da implantação de uma política nacional.” Educar em revista (41): 61-79.

Khandker, Shahidur, Gayatri Koolwal, and Hussain Samad. 2010. Handbook on impact evaluation – quantitative methods and practices. Washington: The World Bank.

Lechner, Michael. 1999. “Earnings and employment effects of continuous gff-the-job training in east germany after unification.” Journal of Business & Economic Statistics 17: 74-90.

Meletti, Silvia M. F., and José G. S. Bueno. 2011. “O impacto das políticas públicas de escolarização de alunos com deficiência: uma análise dos indicadores sociais no Brasil.” Linhas Críticas 17: 367-383.

Mendes, Geovana M. L., Fabiany Silva, and Márcia Pletsch. 2011. “Atendimento Educacional Especializado: Por entre políticas, práticas e currículo – Um Espaço-tempo de inclusão?.” Revista Contrapontos 11: 255-265.

Milanez, Simone G. C., and Anna Augusta S. de Oliveira. 2013. “O Atendimento Educacional Especializado para alunos com deficiência intelectual: a política, as concepções e a avaliação.” In Atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual e transtornos globais do desenvolvimento, edited by Simone Milanez, Anna Oliveira, and Andréa Misquiatti, 13-24. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Oliveira, Anna Augusta S. de, and Lucia Leite. 2007. “Construção de um sistema educacional inclusivo: um desafio político-pedagógico.” Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação 15: 511-524.

Organização das Nações Unidas (ONU). 2006. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Accessed October 30, 2017. http://www.unfpa.org.br/Arquivos/convencao_direi
tos_pessoas_com_deficiencia.pdf.

Pletsch, Márcia Denise. 2012. “Educação Especial e Inclusão Escolar: uma radiografia do Atendimento Educacional Especializado nas redes de ensino da Baixada Fluminense/RJ.” Ciências Humanas e Sociais em Revista 34: 31-48.

Rosenbaum, Paul R., and Donald B. Rubin. 1983. “The central role of the propensity score in observational studies for causal effects.” Biometrika 70: 41-55.

Rosenbaum, Paul R. 2002. Observational Studies. 2nd edition. New York: Springer.

Ruijs, Nienke. 2017. “The impact of special needs students on classmate performance.” Economics of Education Review 58: 15-31.

Santos, Vivian, Josiane P. Torres, and Enicéia G. Mendes. 2016. “Análise da produção científica brasileira sobre o Atendimento Educacional Especializado.” Educação 6: 11-24.

Silva, Mariana C. V., and Silvia Márcia F. Meletti. 2014. “Estudantes com necessidades educacionais especiais nas avaliações em larga escala: prova Brasil e ENEM.” Revista Brasileira de Educação Especial 20: 53-68.

Tannús-Valadão, Gabriela. 2010. Planejamento Educacional Individualizado na Educação Especial: propostas oficiais da Itália, França, Estados Unidos e Espanha. Accessed January 04, 2019. https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/3070.

Wooldridge, Jeffrey. 2010. Econometric analysis of cross section and panel data. Cambridge: MIT press.
Publicado
2019-08-27
Seção
Artigo