A importância da criança escrava e seu comércio no Oeste paulista, 1861-1869

  • Gabriel Almeida Antunes Rossini Universidade Federal do ABC
Palavras-chave: Escravidão, Crianças, Tráfico de Escravos, Brasil, São Paulo, Século XIX

Resumo

Neste artigo, lançamos luz sobre a importância da criança escrava no âmbito da expansão cafeeira paulista. Para tanto, além de resgatarmos parte da bibliografia relevante sobre o tema, mobilizamos dados secundários e ampla base de dados primários decorrente de escrituras de compra e venda de escravos compulsadas em importante centro cafeicultor do Oeste paulista, Rio Claro, entre 1861 e 1869. Por meio da bibliografia consultada e dos dados levantados, buscamos apreender a relevância da criança cativa e aspectos econômicos e demográficos atinentes à dinâmica do tráfico interno deste grupo, tais como: volume de transações de compra e venda ocorridas ao longo do recorte temporal eleito; dinâmica do preço de venda; a interação entre preços e sexo, idade, tipologia do comércio doméstico e experiência/ocupação; volume de crianças transacionadas individualmente ou no interior de grupos de escravos; a participação de famílias escravas no âmbito do conjunto das negociações que tivemos acesso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Almeida Antunes Rossini, Universidade Federal do ABC

Economista. Mestre e Doutor - IE/UNICAMP. Prof. Dep. de Economia PUC-SP.

Referências

Fontes primárias manuscritas
Livros de notas gerais e aqueles destinados ao registro da compra e venda de escravos preservados pelo Primeiro Cartório de Notas e Protestos de Rio Claro (1861-1869).
Fontes secundárias
ALENCASTRO, Luiz Felipe In Schwarcz, Lilia Moritz e Gomes, Flávio dos Santos (Orgs.), Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
ANDRADE, Rômulo. Havia um mercado de famílias escravas? (A propósito de uma hipótese recente na historiografia da escravidão), Locus: Revista de História, vol. 4, nº 1, 1998.
ANDRADE Rômulo. Legitimidade e alforria de crianças escravas na província de Minas Gerais. X Congresso Internacional da Aaladaa. Rio de Janeiro. Anais, 2001.
AZEVEDO, Elciene. Orfeu de Carapinha, Campinas, SP. Ed. UNICAMP, 1999
AZEVEDO, Elciene. O direito dos escravos. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2010.
AZEVEDO, Célia M. M. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites, século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
BASSANEZI, Maria Sílvia C. Beozzo (org.). São Paulo do passado: dados demográficos, 1836-1920. Núcleo de Estudos de População – NEPO, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, 1999.
BETHELL, Leslie. A abolição do tráfico de escravos no Brasil: A Grã-Bretanha, o Brasil e a questão do comércio de escravos 1807-1869. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2002,
BRASIL, Coleção de Leis do Império do Brasil. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/doimperio.
CAMARGO J. F. de, Crescimento Populacional no Estado de São Paulo e seus Aspectos Econômicos. Ensaio Sobre a Relação Entre Demografia e Economia. Boletim N. 153 Economia Política e História das Doutrinas Econômicas. São Paulo: USP, 1952.
CANO, Wilson. Raízes da concentração industrial em São Paulo. 2. ed. São Paulo: T. A. Queiroz, 1983.
CANO, Wilson. Padrões diferenciados das principais regiões cafeeiras (1850-1930). Revista de Estudos Econômicos. São Paulo, vol.15, n.2, mai-ago, pp. 291-306, 1985.
CHALHOUB, Sidney, A Força da Escravidão: Ilegalidade e Costumes no Brasil Oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
CONRAD, Robert, Os últimos anos da escravidão no Brasil: 1850-1888. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
COSTA, Emília Viotti da, Da senzala à colônia. São Paulo: Ed. Unesp, 1997.
COSTA, Wilma Peres. A economia mercantil escravista nacional e o processo de construção do Estado no Brasil. In. História econômica da independência e do Império. Szmrecsanyi, Tamás e Lapa, J. R. Amaral (Orgs.) São Paulo: EDUSP, Imprensa Oficial e HICITEC, 2002.
DEAN, Warren. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura, 1820-1920. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
ELTIS David, BEHRENDT Stephen D. e RICHARDSON, David. A participação dos países da Europa e das américas no tráfico transatlântico de escravos: novas evidências. Afro-Ásia, 24, pp. 9-50, 2000.
ELTIS, David e RICHARDSON, David (orgs.), Extending the Frontiers: Essays on the New Transatlantic Slave Trade Database, New Haven e Londres: Yale University Press, 2008.
ELTIS, David, BEHRENDT, Stephen, RICHARDSON, David e Herbert Klein, The Transatlantic Slave Trade, 1527-1867: A Database on CD-ROM, New York: Cambridge University Press, 1999.
ELTIS, David. In. Construção do Banco de Dados do Tráfico de Escravos Transatlântico: fontes e métodos. Trans-Atlantic Slave Trade Database. Disponível em: http://www.slavevoyages.org. Acesso em 15/02/2018.
ELTIS, David, e RICHARDSON, David. Atlas of the Transatlantic Slave Trade. New Haven & Londres: Yale University Press, 2010.
FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. Rio de Janeiro: Ed. Globo, 2008.
FLAUSINO, Camila Carolina. Negócios da escravidão: tráfico interno de escravos em Mariana (1850-1886). In: Encontro Regional de História, 15, 2006, São João Del Rei. Anais... São João Del Rei: ANPUH-MG, CD-ROM, 2006.
FLORENTINO, Manolo e MACHADO, Cacilda. Sobre a família escrava em plantéis ausentes do mercado de cativos: três estudos de casos (século 19). XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP, 1998.
FLORENTINO, Manolo Garcia. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro. Séculos XVIII e XIX. Companhia das Letras: São Paulo, 1997.
FRAGOSO & FLORENTINO. Marcelino filho de Inocência Crioula, neto de Joana Cabinda: um estudo sobre famílias escravas em Paraíba do Sul (1835-1872). In. Estudos Econômicos. 17(2): 151-173. Maio/Ago, 1987.
FURTADO, Celso Monteiro. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1972.
GÓES, José Roberto e FLORENTINO, Manolo. Morfologias da infância escrava: Rio de Janeiro, séculos XVIII e XIX” in: Manolo Florentino (Org.), Tráfico, cativeiro e liberdade (Rio de Janeiro, séculos XVII-XIX), Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
GOÉS, J.R. & FLORENTINO, M. Crianças escravas, crianças dos escravos. Em: Priore, M.(Org.), História das crianças no Brasil (pp. 177-191). São Paulo: Contexto, 1999.
GÓES, José Roberto Pinto de. Escravos da paciência: um estudo sobre a obediência escrava no Rio de Janeiro (1790-1850), tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1998.
GÓES, José Roberto. A paz das senzalas. Famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, c. 1790 – 1850, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.
GRAHAM, Maria. Diário de uma viagem ao Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1956.
GRAHAM, Richard. Nos tumbeiros mais uma vez? O comércio interprovincial de escravos no Brasil. Afro-Ásia, 27, 121-160, 2002.
GUTIERRES. O tráfico de crianças escravas para o Brasil durante o século XVIII. História, São Paulo, 120, p.59-72. jan/jul., 1989.
HOGERZEIL, Simon J. and RICHARDSON, David. Slave Purchasing Strategies and Shipboard Mortality: Day-to-Day Evidence from the Dutch African Trade, 1751–1797. The Journal of Economic History, 67, pp 160-190, 2007.
KARASH, Mary C. A vida dos escravos no Rio de Janeiro, 1808-1850, São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
KLEIN, Hebert. A Demografia do Tráfico Atlântico de Escravos para o Brasil. Estudos Econômicos, São Paulo, 17(2): 129-149, maio/ago., 1987.
KLEIN, Herbert. Novas interpretações do tráfico de escravos do atlântico. R. História, São Paulo. 120. p..3-25, jan/jul., 1989.
KLEIN, Herbert, The Internal Slave Trade in Nineteenth Century Brazil: A Study of Slave Importations into Rio de Janeiro in 1852. Hispanic American Historical Review, LI, no. 4 (Nov. 1971), pp. 567-568
KLEIN, Herbert, The structure of the atlantic slave trade in the 19th century: an assessment. RFHOM, T. 89, N° 336-337, 2002.
KLEIN, In Schwarcz, Lilia Moritz e Gomes, Flávio dos Santos (Orgs.), Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
LARA, Silvia Hunold. Campos da Violência. Escravos e senhores na capital do Rio de Janeiro, 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.
LUNA & KLEIN. Escravismo no Brasil, São Paulo: Edusp, 2010.
MACHADO, Maria Helena P. T. Crime e Escravidão. Edição revista e ampliada. 2º ed. São Paulo: EDUSP, 2014.
MACHADO, Maria Helena P. T. O Plano e o Pânico. Os Movimentos Sociais na Década da Abolição. 2o. ed. São Paulo: EDUSP, 2010.
MACHADO, Maria helena P. T. In Schwarcz, Lilia Moritz e Gomes, Flávio dos Santos (Orgs.), Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti e GRINBERG, Keila In Schwarcz, Lilia Moritz e Gomes, Flávio dos Santos (Orgs.), Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
MARQUESE, Rafael de Bivar, Feitores do corpo, missionários da mente: Senhores, letrados e o controle dos escravos nas Américas, 1660-1860. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
MARQUESE, Rafael de Bivar. Estados Unidos, Segunda Escravidão e a Economia Cafeeira do Império do Brasil. Almanack, v. 5, p. 51-60, 2013.
MARQUESE, Rafael e SALLES, Ricardo. Escravidão e capitalismo histórico no século XIX: Cuba, Brasil e Estados Unidos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.
MATTOS, Hebe e GRINBERG, Keila In Schwarcz, Lilia Moritz e Gomes, Flávio dos Santos (Orgs.), Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
MATTOSO, Kátia de Queirós. Ser escravo no brasil. São Paulo: Brasiliense, 3 ed. 2003.
MATTOSO, Kátia de Queiroz. O Filho da escrava (em torno da Lei do Ventre Livre). Ver. Bras. De Hist. S. Paulo, V. 8, n. 16, pp. 37-55, 1988.
MATTOSO, Kátia de Queiroz. O filho da escrava. In: PRIORE, Mary Del (org.). História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991.
MILLIET, Sérgio, Roteiro do Café. São Paulo: Hucitec, 1982.
MOTT, M. L. B. A criança escrava na literatura de viagens. Cadernos de Pesquisa. Fundação Carlos Chagas, São Paulo, v. 31, pp. 57-68, 1979.
MOTT, M. L. B. A. Ser mãe: a escrava em face do aborto e do infanticídio. R. História, São Paulo. 120. pp.85-96, jan/jul., 1989.
MOTT, M. L. B. NEVES, M. F. R. VENANCIO, R. P. A escravidão e a criança negra. Ciência Hoje, São Paulo, v. 48, 1988.
MOTTA, José Flávio, “Família escrava: uma incursão pela historiografia”, História: Questões & Debates, v. 9, n. 16, pp. 104-59, 1988.
MOTTA, José Flávio. Corpos escravos, vontades livres. Estrutura de posse de cativos e família escrava em um núcleo cafeeiro (Bananal, 1801-1829), São Paulo: Annablume & FAPESP, 1999.
MOTTA & MARCONDES. O comércio de escravos no Vale do Paraíba Paulista: Guaratinguetá e Silveiras na década de 1870. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 267-299, abr/jun., 2000.
MOTTA, José Flávio, “A família escrava na historiografia brasileira: os últimos 25 anos”, in Eni de Mesquita Samara (org.), Historiografia brasileira em debate: “olhares, recortes e tendências” (São Paulo: Humanitas; FFLCH/USP, pp. 235-54, 2002.
MOTTA, José Flávio. Escravos Daqui, Dali e de Mais Além: o tráfico interno de cativos na expansão cafeeira paulista (Areias, Guaratinguetá, Constituição/Piracicaba e Casa Branca, 1861-1887). São Paulo: Alameda Casa Editorial, 2012.
MOTTA, José Flávio, Crianças no apogeu do tráfico interno de escravos. Piracicaba, província de São Paulo (1874-1880). História Econômica & História de Empresas. vol. 18 no 2, pp. 291-322, 2015.
MOURA, Clóvis. Dicionário da Escravidão Negra no Brasil. São Paulo: EDUSP, 2004.
NEQUETE, Lenine, Escravos e magistrados no Segundo Reinado: aplicação da Lei n° 2.040, de 28 de setembro de 1871. Brasília: Fundação Petrônio Portela, 1988.
PARRON, Tâmis. Política do tráfico negreiro: o Parlamento imperial e a reabertura do comércio de escravos na década de 1830. Estudos Afro-Asiáticos, v. 1-2-3, pp. 91-121, 2007.
PINHEIRO, Maria Cristina Luz. O trabalho de crianças escravas na cidade de Salvador (1850- 1888). Afro-Ásia, v. 32, pp.159-183, 2005.
PIROLA, Ricardo Figueiredo. Senzala Insurgente: mulungos, parentes e rebeldes nas fazendas de Campinas (1831). Campinas, SP. Ed. UNICAMP, 2011.
PRIORE, Mary del. História das crianças no Brasil. São Paulo: Ed. Contexto, 1999.
RIOS, Iara Nancy Araújo. Nossa Senhora da Conceição do Coité: poder e política no século XIX. Dissertação de Mestrado em História: Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2003.
ROCHA, Cristiany Miranda. Histórias de famílias escravas: Campinas, século XIX. Campinas, SP. Ed. UNICAMP, 2004.
ROSSINI, Gabriel A.A., A dinâmica do tráfico interno de escravos na franja da economia cafeeira paulista (1861-1887). Tese de Doutorado apresentada ao Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2015.
SALLES, Ricardo In Schwarcz, Lilia Moritz e Gomes, Flávio dos Santos (Orgs.), Dicionário da escravidão e liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.
SANTOS, Ronaldo Marcos dos. Resistência e superação do escravismo na província de São Paulo (1885-1888). São Paulo: IPE/USP, 1980.
SCHEFFER, Rafael da Cunha, Comércio de escravos do sul para o sudeste, 1850-1888: economias microrregionais, redes de negociantes e experiência cativa. Tese de Doutorado apresentada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2012.
SIMONATO, Andréa Jácome. “O parentesco entre os cativos no meio rural do Rio de Janeiro em 1860”, População e família, vol. 1, nº 1, pp. 143-179, 1998.
SLENES, Robert W., The demography and economics of Brazilian slavery: 1850-1888.Tese de doutorado. Stanford University, Stanford, 1976.
SLENES, Robert W., “Escravidão e família: padrões de casamento e estabilidade familiar numa comunidade escrava” (Campinas, século XIX), Estudos Econômicos, v. 17, n. 2, pp. 217-27, 1987.
SLENES, Robert W., COSTA, Iraci Del Nero da, e SCHWARTZ , Stuart B., “A família escrava em Lorena (1801)”, Estudos Econômicos, v. 17, n. 2, pp. 245-95, 1987.
SLENES, Robert W., “Lares negros, olhares brancos: histórias da família escrava no século XIX”, Revista Brasileira de História, v. 8, n. 16, pp. 189-203, 1988.
SLENES, Robert W, “A formação da família escrava nas regiões de grande lavoura do Sudeste: Campinas, um caso paradigmático no século XIX”, População e família, v. 1, n. 1, pp. 9-82, 1998.
SLENES, Robert. Grandeza ou decadência? O mercado de escravos e a economia cafeeira da província do Rio de Janeiro, 1850-1888. In: COSTA, Iraci (org.) Brasil: história econômica e demográfica. São Paulo: Instituto de Pesquisas Econômicas, USP, 1986.
SLENES, Robert. The Brazilian Internal Slave Trade, 1850-1888: Regional Economies, Slave Experience, and the Politics of a Peculiar Market. In: Johnson, Walter (Org.) The Chattel Principle: Internal Slave Trades in the Americas. Yale University Press, 2004.
SLENES, Robert. Família escrava e trabalho. Tempo, Vol. 3 - n° 6, Dezembro de 1998. SLENES, Robert. Brazil. In. Slavery in the Americas. Oxford University Press Inc. New York, 2010.
SLENES, Robert. Na Senzala, uma Flor – Esperanças e Recordações na Formação da Família Escrava. Campinas, SP: UNICAMP, 2011.
TEIXEIRA, Heloísa Maria. Os filhos das escravas: crianças cativas e ingênuas nas propriedades de Mariana (1850-1888). Cadernos de História, Belo Horizonte, v.11, n. 15, 2º sem., 2010.
TEIXEIRA, Heloísa Maria. Família escrava, sua estabilidade e reprodução em mariana 1850-1888. Afro-Ásia, 28, pp. 179-220, 2002.
VALENCIA VILLA & FLORENTINO. Abolicionismo inglês e tráfico de crianças escravizadas para o Brasil, 1810-1850. História (São Paulo) v.35, 2016.
Publicado
2019-11-29
Seção
Artigo