Teatro Kabuki: das origens à contemporaneidade

  • Michele Eduarda Brasil de Sá Universidade de Brasília. Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução
Palavras-chave: Kabuki, Cultura Japonesa, Adaptabilidade, Teatro, Performance

Resumo

Este trabalho objetiva estudar o gênero kabuki, partindo de um panorama histórico para então comentar algumas performances recentes, como a do ator Kirk Nishikawa Dixon no filme curto “The Lion” e o denominado chôkabuki (que significa, literalmente, “super kabuki”), apresentando Konjaku Hana Kurabe Senbonzakura (“A festa das mil cerejeiras de ontem e de hoje”), com Shidô Nakamura e a vocaloid Hatsune Miku, um dos maiores ícones pop da atualidade no Japão. Discorre-se sobre a adaptabilidade do gênero kabuki e as características que permaneceram em meio a tantas mudanças: o papel do ator e sua relação com o público, o toque velado de transgressão e a inovação constante, corroborando o kabuki como um teatro popular do seu início até a contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele Eduarda Brasil de Sá, Universidade de Brasília. Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução

Professor Adjunto – Área de Japonês do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução da Universidade de Brasília (UnB).

Publicado
2017-08-09
Como Citar
Sá, M. E. B. de. (2017). Teatro Kabuki: das origens à contemporaneidade. Estudos Japoneses, (38), 97-108. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7125.v0i38p97-108
Seção
Artigos