HISTORIADORES COMO METATEATRO NA DRAMATURGIA DE RODOLFO USIGLI

  • Robson Batista dos Santos Hasmann USP

Resumo

A aproximação entre a história e a ficção proporciona um campo bastante fértil nos estudos sobre a América Latina. O crítico Roberto González Echevarría (2000), por exemplo, procurou demonstrar que a ficção romanesca é credora de uma série de discursos jurídicos e legais produzidos nos primeiras décadas da colonização. Da mesma forma, André Trouche (2006) buscou evidenciar que a reflexão e a reescrita da história é uma constante da produção ficcional. Mais recentemente, Leyla Perrone-Moisés (2007) destacou que boa parte dos “paradoxos do nacionalismo” da América Latina é entrevisto no trabalho dos ficcionistas com a historiografia do continente. Porém, a dramaturgia não faz parte desses estudos e raramente aparece em outros que se dedicam a trabalhar essa perspectiva teórica na literatura hispano-americana. Com efeito, nosso trabalho propõe inserir o texto teatral nesse espectro de abordagens. . Selecionamos duas peças mexicanas do dramaturgo Rodolfo Usigli, a saber El gesticulador (1938) e Corona de sombra (1943). Usigli é considerado o principal responsável pela revitalização da arte dramática em seu país, em particularporque construiu sua obra a partir do conceito de que ele chamou de “anti-historia”. Nas obras selecionadas, destaca-se a figura de historiadores como personagens centrais. Buscamos centrar nossa leitura em uma possível função “metateatral” dessas personagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Batista dos Santos Hasmann, USP
Doutorando FFLCH-USP
Publicado
2017-08-25
Como Citar
Batista dos Santos Hasmann, R. (2017). HISTORIADORES COMO METATEATRO NA DRAMATURGIA DE RODOLFO USIGLI. Revista Entrecaminos, 2(1), 19-35. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/entrecaminos/article/view/109404
Seção
Anais das Jornadas