Infância e urbanidade nos parques infantis de São Paulo

  • Flávia Martinelli Ferreir
  • Ingrid Dittrich Wiggers
Palavras-chave: Infância, Cidade, Urbanidade, Parques infantis

Resumo

Os parques infantis foram instituições implantadas na década de 1930, na cidade de São Paulo, que pretendiam promover a socialização de crianças em seu tempo livre, oferecendo especialmente atividades recreativas, artísticas e culturais. Esses parques estavam circunscritos nas mudanças de pensamento a respeito da vida na cidade, provocada por novos ideários educacionais e higiênicos daquele período. Para contribuir com o entendimento da temática, este trabalho teve como objetivo buscar compreender as noções de urbanidade e infância que nortearam esse projeto político-educacional, por meio de uma pesquisa bibliográfica sistemática de teses, dissertações e trabalhos de conclusão de curso desenvolvidos na USP e na Unicamp. Os parques infantis foram entendidos nas fontes analisadas como um espaço e um tempo de sociabilidades entre as crianças, bem como de encontros e desencontros entre as culturas produzidas no universo infantil e as culturas do mundo adulto. Esse caráter ambíguo é assinalado nas pesquisas que abrangeram tanto seu viés disciplinador quanto sua forma de expressão da cidadania e de difusão cultural. Sobretudo, é possível afirmar que os parques infantis se configuravam como importantes na construção da experiência corporal das crianças, considerando a ênfase em práticas educativas relacionadas ao corpo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-09-25
Como Citar
Ferreir, F., & Wiggers, I. (2019). Infância e urbanidade nos parques infantis de São Paulo. Educação E Pesquisa, 45, e194024. https://doi.org/10.1590/s1678-4634201945194024
Seção
Artigos