Uma carta aberta ao futuro: Horizontes de expectativa e Revolução em “Carta aberta aos operários” de Vladimir Maiakóvski (1918)

  • Ana Carolina dos Santos Lebre Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Vladimir Maiakóvski, Tempo, Futuro, Revolução, Revolução Russa

Resumo

Tendo em vista as transformações na relação dos homens com o tempo a partir dos séculos XVII e XVIII, este breve artigo pretende compreender as concepções de revolução e de futuro presentes na Carta Aberta aos Operários, uma das cartas escritas pelo poeta russo Vladimir Maiakóvski pouco após a Revolução de Outubro.  A inauguração de um tempo novo, em aberto, bem como a crença na atuação consciente dos homens sobre a história e a ruptura com o passado caracterizam a compreensão moderna de revolução, como pontuam, dentre outros, Reinhart Koselleck e Hannah Arendt. Elementos dessa nova percepção da temporalidade histórica aparecem na carta de Maiakóvski através de sua esperança em um futuro melhor, projetado na continuidade da revolução. Após a análise da carta, pretendeu-se, por fim, comparar as expectativas de Maiakóvski no início do processo revolucionário com sua desilusão diante das experiências concretas do Estado Soviético. Realizando um breve panorama sobre a situação de outros poetas, concluiu-se que, se o futuro esteve em aberto desde o século XVIII, o processo da Revolução Russa no século XX demonstrou que os homens, a exemplo de Maiakóvski, não conseguem prever esse futuro e nem construí-lo por completo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fonte:

MAIAKÓVSKI, Vladimir. Carta Aberta aos Operários. In: SCHNAIDERMAN, Boris. A poética de Maiakóvski, São Paulo: Ed. Perspectiva, 1984, p. 119-120.

Bibliografia:

ANDRADE, Homero Freitas de. A Literatura que Stalin proibiu. In: Revista de Estudos Oridentais, n.1, p.33-53, março, 1997. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/reo/article/viewFile/90646/93369, acesso em 06/12/2017.

CHERMAN, Alexandre; VIEIRA, Fernando. O tempo que o tempo tem: por que o ano tem 12 meses e outras curiosidades sobre o calendário. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2008.

ARENDT, Hannah. Sobre a Revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

HOBSBAWM, Eric. A história e a previsão do futuro. In: Sobre História. São Paulo: Ed. Compahia de Bolso, 2014, p. 61-85.

_________________.Revolution. In: PORTER, Roy; TEICH, Mikulás. Revolution In Hystory. Cambridge: Ed. Cambridge University, 1986.

JAKOBSON, Roman. A geração que esbanjou seus poetas. São Paulo: Ed. Cosac Naify, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos, Contraponto. Rio de Janeiro : Ed. PUC-Rio, 2006.

MEYERHOFF, Hans. O tempo na literatura. São Paulo: Mc-Graw-Hill do Brasil, 1976.

POZNANSKI, Renée. V. Maïakóvski, la révolution politique, instrument de la révolution dans l’art. In: L’Homme et La société, n. 59-62, 1981. Imaginaire sociale et créativité, p. 103-129. Disponível em http://www.persee.fr/doc/homso_0018-4306_1981_num_59_1_3169, acesso em 20/10/2017.

RÜSEN, Jörn. História viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2007.

SCHNAIDERMAN, Boris. A poética de Maiakóvski, São Paulo: Ed. Perspectiva, 1984.

WHITROW, G. J. O tempo na história: concepções sobre o tempo da pré-história aos nossos dias. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 1993.

Publicado
2018-11-29
Como Citar
Lebre, A. C. (2018). Uma carta aberta ao futuro: Horizontes de expectativa e Revolução em “Carta aberta aos operários” de Vladimir Maiakóvski (1918). Epígrafe, 6(6), 225-241. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8855.v6i6p225-241
Seção
Artigos