O conto da Aia, de Margaret Atwood (1985): Antiutopia, ovários e uma história social do tempo

  • Juliana Cristina Zanezi Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Tempo, Literatura, Ficção-científica, Feminismo, Distopia

Resumo

Professora de literatura inglesa, a autora canadense Margaret Atwood, famosa por sua extensa obra literária com protagonismo de mulheres fortes, aventura-se pelo gênero da ficção científica ao publicar o romance “The Handmaid’s Tale” em 1985. Sendo um sucesso de crítica e vendas, é amplamente reconhecido por sua reprimenda a valores tradicionais da sociedade patriarcal, em especial cristã, e ao feminismo da chamada Segunda Onda. Característico de um movimento literário distópico e de finais da Guerra Fria, Atwood concebe um sistema político que é facilmente reconhecível por suas características e premissas muito próximas às observadas nos dias atuais, baseado na coisificação das mulheres e estipulando seus valores a depender de suas funções biológicas naturalizadas. O presente artigo preocupou-se em diagnosticar e qualificar algumas facetas temporais presentes no romance, localizando-o dentro do campo de uma História Social do Tempo[1]. Com isso, selecionei três principais vieses para melhor entendimento do romance: a estruturação de uma distopia anti-utópica de Gilead, que é uma espécie de teocracia cristã do século XXI; os tempos biológicos humanos, principalmente femininos; e os usos do passado e da História dentro do romance. Para tanto, dialogo com diversos autores familiares ao gênero de ficção científica, distopias e história dos conceitos, além de artigos sobre feminismo e suas facetas, relógios biológicos e literatura.


[1] Campo explorado no curso de graduação intitulado História Social do Tempo, ministrado pelo professor doutor João Paulo Garrido Pimenta no segundo semestre de 2017, no Departamento de História da FFLCH-USP.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Cristina Zanezi, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Graduanda em História na FFLCH-USP

Referências

ATWOOD, Margaret. O Conto da Aia. Tradução Ana Deiró. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2017.

BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a História. São Paulo: Perspectiva, 1978.

CLAEYS, G. Dystopias: A Natural History - A Study of Modern Despotism, Its Antecedents, and Its Literary Diffractions. Oxford: Oxford University Press, 2017

CLAEYS, Gregory; SARGENT, Lyman T. The Utopia Reader. Nova York: New York Press, 1999.

ESPINOZA, Ricardo.; VARGAS, Esteban. Tiempo y Edad biológica. Arbor-Ciencia, pensamiento y cultura, v. 179, n. 760, a022, mar. 2013. Disponível em: http://arbor.revistas.csic.es/index.php/arbor/article/view/1563/1618. Acessado em: 02 Out. 2017.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça - Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social – Revista Sociológica da USP, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73, 2014. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ts/article/viewFile/84979/87743. Acessado em: 21 Nov. 2017

JAMES, Edward. MENDLESOHN, Farah. The Cambridge Companion to Science Fiction. Nova York: Cambridge University Press, 2003.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: Contribuições Semânticas dos tempos históricos. Tradução Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

MARGARET ATWOOD OFFICAL WEBSITE, Canadá. Disponível em: http://margaretatwood.ca/. Acessado em: 18 Set. 2017.

MEYERHOFF, Hans. O Tempo na Literatura. Tradução Myriam Campello. Rio de Janeiro: McGraw-Hill do Brasil, 1976.

MUMFORD, Lewis. Histórias das Utopias. Tradução Isabel Donas Botto. Lisboa: Antígona, 2007.

PERROT, Michelle. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Tradução Denise Bottman. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

THOMPSON, Becky. Multiracial feminism: Recasting the Chronology of Second Wave Feminism. Feminist Studies, Seattle, v. 28, n. 2. p. 337-360, 2002. Disponível em: https://carwseattle.files.wordpress.com/2010/08/1st-sun-multiracial-feminism.pdf. Acessado em: 14 Ago. 2017

TOLAN, Fiona. Feminist utopias and questions of liberty: Margaret Atwood's The Handmaid's Tale as critique of second wave feminism. Women: A Cultural Review, Londres, v. 16, n. 1, p. 18-32, ago. 2005. Disponível em: http://aplitmorse.weebly.com/uploads/1/3/4/9/13497129/feminist_utopias.pdf. Acessado em: 10 Ago. 2017.

Publicado
2018-11-29
Como Citar
Zanezi, J. (2018). O conto da Aia, de Margaret Atwood (1985): Antiutopia, ovários e uma história social do tempo. Epígrafe, 6(6), 305-334. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8855.v6i6p305-334
Seção
Artigos