Who watches the Watchmen: os espaços do tempo nos quadrinhos

  • Roberta Quirino Universidade de São Paulo
Palavras-chave: História em Quadrinhos, Guerra Fria, Watchmen, Tempo, Relógio

Resumo

O tempo é o protagonista invisível das histórias em quadrinhos. Através dele, a visão do leitor também se torna fundamental para que a narrativa siga seu curso. No entanto, a subjetividade desse olhar de quem folheia as páginas ilustradas é o que torna a experiência da das histórias em quadrinhos muito particular a cada um que se aventura pelos quadros de cada história. Watchmen é uma obra que usa o tempo como ferramenta fundamental de sua estrutura narrativa e de sua lida com os personagens. Ao analisar esta graphic novel por meio de tempos históricos nela representados (termo usado no meio quadrinístico para designar um subgênero das histórias em quadrinhos de conteúdo e linguagem mais complexas e narrativas longas com começo, meio e fim), pretendo analisar a influência da Guerra Fria não só nesta obra, mas também no gênero de quadrinhos da década de 1980; e o conceito nietzschiano do eterno retorno no personagem Dr. Manhattan / Jon Osterman, que também servirá como base para o conceito de sincronia do tempo. A relação do personagem com os relógios também será um ponto abordado juntamente com a ideia de escatologia e paranoia nuclear coletiva da época representada a partir da visão da dupla Moore e Gibbons.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta Quirino, Universidade de São Paulo
Graduanda em História pela FFLCH/USP.

Referências

BARNES, David. Time in the Gutter: Temporal Structures in Watchmen. Kronoscope, [s.l.], v. 9, n. 1, p.51-60, 1 maio 2009. Brill Academic Publishers.

CZIZEWESKI, Grégori Michel. O fim está próximo: Poder, tensão e nostalgia na visão da Guerra Fria a partir de Watchmen. 2011. 150 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

EISNER, Will. Quadrinhos e arte sequencial. São Paulo: Martins Fontes: 2000.

ELIADE, Mircea. O Sagrado e o Profano: A essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

GLEISER, Marcelo. O fim da Terra e do Céu: O Apocalipse na ciência e na religião. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

KUROWSKY, Kleber. Os vários lados da joia: o tempo narrativo e o eterno retorno em Watchmen. 2016. 51 f. TCC (Graduação) - Curso de Letras, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

McCLOUD, Scott. Desvendando os quadrinhos. São Paulo: Mbooks do Brasil, 2005.

MOORE, Alan; GIBBONS, Dave. Watchmen. Barueri, SP: Panini Books, 2011.

SABIN, Roger. Adult Comics: An Introduction. New accents. London and New York: Routledge, 1993.

RODRIGUES, Márcio dos Santos. Representações políticas da Guerra Fria: as histórias em quadrinhos de Alan Moore na década de 1980. 2011.

RÜSEN, Jörn. História viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Editora Unb, 2007.

TEIXEIRA, Níncia Cecília Ribas Borges; CORREA, Wyllian Eduardo de Souza. Watchmen e o discurso distópico do "Bem Maior". Fênix: Revista de História e Estudos Culturais, Uberlândia, v. 6, n. 2, p.1-21, abr-jun. 2009.

THOMPSON, E. P. Exterminismo e Guerra Fria. São Paulo, Brasiliense: 1985.

VERGUEIRO, Waldomiro. Alan Moore: Biografia e obra comentada. 2017. Disponível em: <https://omelete.uol.com.br/quadrinhos/artigo/alan-moore-biografia-e-obra-comentada/>.

WHITE, M. D. Watchmen e a filosofia: um teste de Rorschach. São Paulo: Madras, 2009.

WOLF-MEYER, Matthew. The World Ozymandias Made: Utopias in the Superhero Comic, Subculture, and the Conservation of Difference. Journal Of Popular Culture, Michigan, v. 36, n. 3, p.497-517, mar. 2003.

Publicado
2018-11-29
Como Citar
Quirino, R. (2018). Who watches the Watchmen: os espaços do tempo nos quadrinhos. Epígrafe, 6(6), 199-223. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8855.v6i6p199-223
Seção
Artigos