O tempo em Night Journey de Martha Graham

  • Maria Clara Laet de Almeida e Silva Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Palavras-chave: Martha Graham, Night Journey, Édipo Rei, História da Dança

Resumo

Night Journey  é uma coreografia de 1947 da dançarina e coreógrafa estadunidense Martha Graham que foi registrada em forma de filme em 1961. A obra recria a tragédia grega Édipo Rei, de Sófocles, e é situada no momento em que Jocasta, mãe e esposa de Édipo, contempla o suicídio. Através de um flashback, Jocasta, interpretada pela própria Graham, revive sua relação incestuosa antes de tirar sua vida. Conhecida por ser uma das melhores composições da fase mitológica de Graham, Night Journey foi filmada em 1961, permitindo sua análise e estudo até os dias de hoje, além de ser remontada com frequência pela Martha Graham Dance Company. Além de incorporar estruturas de tempo típicas da Grécia Antiga e das tragédias gregas, a coreografia revela vicissitudes do contexto histórico em que foi produzida, possuindo portanto múltiplos estratos de tempo. Aqui se investigará como são estruturadas e como se relacionam estas camadas de tempo, analisando a obra sob a luz de uma História Social do Tempo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARIÈS, Philippe. História da morte no ocidente. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido se desmancha no ar. São PAulo: Companhia das Letras, 2007.

BURT, Ramsay. Dance, Gender and Psychoanalysis: Martha Graham's "Night Journey” Dance Research Journal. Vol. 30, No. 1 (Spring, 1998)

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972.

GRAHAM, Martha. Blood Memory. London: Macmillan, 1991

FRANKO, Mark. Dance and the Political: States of Exception. Dance Research Journal, vol. 38, no. 1/2, 2006, pp. 3–18. Disponível em www.jstor.org/stable/20444656. Acessado em 31/12/2017.

________. Dancing Modernism/Performing Politics. Indiana University Press, 1995.

________. Emotivist Movement and Histories of Modernism: The Case of Martha Graham. Discourse, vol. 13, no. 1, 1990, pp. 111–128. Disponível em www.jstor.org/stable/41389172. Acessado em 31/12/2017.

________. Martha Graham in Love and War: The Life in the Work. Oxford and New York: Oxford University Press, 2012.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos

históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

________. Estratos do Tempo: estudos sobre história.. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

POLCARI, Stephen. Martha Graham and Abstract Expressionism. Smithsonian Studies in American Art, vol. 4, no. 1, 1990, pp. 3–27. Disponível em www.jstor.org/stable/3108994. Acessado em 31/12/2017.

SEIGNOBOS, Charles. Histoire ancienne narrative et descriptive de l'orient et de la grece. Paris: Armand Colin, 1915.

SINGAL, Daniel Joseph. Towards a Definition of American Modernism. American Quarterly, vol. 39, no. 1, 1987, pp. 7–26

VERMEULE, Emily. La muerte en la poesia y en la arte de Grecia. México: Fondo de Cultura Economica, 1984, pp. 245-293.

VERNANT, Jean Pierre e VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e Tragédia na Grécia Antiga.São Paulo: Perspectiva, 1999.

WHITROW, Gerald. O tempo na História: concepções do tempo da pré-história aos

nossos dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

Publicado
2018-11-29
Como Citar
Silva, M. C. (2018). O tempo em Night Journey de Martha Graham. Epígrafe, 6(6), 263-282. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8855.v6i6p263-282
Seção
Artigos