FINALISMO E SUPERSTIÇÃO EM ESPINOSA: A FALSIDADE DA LIBERDADE CAUSAL DA MENTE

Autores

  • Pedro Luiz Stevolo Universidade de São Paulo (FFLCH)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2015.102704

Palavras-chave:

finalismo, superstição, imaginação, liberdade, desejo, causa.

Resumo

O presente trabalho pretende investigar como a noção de superstição apresentada por Espinosa no Apêndice da Ética I tem sua gênese no fato dos homens julgarem livre sua capacidade de imaginar e desejar e, deste modo, ignorarem que estas também possuem causas que independem da vontade de um Deus criador. Para tal, iniciaremos nossa análise apresentando, a partir do Apêndice da Ética I, como os preconceitos que impedem a compreensão de Deus podem ser resumidos a um só, a saber, o preconceito finalista. Em seguida, explanaremos a tese espinosana de como o preconceito finalista se transforma em superstição, que tem como causa o medo que se origina nos amores imoderados dos homens pelos bens da fortuna. Finalmente, a partir de algumas passagens da parte II da Ética evidenciaremos como essas ideias derivam do equívoco dos homens em julgar livre sua capacidade de imaginar, ignorantes das causas que naturalmente os determinam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CHAUI, M. Desejo, paixão e ação na ética de Espinosa. São Paulo, Companhia das Letras, 2011.

ESPINOSA, B. Ética. Tradução Tomaz Tadeu, Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

___________. Tratado Teológico-Político. Tradução, introdução e notas Diogo Pires Aurélio. São Paulo, Martins Fontes, 2003.

___________. Tratado da Correção do Intelecto. Os Pensadores, Trad. Carlos Lopes de Mattos, São Paulo, Nova Cultural, 1989.

ROCHA, A (2008). Espinosa e o conceito de superstição. Cadernos de Ética e Filosofia Política 12, p. 81-99.

SANTIAGO, H. (2007). O filósofo espinosista precisa criar valores? In: Tras/Form/Ação, São Paulo, 30 (1): 127-149.

____________. (2009) Spinoza: superstição e ordem moral do mundo. In: MARTINS, A. (org.). O Mais Potente dos Afetos, Spinoza e Nietzsche. São Paulo, Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2015-12-23

Como Citar

Stevolo, P. L. (2015). FINALISMO E SUPERSTIÇÃO EM ESPINOSA: A FALSIDADE DA LIBERDADE CAUSAL DA MENTE. Cadernos Espinosanos, (33), 207-221. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2015.102704

Edição

Seção

Artigos