CETICISMO, VERDADE E VIDA

  • Flavio Fontenelle Loque Universidade Federal de Itajubá
Palavras-chave: Ceticismo, Felicidade, Sabedoria, Suspensão do Juízo, Desejo, Fé

Resumo

O ceticismo antigo se concebia como um modo de vida. Para acadêmicos e pirrônicos, a suspensão do juízo era o único caminho para a felicidade e a sabedoria. Na Antiguidade, essa filosofia recebeu inúmeras críticas, como o argumento da apraxia, mas talvez a principal delas (e a mais influente na Modernidade) tenha sido a de Agostinho, que buscou reformular o conceito de sabedoria. Para Agostinho, a sabedoria não pode ser definida como mera abstenção do erro e a felicidade não é concebível sem a presença daquilo que se deseja. De Cícero e Sexto Empírico a Agostinho, portanto, há uma transformação muito relevante na maneira de se avaliar a relação entre a verdade e o bem viver, que, quando compreendida, permite que se perceba com mais clareza as diferenças entre autores modernos como, por exemplo, Montaigne e Pascal. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-06-27
Como Citar
Loque, F. (2019). CETICISMO, VERDADE E VIDA. Cadernos Espinosanos, (40), 95 - 118. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2019.159448