CETICISMO NA FILOSOFIA DE BLAISE PASCAL

  • Ricardo Vinícius Ibañez Mantovani Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Blaise Pascal, Ceticismo, Argumentos céticos, Pecado Original, Natureza, Luz Natural

Resumo

O ceticismo desempenha um papel decisivo na filosofia pascaliana. De fato, amplamente influenciado por autores como Michel de Montaigne e Pierre Charron, Blaise Pascal acaba por contrariar a tendência geral do século do grande Racionalismo, levantando profundas objeções relativamente à pretensão – tipicamente cartesiana – de se conhecer a Verdade de maneira certa e segura. Como se pode depreender mesmo de uma rápida leitura de seus escritos, a obra pascaliana é toda perpassada por uma notável desconfiança de nossa suposta capacidade de adquirir certezas inabaláveis sobre o que quer que seja: desconfiança esta que, diga-se de passagem, está em profunda sintonia com a chocante posição do autor concernente às consequências do pecado original. Assim sendo, o que pretendemos neste artigo é: i) apresentar os argumentos céticos subscritos por Pascal em sua principal obra filosófica – os Pensamentos; e ii) analisando a obra Do espírito geométrico e da arte de persuadir, indicar que nem mesmo os conhecimentos oferecidos pela luz natural são capazes de nos livrar das dúvidas suscitadas pela argumentação cética.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-06-27
Como Citar
Mantovani, R. (2019). CETICISMO NA FILOSOFIA DE BLAISE PASCAL. Cadernos Espinosanos, (40), 165 - 193. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2019.159456