A POTÊNCIA DA IMAGINAÇÃO

Autores

  • Ravena Olinda Teixeira Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2020.162124

Palavras-chave:

Modernidade, Descartes, Razão, Imaginação, Potência, Espinosa

Resumo

Quando lemos as Meditações Metafísicas de Descartes percebemos que o filósofo parece não confiar na imaginação, porque ela obtém suas informações pelos sentidos do corpo e os sentidos por vezes são
enganadores, produzindo percepções obscuras e confusas. Esse posicionamento de Descartes sobre a imaginação é compartilhado por vários filósofos modernos. A influência cartesiana na formação do pensamento espinosano é incontestável, por isso somos quase de imediato induzidos a procurar semelhanças e pontos em comum entre ambos. Todavia, é preciso ter cautela para identificar que apesar de estarem sob os mesmos limites conceituais, esses filósofos divergem em alguns pontos e às vezes
até se opõem. O objetivo do nosso trabalho é apresentar o que Espinosa pensava sobre os limites da imaginação e, principalmente, sobre sua potência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-06-29

Como Citar

Teixeira, R. O. (2020). A POTÊNCIA DA IMAGINAÇÃO. Cadernos Espinosanos, (42), 215 - 236. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2020.162124

Edição

Seção

Artigos