AMOR PRÓPRIO E IMAGINAÇÃO EM PASCAL

  • Luís César Oliva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Pascal, Imaginação, Amor-próprio, Eu

Resumo

O objetivo deste artigo é examinar a concepção pascaliana de imaginação, na sua articulação necessária com a noção de amor próprio. Derivada da teologia agostiana, a noção de amor próprio se identifca com a noção de orgulho e é uma das três concupiscências fundamentais que regem o homem decaído quando este não tem o auxílio da graça. Pascal vai mais longe que Agostinho e faz desta paixão o traço defnidor do homem decaído, conduzindo-o na sua relação tirânica com os outros homens. O instrumento do amor próprio para alcançar seus objetivos é precisamente a imaginação, faculdade enganadora que, mesmo contra a razão, faz a estimativa de valor de todos os objetos e é o fator essencial de determinação da felicidade puramente humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-06-29
Como Citar
Oliva, L. C. (2020). AMOR PRÓPRIO E IMAGINAÇÃO EM PASCAL. Cadernos Espinosanos, (42), 59-75. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2020.171651
Seção
Artigos