A ÉTICA COMO CONATUS DE ESPINOSA

Autores

  • Ana Pedro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2013.82747

Palavras-chave:

afeções, liberdade, conhecimento, ética, conatus

Resumo

Neste artigo, procuraremos analisar o papel e a importância do conatus na economia do pensamento espinosiano, bem como a novidade que, a este propósito, o mesmo encerra para o entendimento de uma ética imanente do sujeito. Compreendido como o esforço despendido pelo sujeito no sentido de perseverar no seu ser, o qual, enquanto individualidade, procura o que é bom e útil para si, o conatus, tal como Espinosa o entende, é, no entanto, um princípio dinâmico que não pode reduzir-se à mera “conservação” do ser, mas é capaz de fazer mover o sujeito na escolha de afeções positivas que o realizem. É, sobretudo, na Parte II da Ética – da origem e da natureza das afeções -objeto de análise do presente artigo, que estas ideias se encontram desenvolvidas, em que o conhecimento (razão) é o afeto quando transformado na causa adequada de si mesmo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-12-11

Como Citar

Pedro, A. (2013). A ÉTICA COMO CONATUS DE ESPINOSA. Cadernos Espinosanos, (29). https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2013.82747

Edição

Seção

Artigos