A INTERIORIDADE E A QUESTÃO DO SOBERANO BEM EM PASCAL

Autores

  • Rodrigo Hayasi Pinto

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2013.82748

Palavras-chave:

Antropologia, moral, autoconhecimento, subjetividade, angústia

Resumo

O objetivo que permeará a presente discussão está vinculado à tentativa de elucidar em que consiste a questão do autoconhecimento em Blaise Pascal. A nosso ver, essa questão está estritamente relacionada com a temática da busca pelo soberano bem, presente nos “Pensées”, mais especificamente nos fragmentos relacionados ao “Divertissement”. Nesses fragmentos o pensador francês trabalha com a idéia da miséria presente no homem, sob a forma de uma espécie de vazio interior. A natureza do homem, sendo esvaziada de todo e qualquer significado, impele-o a buscar nas distrações e ocupações um modo de tornar-se feliz. Nesse sentido, conhecer-se a si mesmo, segundo Pascal, equivale a reconhecer sua própria miséria no contexto do fenômeno do divertimento. Por outro lado, pretendemos fazer uma comparação entre o pensamento de Pascal e o de Santo Agostinho, no que tange à temática da interioridade e da busca pelo soberano bem, para mostrar como a reflexão antropológica do autor jansenista acerca desses temas ultrapassa o pensamento do bispo de Hipona.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-12-11

Como Citar

Pinto, R. H. (2013). A INTERIORIDADE E A QUESTÃO DO SOBERANO BEM EM PASCAL. Cadernos Espinosanos, (29). https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2013.82748

Edição

Seção

Artigos