A negatividade interrogada: Espinosa entre Bayle e Hegel

  • Mariana de Gainza Universidade de São Paulo

Resumo

Qual o lugar da negação no interior de uma filosofia da afirmação ética, como a espinosana? Neste artigo, a dialética hegeliana é retomada para exercitar uma crítica às simplificações que acompanham certa leituras contemporâneas defensoras de um negativismo ou, contrariamente, de um positivismo filosófico. Mas também questionamos a interpretação hegeliana de Espinosana - assim como a atualização que dela faz Lebrun - valendo-nos do polémico comentário de Bayle sôbre a substância única espinosana. O recurso ao negativo nos serve, nesta primeira aproximação, para insistir sobre a necessidade de continuar abrindo os debates.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana de Gainza, Universidade de São Paulo
Doutoranda do Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo.
Publicado
2007-06-15
Como Citar
Gainza, M. de. (2007). A negatividade interrogada: Espinosa entre Bayle e Hegel. Cadernos Espinosanos, (16), 9-40. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2007.89293
Seção
Não definida