Hieróglifo: um conceito à luz da semiótica

Palavras-chave: Hieróglifo, Signo, Poética

Resumo

Este artigo procura discutir os processos semióticos de ressignificação e transfiguração do signo a partir do caso específico dos hieróglifos, os quais ilustram, em sua recepção histórica no Ocidente, um tipo de interpretação narrativa baseada em certa percepção de não-arbitrariedade na relação entre o signo e seu objeto. Falaremos, portanto, em deslocamentos do signo em contextos históricos e culturais, e nos novos revestimentos semânticos que possam adquirir além de suas tradicionais esferas de utilização e das práticas sociais que denotam. Veremos, ao cabo, como esse conceito revisitado se aplica à leitura de diferentes processos poéticos, aos fenômenos estéticos próprios à linguagem verbal e aos usos da retórica estendida ao campo da significação.

Biografia do Autor

Andrei Fernando Ferreira Lima, Universidade de São Paulo

Doutorando junto ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Literários e Tradutológicos em Francês da Universidade de São Paulo (USP), SP, Brasil.

Referências

ABRIL, Gonzalo. “A semiose alegórica em textos verbovisuais”. In: LEAL, Bruno Souza; MENDONÇA, Carlos Camargos; GUIMARÃES, César (org.). Entre o sensível e o comunicacional. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010, pp. 167-178.

BUTOR, Michel.Les mots dans la peinture. Les sentiers de la création. Éditionsd’Art Albert Skyra Genève. Coll.“Champs”. Paris: Flammarion, 1988. [1aed.1969].

FIORIN, José Luiz. “Teoria dos signos”. In: FIORIN, José Luiz (org.). Introdução à Linguística I. Objetos teóricos. 6ªd. revista e atualizada. São Paulo: Editora Contexto, 2010, pp. 55-74.

IAMPOLSKI, Mikhail. The Memory of Tiresias: Intertextuality and Film. Translatedby Harsha Ran. Berkeley/Los Angeles: University of California Press, 1998.

JAKOBSON, Roman. “Olhar de relance sobre o desenvolvimento da semiótica”. Trad. Benjamim Picardo. Revista Galáxia, São Paulo, n. 19, jul. 2010, pp. 60-76. [Palestra inaugural de Roman Jakobson no I Congresso da AISS, em Milão, junho de 1974]. Disponível em:https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/3302/2213, acessado em 30 de junho de 2018.

MUKAROVSKY, Jan. “A arte como fato semiológico”. In: TOLEDO, Dionísio (org.). Círculo Linguístico de Praga: estruturalismo e semiologia. Trad. Zênia de Faria, Reasylvia Toledo e Dionísio Toledo. Introdução de Júlia Kristeva. Porto Alegre: Editora Globo, 1978, pp. 132-139.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. Trad. José Teixeira Coelho Neto. Col. “Estudos”, dirigida por J. Guinsburg. 3aed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

PICARDO, Benjamim (trad. e apresentação).“Jakobson e o edifício semiótico”. In: JAKOBSON, Roman. “Olhar de relance sobre o desenvolvimento da semiótica”. Revista Galáxia, São Paulo, n. 19, jul. 2010, p. 60. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/3302/2213, acessado em 30 de junho de 2018.

PRAZ, Mario. Studies in Seventeenth-Century Imagery.Second edition considerablyincreased. Col. “Sussidi Eruditi”. Vol. 16. Roma: Edizione di Storia e Letteratura,1975.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. Org. Charles Bally e Albert Sechehaye, com a colaboração de Albert Riedlinger. Trad. Antonio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. Pref. à edição brasileira Isaac N. Salum. 27aed.São Paulo: Cultrix, 2006.

ZILBERBERG, Claude. Elementos de Semiótica Tensiva. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

Publicado
2019-08-19
Como Citar
Lima, A. (2019). Hieróglifo: um conceito à luz da semiótica. Estudos Semióticos, 15(1), 236-243. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.148868