Semiótica tensiva e psicanálise: o andamento na sessão analítica

Palavras-chave: Andamento, Enquadre, Semiótica tensiva, Psicanálise

Resumo

Este trabalho se propõe a realizar uma intersecção entre Semiótica Tensiva e Psicanálise, verificando como o conceito de andamento de Claude Zilberberg pode ser visto em sessões de análise. Para tanto, inicia-se uma discussão sobre as aproximações entre Zilberberg e Freud. Em seguida, uma sessão é dedicada à noção de enquadre analítico, campo em que a o conceito de andamento pode ser inserido, para, posteriormente, realizar-se o estudo do andamento em sessões de análise por meio de vinhetas clínicas.

Biografia do Autor

Bruna Paola Zerbinatti, Universidade de São Paulo

Psicanalista, Doutora em Semiótica e Linguística Geral pela Universidade de São Paulo (USP).

Referências

BLEGER, José. Psycho-analysis of the psycho-analytic frame. In: LISMAN-PIECZANSKI, N.; PIECZANSKI, A. The Pioneers of psychoanalysis in South America: an essential guide. London and New York: Routledge, 2015 [1967]. p. 326-340.
COELHO JR., Nelson E. Tempo do sonho, tempo da rêverie e o terceiro-analítico. Cad. Psicanál. - CPRJ, 35(28), jan./jun. de 2013. p. 49-60.
FIGUEIREDO, Luís Claudio. A Clínica psicanalítica e seus vértices: continência,confronto e ausência. In: FIGUEIREDO, L. C. Cuidado, Saúde e Cultura: trabalhos psíquicos e criatividade na situação analisante. São Paulo: Escuta, 2014. p.125-149.
FREUD, Sigmund. Pulsões e Destinos das Pulsões. In: FREUD, S. Escritos sobre a Psicologia do Inconsciente (Vol. 1). Rio de Janeiro: Imago, 2004 [1915].
FREUD, Sigmund. Além do Princípio de Prazer. In: FREUD, S. Escritos sobre a Psicologia do Inconsciente (Vol. 2). Rio de Janeiro: Imago, 2006 [1920].
FREUD, Sigmund. Abrégé de psychanalyse. In: FREUD, S. Oeuvres Complètes (Vol. XX). Paris : Presses Universitaires de France, 2010 [1938].
GREEN, André. La psychanalyse, son objet, son avenir. Revue Française de Psychanalyse, XXXIX, 1975. p. 103-134.
GREEN, André. Le temps éclaté. Paris : Les Éditions de Minuit, 2000.
GREEN, André. Le cadre psychanalytique : son intériorisation chez l’analyste et son application dans la pratique. In: GREEN, A. L’avenir d’une désillusion. Paris : PUF, 2002.
GREEN, André. L’intrapsychique et l’intersubjectif. In: GREEN, A. La pensée clinique. Paris : Éditions Odile Jacob, 2002.
GREEN, André. Orientações para uma psicanálise contemporânea. Rio de Janeiro: Imago, 2008.
GREEN, André. Le Discours Vivant. Paris : PUF, 2015.
URRIBARRI, Fernando. André Green: uma metapsicologia contemporânea para orientar a clínica atual. Da estrutura enquadrante à heterogeneidade representativa. In: CANDI, T. S. Diálogos Psicanalíticos Contemporâneos: o representável e o irrepresentável em André Green e Thomas H. Ogden. São Paulo: Escuta, 2015a. p.185-202.
URRIBARRI, Fernando. Como ser um psicanalista contemporâneo? Da extensão do campo clínico à interiorização do enquadre. Revista Brasileira de Psicanálise, 49(1), 2015b. p. 229-245.
ZERBINATTI, Bruna Paola.O ritmo em semiótica: teoria e análise de Catatau e Ex-Isto. Tese (Doutorado), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. 212 f.
ZILBERBERG, Claude. Essai sur les modalités tensives. Antuérpia: Amsterdam/John Benjamins B. V, 1981.
ZILBERBERG, Claude. Elementos de Semiótica Tensiva. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.
ZILBERBERG, Claude. La structure tensive. Liège : Presses Universitaires de Liège, 2012.
Publicado
2019-04-11
Como Citar
Zerbinatti, B. (2019). Semiótica tensiva e psicanálise: o andamento na sessão analítica. Estudos Semióticos, 15, 146-155. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.153794