Sobre o conceito de ator coletivo: a construção discursiva do manifestante de rua em postagens do Facebook da Mídia Ninja

Palavras-chave: Semiótica, Ator coletivo, Manifestante de rua

Resumo

Em março de 2015, aconteceram os protestos contrários e em prol das políticas da recém reeleita presidente Dilma Rousseff. A mobilização popular foi intensa e incentivou o Congresso Nacional a iniciar o processo de impeachment. A partir das postagens na plataforma Facebook publicadas pelo grupo Mídia Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação (Mídia Ninja), durante o referido período, este estudo desenvolve o conceito de ator coletivo. A noção de actante coletivo foi, primeiramente, proposta por Greimas e Landowski (1981), em uma análise sobre o discurso jurídico. Desde então, é um conceito que não foi explorado com maior profundidade pelos teóricos do texto e do discurso. Por meio da construção discursiva da Mídia Ninja, desenvolvemos a noção de ator coletivo a partir do ator manifestante de rua. Como arcabouço teórico, retomamos as premissas teóricas de Greimas e Courtés (2008) e os desdobramentos tensivos de Fontanille e Zilberberg (2001) e Zilberberg (2011). A metodologia aplicada é uma revisão bibliográfica apoiada pela análise semiótica de duas postagens do Facebook selecionadas. Os resultados apontam que existem dois perfis para o ator coletivo manifestante de rua: o generalizado e o personalizado.

Biografia do Autor

Marcos Rogério Martins Costa, Faculdade Unificada do Estado de São Paulo

Docente da Faculdade Unificada do Estado de São Paulo (FAUESP) e professor da Secretaria Municipal de São Paulo (SME), São Paulo, Brasil.

Referências

COSTA, Marcos Rogério Martins. O corpo do manifestante das Jornadas de Junho de 2013: a charge e o editorial da Folha de São Paulo. Galáxia. São Paulo, n. 33, p. 158-170, set.-dez., 2016a.

COSTA, Marcos Rogério Martins. Memória e tensividade: as Jornadas de Junho de 2013 na charge e no editorial. Estudos semióticos. São Paulo, v. 12, n. 1, p.43-54, 2016b.

COSTA, Marcos Rogério Martins. Problematizando a notícia em ato: a postagem da Mídia Ninja no Facebook. In: GONÇALVES-SEGUNDO, Paulo Roberto. VIII EPED-Texto, discurso e multimodalidade: perspectivas atuais. São Paulo: Paulistana, 2017, p. 277-292.

COSTA, Marcos Rogério Martins. Perfis do ator coletivo “manifestante de rua”: das Jornadas de Junho de 2013 aos Protestos de Março de 2015. 429 f. Tese (Doutorado em Letras) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Lisboa: Difel.1989.

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Loïc. Sobre as artimanhas da razão imperialista. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, ano 24, n. 1, p. 15-33, 2002.

DISCINI, Norma. Blog e campo de presença. CASA: Cadernos de Semiótica Aplicada, Araraquara, v. 13, n. 2, p. 89-143, 2015a.

DISCINI, Norma. Corpo e estilo. São Paulo: Contexto, 2015b.

FAGUNDEZ, Ingrid; TEIXEIRA, Regiane. “Coxinhas” se assumem com orgulho. Revista São Paulo. São Paulo, 22 a 28 mar. 2015, p. 18-21.

FLOCH, Jean-Marie. Petites mythologies de l’œil et de l’espirit. Paris: Hadès-Benjamins, 1985.FONTANILLE, Jacques. Point de vue: perception et signification. In:

FONTANILLE, Jacques. Sémiotique et littérature: essais de méthode. Paris: PUF, 1999, p. 41-61.

FONTANILLE, Jacques; ZILBERBERG, Claude. Tensão e significação. Tradução de Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Humanitas/ FFLCH-USP,2001.

GOHN, Maria da Glória. Manifestações de junho de 2013 no Brasil e praças dos indignados no mundo. Petrópolis: Vozes, 2014a.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais. Paradigmas clássicos e contemporâneos. 11. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014b.

GOHN, Maria da Glória. Manifestações de protesto nas ruas no Brasil a partir de Junho de 2013: novíssimos sujeitos em cena. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, v. 16, n. 47, p. 125-146, jan.-abr. 2016.

GREIMAS, Algirdas Julien (Org.). Semiótica e Ciências Sociais. Tradução de Álvaro Lorencini e Sandra Nitrini. São Paulo: Cultrix, 1981a.

GREIMAS, Algirdas Julien. Sobre a história factual e a história fundamental. In: GREIMAS, Algirdas Julien (Org.). Semiótica e ciências sociais. Tradução de Álvaro Lorencini e Sandra Nitrini. São Paulo: Cultrix, 1981b, p. 145-156.

GREIMAS, Algirdas Julien. Semiótica e Ciências Sociais. In: GREIMAS, Algirdas Julien (Org.). Semiótica e Ciências Sociais. Tradução de Álvaro Lorencini e SandraNitrini. São Paulo: Cultrix, 1981c, p. 35-50.

GREIMAS, Algirdas Julien. Sobre o sentido II: ensaios semióticos. Tradução de Dilson Ferreira da Cruz. São Paulo: Nankin; Edusp, 2014.

GREIMAS, Algirdas Julien. Da imperfeição. Tradução de Ana Claudia de Oliveira.2. ed. São Paulo: Estação das Letras e Cores; CPS, 2017.

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de semiótica. Tradução de Alceu Dias et al. São Paulo: Contexto, 2008.

GREIMAS, Algirdas Julien; LANDOWSKI, Éric. Análise semiótica de um discurso jurídico: a lei comercial sobre as sociedades e os grupos de sociedades. In: GREIMAS, Algirdas Julien (Org.). Semiótica e ciências sociais. Tradução de Álvaro Lorencini e Sandra Nitrini. São Paulo: Cultrix, 1981, p. 69-113.

JORNALISTAS LIVRES. Apenas muda, Brasil.16 mar. 2015. Disponível em: . Acessado em: 15 fev. 2019.

LORENZOTTI, Elizabeth. Jornalismo Século XXI: o modelo #mídiaNINJA. São Paulo: EGalaxia, 2014.

McLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. Tradução de Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix, 2007.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

MÍDIA NINJA. Postagem 9. Fanpage Mídia Ninja. Facebook. 16 mar. 2015a. Disponível em: <https://www.facebook.com/midiaNINJA/?fref=ts>. Acessado em: 15 fev. 2019.

MÍDIA NINJA. Postagem 10. Fanpage Mídia Ninja. Facebook. 16 mar. 2015b. Disponível em: <https://www.facebook.com/midiaNINJA/?fref=ts>. Acessado em: 15 fev. 2019.

NOBRE, Marcos. Choques da democracia: razões da revolta. São Paulo: Companhia das Letras, 2013a.

NOBRE, Marcos. Imobilismo em movimento: da abertura democrática ao governo Dilma. São Paulo: Companhia das Letras, 2013b.

OLIVEIRA, Ana Claudia de. A estesia como condição da estética. In: OLIVEIRA, Ana Claudia de; LANDOWSKI, Éric (Orgs.). Do inteligível ao sensível: em torno da obra de Algirdas Julien Greimas. São Paulo: EDUC, 1995, p. 227-238.

PEREIRA, Vinícius Andrade. Estendendo McLuhan. Da Aldeia à Teia Global. Comunicação, Memória e Tecnologia. Porto Alegre: Sulina, 2011.

PLATÃO. O mito da caverna. (A República – Livro VII). Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Editora da UFPA, 2006.

RABAÇA, Carlos Alberto; BARBOSA, Gustavo Guimarães.Dicionário essencial de comunicação. São Paulo: Lexikon, 2014.

SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e pensamento: sonora, visual e verbal. São Paulo: Iluminuras, 2005.

SECCO, Lincoln. Brasil después del impeachment: una crisis de hegemonía? Revista Política Latinoamericana, v. 5, p. 61-76, 2017.

SCHERER-WARREN, Ilse. Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Sociedade e Estado, Brasília, v. 21, n. 1, p. 109-130, jan./abr. 2006.

SCHERER-WARREN, Ilse. Dos movimentos sociais às manifestações de rua: o ativismo brasileiro no século XXI. Política&Sociedade. Florianópolis, v. 13, n. 28,set.-dez. 2014.

TESNIÈRE, Lucien. Éléments de syntaxe structurale. 2. ed. Paris: Klincksieck,1988.

ZILBERBERG, Claude. Elementos de semiótica tensiva. Tradução de Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.47

Publicado
2019-08-19
Como Citar
Costa, M. (2019). Sobre o conceito de ator coletivo: a construção discursiva do manifestante de rua em postagens do Facebook da Mídia Ninja. Estudos Semióticos, 15(1), 31-47. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.154853