Considerações semióticas sobre o uso da tecnologia digital em salas de aula

Palavras-chave: Tecnologia digital, Discurso na internet, Semiótica discursiva, Veridicção, Letramento digital

Resumo

Este artigo percorre as prescrições de uso de tecnologia digital em salas de aula a partir dos documentos oficiais da educação brasileira (Parâmetros Curriculares Nacionais, PCN, e Base Nacional Comum Curricular, BNCC) e busca refletir sobre o modo como conceitos semióticos podem ajudar a elaborar melhor esse uso. Pensa-se na sua problematização a partir do estabelecimento da ideia de verdade no discurso (Greimas, 2014) e dos efeitos do discurso exacerbado da internet (Barros, 2011, 2016). Recorre-se a Hannah Arendt (2014) para reflexões sobre a apresentação do mundo aos educandos, para que eles possam estabelecer sua percepção do mundo, físico e digital, a partir do que lhes é apresentado. Tem-se por objetivo apontar caminhos de reflexão para que a tecnologia seja utilizada, criada e compreendida de modo melhor, com ética, reflexão e pensamento crítico, como pede a BNCC.

Biografia do Autor

Ana Carolina Cortez Noronha, Universidade de São Paulo

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Semiótica e Linguística geral da Faculdade de Ciências e Letras, da Universidade de São Paulo (USP), SP, Brasil.

Referências

ARENDT, Hannah. A crise da educação. In: ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2014 [1954].
BARROS, Diana Luz Pessoa de. A construção discursiva dos discursos intolerantes. In: BARROS, Diana Luz Pessoa de. (org.) Preconceito e intolerância. Construções linguístico-discursivas. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2011. p. 255-270.
BARROS, Diana Luz Pessoa de. Estudos discursivos da intolerância: o ator da enunciação excessivo. Caderno de Estudos Linguísticos, v. 58, n. 1. Campinas, 2016. p. 7-24. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8646151 . Acesso em: 04/11/2019.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: abril de 2019.
CRUZ, Dilson Ferreira da. Algumas considerações sobre o crer e o saber. Estudos Semióticos, n. 4. São Paulo, 2008.
GREIMAS, Algirdas Julien. O crer e o saber: um único universo cognitivo. In: GREIMAS, Algirdas Julien. Sobre o Sentido II. Trad. de Dilson Ferreira da Cruz. São Paulo: Nankin: Edusp, 2014. p. 127-146.
GREIMAS, Algirdas J.; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Cultrix, 2008 [1979].
LOPES, Ivã Carlos; BEIVIDAS, Waldir. Argumentação e Persuasão. Tensão entre crer e saber em “Famigerado”, de Guimarães Rosa. Alfa, v. 53, n. 2. São Paulo, 2009, p. 443-455. Disponível em : https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/ 2125/1743. Acesso: 04/11/2019.
Publicado
2019-12-23
Como Citar
Noronha, A. C. (2019). Considerações semióticas sobre o uso da tecnologia digital em salas de aula. Estudos Semióticos, 15(2), 280-291. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.159675