Ensino e aprendizagem de literatura no nível médio da região metropolitana de Fortaleza: progressão cognitiva e interação discursiva

Palavras-chave: Ensino de literatura, Semiótica discursiva, Taxionomia de Bloom, Discurso literário, Escola pública cearense

Resumo

O presente trabalho tem como foco o ensino e a aprendizagem voltados para o texto literário. Seja considerado como forma discursiva própria, seja como item de consumo de um sistema literário, o texto literário requer da escola um comprometimento didático-pedagógico específico. A pesquisa se alinha com a Semiótica Discursiva proposta por Greimas, ou seja, a aula é aqui entendida como um gênero discursivo em que um destinador (professor) propõe ao destinatário (alunos) a aquisição do texto literário como objeto. Com esse entendimento, este trabalho expõe achados de uma pesquisa sobre os níveis cognitivos relativos ao ensino e à aprendizagem da Literatura, com abrangência na escola pública de nível médio da região metropolitana de Fortaleza (CE). Os dados foram colhidos por estagiários, que aplicaram questionários baseados na Taxionomia de Bloom para o domínio cognitivo. Foram aplicados 405 questionários, distribuídos entre 2014 e 2017, sendo uma ficha para cada aula observada. Os três primeiros níveis cognitivos (conhecimento, compreensão e aplicação) representam 89% das aulas observadas, restando 11% para os níveis mais elevados (análise, aplicação e avaliação). Os dados sugerem uma necessidade de elevação dos níveis cognitivos para patamares mais elevados, o que requer uma prática didático-pedagógica que centralize a experiência no texto literário, considerado como forma discursiva própria, mediante dinâmicas de grupo, respeitando-se os educandos como protagonistas de sua própria aprendizagem.

Biografia do Autor

José Leite Jr., Universidade Federal do Ceará

Possui Licenciatura em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (1983), mestrado em Letras pela Universidade Federal do Ceará (1992) e doutorado pela Universidade Federal da Paraíba. Foi docente da Universidade Estadual do Ceará (1986-1996) e da Universidade de Fortaleza (2000-2006). É docente do Departamento de Literatura da Universidade Federal do Ceará desde 2006. Áreas de atuação: Literatura Portuguesa, Literatura Comparada, Ensino da Literatura, Semiótica, Literatura e Pintura, Interlinguística. Participa do Semioce, coordenando o subgrupo Literatura e Visualidade. Administra páginas eletrônicas acadêmicas, como a Entrelaces e a Revista dos Encontros Literários Moreira Campos, ambas do Departamento de Literatura da Universidade Federal do Ceará.

Vinícius da Silva Vieira, Universidade Estadual do Ceará

Mestrando em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, CE, Brasil.

Referências

ALVES, José Hélder Pinheiro. Prática de leitura de poemas: pesquisas e sugestões. In: SIQUEIRA, Ana Márcia Alves (Org.). Literatura e ensino: reflexões, diálogos e interdisciplinaridade. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2016.
AMER, Aly. Reflections on Bloom's Revised Taxonomy. Electronic Journal of Research in Educational Psychology, n. 8, vol .4 (1). 2006. p. 213-230. Disponível em: . Acesso em: 3 fev. 2019.
BARTHES, Roland. O prazer do texto. Trad. Jaime Ginzburg. São Paulo: Perspectiva, 1987.
BERTRAND, Denis. Caminhos da semiótica literária. Trad. Grupo CASA. Bauru: Edusc, 2003.
BLOOM, Benjamin. Taxionomia de objetivos educacionais: domínio cognitivo. Porto Alegre: Globo, 1976.
BRASIL. MEC. CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO - CFE. Resolução n.º 6, de 26 de novembro de 1986. Reformula o Núcleo Comum para os currículos do ensino de 1.º e 2.º Graus, com base no Parecer CFE n.º 785/86 e na Lei 5692/71. Disponível em: < www.lise.edunet.sp.gov.br >. Acesso em: 02 nov. 2013.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Resolução CEB n. 3, de 26 de junho de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2013.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio. Brasília: MEC, SEB, 2000.
BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.
BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília : MEC/SEF, 1997.
CANDIDO, Antonio. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.
CORREIA, Heloisa Helena Siqueira. Matrizes e paradigmas em questão: quais os outros da Literatura?. In: SIQUEIRA, Ana Márcia Alves (org.). Literatura e ensino: reflexões, diálogos e interdisciplinaridade. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2016.
COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. 2.ed. São Paulo: Contexto, 2018.
FONTANILLE, Jacques; ZILBERBERG, Claude. Tensão e significação. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit, Waldir Beividas. São Paulo: Humanitas, 2001.
FREIRE, Paulo. A Pedagogia da Esperança: um reencontro com A Pedagogia do Oprimido. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.
GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de semiótica. Trad. Alceu Dias Lima et al. São Paulo: Contexto, 2008.
GREIMAS, Algirdas Julien; FONTANILLE, Jacques. Semiótica das paixões: dos estados de coisas aos estados de alma. Trad. Maria José Rodrigues Coracini. São Paulo: Ática, 1993.
LAJOLO, Marisa Lajolo; ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. 3.ed. São Paulo: Ática, 2003.
LIMA, Lauro de Oliveira. A escola secundária Moderna. Petrópolis: Vozes, 1970.
OSPINA, Martín Alonso Pantoja; SALAZAR, Laura Inés Duque; MENESES, Juan Sebastián Correa. Modelos de estilos de aprendizaje: una actualización para su revisión y análisis. Revista Colombiana de Educación, n. 64, vol. 1. Bogotá, 2013. Disponível em: < https://www.redalyc.org/pdf/4136/413634076004.pdf >. Acesso em: 5 fev 2019.
PAULINO, Graça; COSSON, Rildo (org.). Leitura literária: a mediação escolar. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2004.
PERRONE-MOISÉS, Leyla. Consideração intempestiva sobre o ensino de literatura. In: PERRONE-MOISÉS, Leyla. Inútil poesia e outros ensaios breves. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. p. 345-351.
SOARES, Magda Becker. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1986.
SOFFNER, Renato Kraide. Competências do Século 21. Pesquisa e Debate em Educação, vol. 4, n.1. Programa de Pós Graduação Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública, Juiz de Fora, 2014. p. 14-31. Disponível em: . Acesso em: 6 jan. 2019.
SOUZA, Roberto Acízelo Quelha de. Teoria da literatura. 10. ed. São Paulo: Ática, 2007.
TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Trad. Caio Meira. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.
ZILBERBERG, Claude. Elementos de semiótica tensiva. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit, Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.
ZILBERMAN, Regina. No começo, a leitura. Em Aberto, vol. 16, n. 69. Brasília, 1996. p. 15-29.
ZILBERMAN, Regina. O ensino da literatura no segundo grau. Porto Alegre; Campinas: Mercado Aberto; Associação de Leitura do Brasil, 1986.
Publicado
2019-12-23
Como Citar
Leite Jr., J., & Vieira, V. (2019). Ensino e aprendizagem de literatura no nível médio da região metropolitana de Fortaleza: progressão cognitiva e interação discursiva. Estudos Semióticos, 15(2), 181-200. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.160129