Análise semiótica do discurso de jovens brasileiros de perfis variados: protagonismo e estratégias semióticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.160220

Palavras-chave:

Protagonismo, Práticas semióticas, Narratividade, Estratégia semiótica, Juventude

Resumo

Protagonismo é um termo cuja origem etimológica remonta à Antiguidade, sendo velho conhecido das disciplinas de análise literária. Sua aplicação contemporânea, em especial nos campos da educação e do trabalho, vem tendo uma grande difusão no mundo. Como abordar tal problemática a partir do instrumental teórico da Semiótica de linha francesa? A partir da proposta de Fontanille (2008), verificaremos sua interface, sobretudo, diante da relação existente entre objetivo e horizonte estratégico, analisando o discurso de jovens. Para exercitar a ambição levantada, analisaremos relatos orais de indivíduos brasileiros do sexo masculino. Quanto a seu perfil, temos: (A) jovens urbanos, residentes em São Paulo; (B) adolescentes que estavam cumprindo medidas socioeducativas em regime de semiliberdade em SP; e (C) jovens indígenas pertencentes à etnia xavante, residentes na T. I. Sangradouro (MT). Dentre os resultados encontrados, identificamos, em meio aos jovens em liberdade, a busca por trabalho unida ao convívio familiar, ao passo que, entre os jovens em semiliberdade, manifestaram-se objetivos mais dirigidos à obtenção de empregos pontuais e à recuperação de laços afetivos. No caso dos indígenas, os planejamentos para o futuro estão permeados, sobretudo, pelo empenho em garantir condições para o sustento e a continuidade de sua cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Carmona Leite, Universidade de São Paulo

Doutor em Semiótica e Linguística Geral pela Universidade de São Paulo (USP), SP, Brasil.

Referências

COSTA, Antônio Carlos Gomes da. Protagonismo juvenil: adolescência, educação e participação democrática. Salvador: Fundação Odebrecht, 2000.
DELORS, Jacques et al. Educação, um tesouro a descobrir: Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira. Brasília: Setor de Educação da Representação da Unesco no Brasil, Fundação Faber-castell, 2010 [1996]. 41 p. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0010/001095/109590por.pdf . Acesso em: 28 jan. 2018.
FONTANILLE, Jacques. Pratiques sémiotiques. Paris: Presses Universitaires de France, 2008.
GOMIDE, Maria Lucia Cereda. Território no mundo A'uwe Xavante. Confins [on-line] 11, 2011. Disponível em: http://journals.openedition.org/confins/6888 . Acesso em: 01 abr. 2018.
GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de semiótica. 2ª ed. 1ª reimpressão. Trad. Alceu Dias Lima et al. São Paulo: Contexto, 2012.
HART, Roger. Children’s Participation: from tokenism to citizenship. Innocenti Essays, n. 4. Florença, Itália: UNICEF, International Child Development Center, 1992.
HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles (ed.). Grande Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 2a reimp. Rio de Janeiro: Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.
KAUFMANN, Jean-Claude. A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo. Petrópolis: Vozes; Maceió: Edufal, 2013.
LANDOWSKI, Eric. Interações arriscadas. São Paulo: Estação das Letras e Cores: Centro de Pesquisas Sociossemióticas, 2014.
LOPES DA SILVA, Aracy. Nomes e amigos: da prática xavante a uma reflexão sobre os Jê. São Paulo: FFLCH / USP, 1986.
VIANNA, Fernando Luiz Brito. Boleiros do cerrado: índios xavantes e o futebol. São Paulo: Annablume, 2008.

Downloads

Publicado

2019-12-23

Como Citar

Leite, D. C. (2019). Análise semiótica do discurso de jovens brasileiros de perfis variados: protagonismo e estratégias semióticas. Estudos Semióticos, 15(2), 292-306. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.160220