Semiótica discursiva na educação: caminhos possíveis

Palavras-chave: Semiótica discursiva, Discurso, Educação, Didática, Metodologia

Resumo

A partir da leitura de dois textos de Greimas – Pour une sémiotique didactique e em uma entrevista concedida a Fontanille em 1984 –, nos quais se tratam as relações entre a semiótica discursiva e a educação, questionamos os caminhos tomados no Brasil quanto à presença dessa perspectiva teórica em diferentes níveis de ensino. Tais caminhos são postos pelo fundador da teoria, sem o direcionamento rigoroso de uma “semiótica didática”. Questões sobre a relação da Semiótica com outras disciplinas, espaços educacionais apontados para o exercício da metodologia dessa teoria e conceitos mais produtivos para o ensino na educação básica são explorados em um estudo inicial de nove artigos, uma dissertação e um livro que promovem reflexões acerca do emprego da semiótica no ensino. Este estudo propõe, então, uma pesquisa bibliográfica de textos recentes, tendo a montante problemáticas postas em textos fundadores de uma “semiótica didática”. Observamos, nas análises, que a maioria dos textos acadêmicos apresenta a teoria semiótica como um suporte ao professor, sendo ela essencial na formação inicial e continuada dos docentes e no planejamento de suas aulas, de modo que, portanto, não é necessário aos alunos conhecer a teoria. Outros textos defendem uma transposição didática pelo uso de rudimentos da teoria para tornar os alunos da educação básica conscientes dos mecanismos de leitura e construção do texto e do discurso. Uma proposição prática a partir dos estudos feitos pode surgir de uma maior discussão e elaboração conjunta de materiais que, na educação básica, visem a ensinar pela semiótica e não a semiótica, tendo em vista ainda a necessária formação de professores que conheçam bem suas bases.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniervelin Renata Marques Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais

É doutora em Letras pela USP. É mestre em Linguística Aplicada pela UFMG, graduada em Letras-Licenciatura Português/Francês pela Faculdade de Letras/UFMG. É professora Adjunta da Universidade Federal de Minas Gerais. Desde 2009, é membro do grupo Texto Livre: Semiótica e Tecnologia, vinculado à Faculdade de Letras/UFMG e financiado pelo CNPq. É editora da revista Texto Livre: Linguagem e Tecnologia (ISSN 1983-3652) e dos Anais do Evidosol/Ciltec-online (ISSN 2317-0239). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Linguística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes campos: Semiótica Discursiva, Linguagem e Tecnologia, Educação a Distância, Cultura Livre, Leitura e Produção de textos, Editoração de textos e Estilo dos gêneros digitais.

Referências

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria do discurso: fundamentos semióticos. São Paulo: Humanitas, 2001.
BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 2008.
BRUNING, Keity Cassiana Seco; LIMOLI, Loredana. Reflexões sobre a importância da semiótica nos cursos de formação de professores. VIII SEPECH - Seminários de pesquisas em ciências humanas. Londrina: UEL, 2010. p. 1123-1142.
DAVID, Ricardo Santos; DAVID, Renato Santos. Semiótica e sua aplicação ao texto literário: uma proposta interdisciplinar de usar a teoria e prática em sala de aula. Revista Diálogos, nº 19. 2018. p. 473-495.
DOMINGOS, Adenil Alfeu. Aplicação da semiótica narrativa em de sala de aula. XLVIII Seminário do Gel. Assis, 2000.
FARIAS, Iara Rosa. A questão do sentido da leitura sob a luz da semiótica francesa. 14º Congresso de Leitura do Brasil, 2003. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2019.
FIORIN, José Luiz. Lingüística e pedagogia da leitura. SCRIPTA, vol. 7, n. 14. Belo Horizonte, 2004. p. 107-117.
FIORIN, José Luiz. Elementos de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2013.
GREIMAS, Algirdas Julien. Pour une sémiotique didactique. In: HAMMAD, Manar. (dir.). Le Bulletin. Sémiotique Didactique, n. 7, 1979. p. 3-8.
GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Contexto, 2008.
GREIMAS, Algirdas Julien; FONTANILLE, Jacques. Entretien. Langue française, v. 61, n. 1. Sémiotique et enseignement du français, 1984. p. 121-128.
MERITH-CLARAS, Sonia. O ensino da língua materna e a semiótica: possibilidades de leitura e análise linguística de uma fábula. Estudos Semióticos, vol. 8, n. 2. São Paulo, 2012. p. 58-66.
PEREIRA, Daniervelin Renata Marques. Atividades didáticas para ensino de português em ambiente digital: uma análise semiótica. 2010. 319 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.
PEREIRA, Daniervelin Renata Marques. Semiótica e ensino: ajustamentos sensíveis em gêneros digitais da esfera educacional. 2013. 277 f. Tese (Doutorado em Letras). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2019.
RIBEIRO, Fabiana Patricia Lovato; LIMOLI, Loredana. Teoria semiótica: uma alternativa para o ensino de leitura. VI Encontro do Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul – CELSUL. Florianópolis - SC, 2004.
RIBEIRO, Kelli da Rosa. Trabalho com leitura na educação básica: uma aplicação da semiótica greimasiana na análise da notícia jornalística. III Congresso Internacional de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil. II Fórum Latino-Americano de Pesquisadores de Leitura. Porto Alegre, 2012. p. 1-15.
SILVA, Vera Lúcia Crevin da. Semiótica na Sala de Aula. Música, Publicidade e Literatura. Curitiba-PR: CRV, 2011.
SIMÕES, Darcilia Marindir Pinto; MELO, Eliana Meneses de. Pelo olhar da semiótica: leitura e produção de texto. Caderno Seminal Digital, ano 17, no 16, vol. 16, 2011. p. 55-66.
SOUSA, Napoleão Gomes. A semiótica e o conto popular: uma proposta de análise aplicável ao 9o ano do ensino fundamental. 128f. 2016. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras) - Centro de Formação de Professores, Universidade Federal de Campina Grande, Cajazeiras-PB.
Publicado
2019-12-23
Como Citar
Pereira, D. (2019). Semiótica discursiva na educação: caminhos possíveis. Estudos Semióticos, 15(2), 82-98. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.160582