Internet e novas tecnologias como recursos didático-pedagógicos: entre o uso e a perplexidade

Palavras-chave: Educação escolar, Práticas pedagógicas, Tecnologia

Resumo

O presente artigo pretende discutir alguns aspectos da formação docente para, na sequência, voltar-se às práticas pedagógicas levadas a efeito nas salas de aula da Educação Básica, enfatizando a utilização de recursos tecnológicos como um caminho desafiador para o professor e mais atraente para o aluno. Dados do Plano Nacional de Educação e do PISA, entre outros, comprovam que a educação brasileira apresenta baixos resultados em avaliações nacionais e/ou internacionais, o que desemboca na questão da qualidade da escola brasileira, conceito este bastante fluido e largamente discutido e que é também aqui explorado. Muitos são os caminhos possíveis a serem apontados como alternativas de encaminhamento para a busca de soluções dos inúmeros problemas existentes, mas o foco principal reverberará, sempre, na sala de aula e na relação professor-aluno, nuclear em todo esse processo. Toda aula deve ser pensada a partir do conhecimento de um aluno real, com suas particularidades geográficas, sociais e culturais e seus interesses específicos. Esse aluno real fala hoje a linguagem da tecnologia, e é dessa linguagem que o docente deve se aproximar, tirando dela o melhor proveito para atrair a atenção, despertar o interesse e estabelecer o diálogo como canal de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lucia Marcondes Carvalho Vasconcelos, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Docente Titular do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

BRASIL. Instituto Nacio nal de Estudo s e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatorio do 2º Ciclo de Monitoramento das Metas do Plano Nacional de Educação – 2018. Brasília, DF: Inep, 2018.
BRASIL. Ministério da Educação/SE/SEB/CNE. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Disponível em: www.BNCC_19dez2018_site. Acesso em 28/05/2019.
BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação – Lei Nº 13005/2014. Disponível em: www.pne.mec.gov.br . Acesso em 28/05/19.
BRASIL. Ministério da Educação/INEP/DAEB. Brasil no Pisa 2015 – Sumário Executivo. 2016.
BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n. 1428, de 28/12/18. Disponível em: www.in.gov.br . Acesso em 10/07/19.
CHRISTOVAM, Lidiane R. O discurso pedagógico no ensino superior: um relato de experiência sob a ótica dialógica de Freire. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2017.
DAVOK, Delsi Fries. Qualidade em Educação. Avaliação, v. 12, n. 3. Campinas, Sorocaba, SP, 2007. Disponível em:
www.scielo.br/pdf/aval/v12n3/a07v12n3.pdf . Acesso em 31/05/2019.
DOURADO, Luiz Fernando ; OLIVEIRA, João Ferreira de; SANTOS, Catarina de Almeida. A qualidade da educação: conceitos e definições. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2007.
FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. Educar com a mídia: novos diálogos sobre educação. São Paulo: Paz e Terra, 2011.
FREIRE, Paulo. Extensão ou Comunicação? 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.
INAF. Indicador de Alfabetismo Funcional. INAF BRASIL 2018. Resultados preliminares. Disponível em: www.acaoeducativa.org.br . Acesso em 31/05/2019.
PEÑA, Maria de los Dolores J.; ALLEGRETTI, Sonia M. M. Escola Híbrida: aprendizes imersivos. Revista Contemporaneidade, Educação e Tecnologia, v. 1, n. 2, 2012. Disponível em: http://revistacontemporaneidadeeducacaoetecnologia02.files.wordpress.com/2012/05/edutechi-puc20121.pdf . Acesso em 10 julho 2019.
PERRENOUD, Philippe. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa: Dom Quixote, 1993.
VASCONCELOS, Maria Lucia M. Carvalho. Formação de professores e boas práticas docentes: uma relação de causa e efeito. In: VASCONCELOS, Maria Lucia M. Carvalho (org.). Língua e Literatura: ensino e formação de professores. São Paulo: Ed. Mackenzie, 2016.
Publicado
2019-12-23
Como Citar
Vasconcelos, M. (2019). Internet e novas tecnologias como recursos didático-pedagógicos: entre o uso e a perplexidade. Estudos Semióticos, 15(2), 63-73. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.165202