Prática didática e discurso de autoridade no livro paradidático: o peritexto como estratégia enunciativa

Palavras-chave: Prática didática, Semiótica, Livro paradidático

Resumo

O presente trabalho propõe uma reflexão sobre o discurso de autoridade instaurado em alguns peritextos de uma obra paradidática, buscando demonstrar como se organizam certas estratégias na construção do que podemos chamar de uma prática didática. Para Genette (2009) os peritextos são aqueles que estão inseridos no mesmo suporte do livro e acompanham a obra, fazendo parte integrante de seu sentido. São nos textos de advertência e de abertura da obra que, acreditamos, instaura-se, segundo bases estereotipadas da visão de ensino, uma relação polêmica e não contratual: quem ensina detém o saber; quem aprende não possui nenhum saber. Estabelecemos para a análise um livro paradidático voltado ao ensino de literatura, intitulado O poeta que fingia, parte da coleção “Meu amigo escritor”, organizada por Álvaro Cardoso Gomes, na Editora FDT. Para dar conta dessa reflexão, apoiamo-nos nos pressupostos teóricos da semiótica discursiva, nas reflexões de Jacques Fontanille (2008) sobre as práticas e os níveis de pertinência da análise semiótica, articuladas aqui à concepção de peritexto de Gérard Genette (2009), e, finalmente, na proposta de Jean Cristtus Portela (2008) para o estudo das práticas didáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Nogueira Schwartzmann, Universidade Estadual Paulista

Docente do Departamento de Linguística da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (UNESP), câmpus de Assis, e do Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, câmpus de Araraquara, SP, Brasil.

Flávia Furlan Granato, Universidade Estadual Paulista

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (UNESP), câmpus de Araraquara, SP, Brasil.

Referências

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria do Discurso: Fundamentos Semióticos. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2001.
BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 2005.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Língua Portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, 1997.
CAMPELLO, Bernadete Santos; SILVA. Eduardo Valadares da. Subsídios para esclarecimento do conceito de livro paradidático. Biblioteca Escolar em Revista, v. 6, n. 1. Ribeirão Preto, 2018. p. 64-80.
FERREIRA, Norma Sandra de Almeida; MELO, Elizabete Amorim de Almeida. Livros paradidáticos de língua portuguesa: a nova fórmula do velho. Pro-Posições, v. 17, n. 2. 2006.
FIORIN, José Luiz. As astúcias da enunciação. São Paulo: Contexto, 2016.
FIORIN, José Luiz. Objeto artístico e experiência estética. In: LANDOWSKI, Eric; OLIVEIRA, Ana Claudia de; DORRA, Raúl (orgs.). Semiótica, estesis, estética. São Paulo: EDUC/Puebla: UAP, 1999.
FONTANILLE, Jacques. Du support matériel au support formel. In: KLOCKFONTANILLE, Isabelle; ARABYAN, Marc (orgs.). L’écriture entre support et surface. Paris: L’Harmattan, 2005, p. 183-200.
FONTANILLE, Jacques. Práticas semióticas: imanência e pertinência, eficiência e otimização. In: DINIZ, Maria Lúcia Vissotto Paiva; PORTELA, Jean Cristtus (orgs.). Semiótica e mídia: textos, práticas, estratégias. Bauru: UNESP/FAAC, 2008.
GENETTE, Gérard. Paratextos editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.
GOMES, Álvaro Cardoso. O poeta que fingia. São Paulo: FTD, 2010.
GREIMAS, Algirdas Julien. Semântica estrutural: pesquisa de método. 2. ed. São Paulo: Cultrix/ Ed. da Universidade de São Paulo, 1976.
GREIMAS, Algirdas Julien. Semiótica figurativa e semiótica plástica. Trad. Ignacio Assis Silva. In: OLIVEIRA, Ana Cláudia de (org.). Semiótica plástica. São Paulo: Hacker Editores, 2004. p. 75-96.
GREIMAS, Algirdas Julien. Sémiotique et enseignement du français. In: FONTANILLE, Jacques (org.). Langue Française, n. 61. Paris: Larousse, 1984.
HANDEL, Richard. O design do livro. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.
LINDEN, Sophie Van der. Para ler o livro ilustrado. São Paulo: Cosac Naify, 2011.
MUNAKATA, Kazumi. Produzindo livros didáticos e paradidáticos. Tese (Doutorado em Educação). PUC-SP, São Paulo, 1997.
PORTELA, Jean. Cristtus. Práticas didáticas: um estudo sobre os manuais brasileiros de semiótica. Tese. (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). 181 p. Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara. 2008.
SCHWARTZMANN, Matheus Nogueira; GRANATO, Flávia Furlan. A capa do livro paradidático: discursos editorial e didático em uma obra da FTD. Travessias Interativas, n. 17, vol. 9. São Cristóvão (SE), 2019. p. 209-225.
SOUCHIER, Emmanuel. L'image du texte pour une théorie de l'énonciation éditoriale. Les cahiers de médiologie, n. 6. 2/1998. p. 137-145.
Publicado
2019-12-23
Como Citar
Schwartzmann, M., & Granato, F. (2019). Prática didática e discurso de autoridade no livro paradidático: o peritexto como estratégia enunciativa. Estudos Semióticos, 15(2), 99-113. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.165204