De triagens a misturas: por uma compreensão semiótica do processo de transposição didática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.165206

Palavras-chave:

Didatização, Transposição didática, Prática semiótica, Estratégia semiótica, Educação básica

Resumo

A intenção deste estudo é a de discutir os princípios orientadores (internos e externos) envolvidos no processo de transposição didática pelo qual passa um conhecimento acadêmico-científico quando aceito como saber a ensinar no contexto escolar. Para tanto, a proposta teórica de Yves Chevallard (1985, 1991) será interpretada a partir das noções de prática e estratégia semióticas, conforme desenvolvidas por Jacques Fontanille (2006, 2008), e da sintaxe da mestiçagem proposta por Zilberberg (2004). Interessa mostrar que a didatização de conteúdos – dentro do sistema de ensino como um todo – não é apenas uma questão de simplificação, mas de transposição de uma esfera a outra, de recontextualização a partir das peculiaridades de uma nova prática semiótica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Soares de Lima, Universidade de São Paulo

Pós-Doutoranda do Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo (USP), Brasil.

Referências

AZANHA, José Mario Pires. Parâmetros curriculares nacionais e autonomia da escola. International Studies on Law and Education, n. 3, 2001. p. 23-32. Disponível em: http://www.hottopos.com/harvard3/index.htm .
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (versão final homologada). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2018.
BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: Língua Portuguesa/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.
BRONCKART, Jean-Paul; PLAZAOLA GIGER, Itziar. La transposition didactique. Histoire et perspectives d'une problématique fondatrice. Pratiques, n. 97-98, 1998. p. 35-58.
CAILLOT, M. La théorie de la transposition didactique est-elle transposable? In: RAISKY, C.; CAILLOT, M. Au-delà des didactiques, le didactique. Débats autour de concepts fédérateurs. Paris/Bruxelles: De Boeck & Larcier, 1996. pp. 19-35.
CHEVALLARD, Yves. Sobre a teoria da transposição didática: algumas considerações introdutórias. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v. 3, n. 2. Universidade Unigranrio, 2013. p. 1-14. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/view/2338 .
CHEVALLARD, Yves. La transposition didactique. Du savoir savant au savoir enseigné. Grenoble: La pensée sauvage, 1985. [*Réédition augmentée en 1991]
CLERC, Jean-Benoît; MINDER, Patrick; RODUIT, Guillaume. La transposition didactique. HEP-VD, Haute École Pédagogique Vaud, 2006. Disponível em: http://lyonelkaufmann.ch/histoire/MHS31Docs/Seance1/TranspositionDidactique.pdf
CURY, Carlos Roberto Jamil; REIS, Magali; ZANARDI, Teodoro Adriano Costa. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.
FONTANILLE, Jacques. La sémiotique stratégique: pour une extension du domaine d’intervention. Texto sem data de publicação, disponível na página institucional do autor: https://www.unilim.fr/pages_perso/jacques.fontanille/articles_pdf/applications/semiotique_%20strategie.pdf.
FONTANILLE, Jacques. Pratiques sémiotiques. Paris: PUF, 2008a.
FONTANILLE, Jacques. Práticas semióticas: imanência e pertinência, eficiência e otimização. Trad. Jean C. Portela. In: DINIZ, Maria L. V. P.; PORTELA, Jean C. (orgs.). Semiótica e mídia: textos, práticas, estratégias. Bauru, SP: UNESP/FAAC, 2008b. p. 15-74.
FONTANILLE, J.; ZILBERBERG, C. Tensão e significação. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Humanitas, 2001.
FORQUIN, Jean-Claude. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria & Educação, n. 6. Porto Alegre: Pannonica, 1992. p. 49-28.
LANDOWSKI, Eric. Interações arriscadas. Trad. Luiza Helena Oliveira da Silva. Estação das Letras e Cores: São Paulo, 2014.
LANDOWSKI, Eric. Les interactions risquées. Limoges: Pulim, 2005.
LEITE, M. S. Contribuições de Basil Bernstein e Yves Chevallard para a discussão do conhecimento escolar. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Educação da PUC-Rio, 2004. 131f.
PAIS, L. C. Transposição didática. 2016. Disponível em: http://www.luizcarlospais.com/visualizar.php?idt=5527659 . Acesso em 17/01/2019.
PERRENOUD, P. La transposition didactique à partir de pratiques : des savoirs aux compétences. Revue des Sciences de l'Éducation, vol. XXIV, n° 3. Montréal, 1998. pp. 487-514.
PERRENOUD, P. La fabrication de l’excellence scolaire : du curriculum aux pratiques d’évaluation. (2e édition augmentée en 1995). Genève: Droz, 1995.
PETITJEAN, André. Importância e limites da noção de transposição didática para o ensino do francês. Fórum Linguístico, vol. 5, n. 2. Florianópolis, 2008. p. 83-116. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2008v5n2p83 .
PORTELA, Jean Cristtus. Práticas didáticas: um estudo sobre os manuais brasileiros de semiótica greimasiana. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, UNESP, Araraquara, 2008.
ROJO, Roxane (org.). A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. São Paulo: EDUC, Campinas: Mercado de Letras, 2000.
VERRET, Michel. Le temps des études. Paris: Honoré Champion, 1975.
ZILBERBERG, Claude. As condições semióticas da mestiçagem. Trad. Ivã Carlos Lopes e Luiz Tatit. In: CAÑIZAL, Eduardo Peñuela; CAETANO, Kati Eliana (org.). O olhar à deriva: mídia, significação e cultura. São Paulo: Annablume, 2004. p. 69-101.

Downloads

Publicado

2019-12-23

Como Citar

Lima, E. S. de. (2019). De triagens a misturas: por uma compreensão semiótica do processo de transposição didática. Estudos Semióticos, 15(2), 114-132. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.165206