A gradação tensiva na música cênica contemporânea: estilos e pontos de vista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.172219

Palavras-chave:

Música cênica contemporânea, Abordagem tensiva, Estilos, Pontos de vista

Resumo

A música cênica é uma prática artística que se organiza a partir da tensão entre presenças musicais e presenças cênicas, ambas orientadas por uma regência musical que pode ser compreendida como uma base sensível característica que conduz a relação entre sujeito e objeto envolvidos na prática. Com base na abordagem tensiva, desenvolvida principalmente por Claude Zilberberg, faremos uma breve apresentação das estratégias de dominâncias, transportes e ambivalências entre as presenças musicais e as presenças cênicas, por meio da conformação gradativa e aspectual dos modos de contato, para apresentarmos as gradações tensivas que configuram os estilos e os pontos de vista previstos pela música cênica. Para as exemplificações dos estilos, trouxemos obras de três compositores de música cênica contemporânea brasileira: Gilberto Mendes, Willy Corrêa de Oliveira e Tim Rescala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Cardoso Bonin, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Música da Escola de Comunicação e Artes, da Universidade de São Paulo (ECA-USP), SP, Brasil. Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP (Processo nº 2020/02326-4). 

Referências

BONIN, Gustavo. Modos de contato na música cênica contemporânea. Estudos Semióticos [on-line], vol. 15, Edição Especial. Editores Responsáveis: Ivã Carlos Lopes, José Américo Bezerra Saraiva e Eliane Soares de Lima. São Paulo, 2019. p. 166-182. Disponível em: [http://www.revistas.usp.br/esse/article/view/153770] Acesso em: 13 abr. 2020.

BONIS, Mauricio de. Tabulae scriptae: a metalinguagem e as trajetórias de Henri Pousseur e Willy Corrêa de Oliveira. Tese (Doutorado em Comunicações e Artes). Escola de Comunicação e Artes (ECA) - Universidade de São Paulo, USP. 461p. São Paulo, 2012.

CAGE, John; KIRBY, Michael; SCHECHNER, Richard. An Interview with John Cage. The Tulane Drama Review, vol. 10, n. 2. Massachusetts: The MIT Press, 1965. p. 50-72.

DISCINI, Norma. O estilo nos Textos. São Paulo: Contexto, 2003.

FONTANILLE, Jacques; ZILBERBERG, Claude. Tensão e Significação. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Discurso Editorial/Humanitas FFLCH-USP, 2001.

GLUSBERG, Jorge. A arte da performance. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

GREIMAS, Algirdas Julien. Du sens I: essais sémiotiques. Paris: Seuil, 1970.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de Semiótica. Trad. Alceu Dias Lima et alii. São Paulo: Contexto, 2012.

HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma Teoria da Linguagem. Trad. José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1975.

TATIT, Luiz. Passos da semiótica tensiva. São Paulo: Ateliê Editorial, 2019.

TATIT, Luiz. Semiótica à luz de Guimarães Rosa. São Paulo: Ateliê Editorial, 2010.

ZILBERBERG, Claude. Elementos de semiótica tensiva. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

ZILBERBERG, Claude. As condições semióticas da mestiçagem. Trad. Luiz Tatit e Ivã Carlos Lopes. In: CAÑIZAL, E. P. & CAETANO, K. E. (orgs.) O olhar à deriva: mídia, significação e cultura. São Paulo: Annablume, 2004.

Downloads

Publicado

2020-09-30

Como Citar

Bonin, G. C. (2020). A gradação tensiva na música cênica contemporânea: estilos e pontos de vista. Estudos Semióticos, 16(2), 135-154. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.172219

Edição

Seção

Artigos