Duas concepções de enunciação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.172329

Palavras-chave:

Mediação, Percurso gerativo, Enunciação enunciada, Práxis enunciativa, Colocação em presença, Predicação

Resumo

Greimas, ao elaborar a noção de percurso gerativo do sentido, para explicar as abstrações realizadas no ato de ler um texto, toma de Benveniste o conceito de enunciação como instância de mediação, mas reelabora-o. Uma instância é um conjunto de categorias que cria um domínio teórico e, por conseguinte, um domínio de análise. Este trabalho tem o objetivo de expor as razões epistemológicas que levaram Greimas a dar à enunciação um determinado lugar no percurso gerativo e de mostrar o alcance do conceito greimasiano de enunciação, ou seja, as categorias e operações compreendidas por ele. Em seguida, apresenta as modificações aportadas ao conceito greimasiano pela semiótica tensiva e discute a possibilidade ou não de conciliar os dois modelos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luiz Fiorin, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Departamento de Linguística

Professor Associado (aposentado) do Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP).

Referências

BARROS, Manoel de. Retrato do artista quando coisa. Rio de Janeiro: Record, 1988.

BENVENISTE, Emile. Problèmes de linguistique générale. Paris: Gallimard, 1974, vol. 2.

BENVENISTE, Emile. Problemas de linguística geral. São Paulo: Nacional/ EDUSP, 1976, vol. 1.

BERTRAND, Denis. Caminhos da semiótica literária. Bauru: EDUSC, 2003.

COQUET, Jean-Claude. L'implicite de l'énonciation. Langages, n. 70, 1989. p. 9-14.

COURTES, Joseph. Sémantique de l'énoncé: applications pratiques. Paris: Hachette, 1989.

FONTANILLE, Jacques. Sémiotique et littérature. Paris: Presses Universitaires de France, 1999.

FONTANILLE, Jacques. Semiótica do discurso. São Paulo: Contexto, 2007.

FONTANILLE, Jacques e ZILBERBERG, Claude. Tensão e significação. São Paulo: Humanitas, 2001.

GREIMAS, Algirdas Julien. Semântica estrutural. São Paulo: Cultrix/EDUSP, 1973.

GREIMAS, Algirdas Julien. L’énonciation: une posture épistémologique. Significação. Revista Brasileira de Semiótica, n. 2, 1975. p. 9-25.

GREIMAS, Algirdas Julien. Du sens II. Essais sémiotiques. Paris: Seuil, 1983.

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTES, Joseph. Sémiotique. Dictionnaire raisonné de la théorie du langage. Paris: Hachette, 1979.

GREIMAS, Algirdas Julien; FONTANILLE, Jacques. Semiótica das paixões. Dos estados de coisas aos estados de alma. São Paulo: Ática, 1993.

MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. Obras completas. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1979, vol. I.

MANCINI, Renata. “A enunciação tensiva em diálogo”. Estudos semióticos, vol. 14 (edição especial). São Paulo: USP, 2019. p. 64-87.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix/EDUSP, 1969.

ZILBERBERG, Claude. “Síntese da gramática tensiva”. Significação. Revista Brasileira de Semiótica, n. 25, 2006. p. 163-204.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

Fiorin, J. L. (2020). Duas concepções de enunciação. Estudos Semióticos, 16(1), 122-137. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2020.172329