O fenômeno social no entorno da epidemia de zika como potencial complicador à constituição psíquica do bebê

Palavras-chave: Zika, objeto fóbico, constituição psíquica, microcefalia.

Resumo

Este artigo busca analisar a relação entre a epidemia de Zika, ocorrida no Brasil entre 2015 e 2017, e o cenário social fóbico estabelecido entre as gestantes e seus familiares a espera de um bebê. O objetivo é fazer uma exploração teórica, com base numa perspectiva psicanalítica, ou seja, que considera os processos inconscientes na constituição do sujeito psicológico, impulsionado pela sexualidade no cenário edípico, o que implica, nesse cenário da epidemia de Zika, a reorganização das identidades paternas e maternas impregnadas pelo medo de trazer ao mundo um bebê com necessidades especiais ou, ainda, com complicações consideradas incompatíveis com a vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Fernandes da Silva, Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia

Doutoranda do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Leopoldo Fulgencio, Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia

Professor Livre Docente do Instituto de Psicologia da Universidade de são Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Aulagnier, P. (1975). A violência da interpretação: do pictograma ao enunciado (M. C. Pelegrino, Trans.). Rio de Janeiro, RJ: Imago.
Azevedo, L. J. d., Féres-Carneiro, T., & Brandão, E. P. (2018). A transmissão na constituição do sujeito: uma abordagem lacaniana. Interação em Psicologia, 22 (2), 97-104. doi: 10.5380/psi.v22i2.49797
Brasil. Ministério da Saúde. Protocolo de atenção à saúde e resposta à ocorrência de microcefalia / Plano nacional de enfrentamento à microcefalia - versão 3. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2016.
Brasil. Ministério da Saúde. (2017a) Ministério da Saúde declara fim da emergência nacional para zika. Recuperado em 3 jun. 2017 do Portal Governo do Brasil (http://www.brasil.gov.br/saude/2017/05/ministerio-da-saude-declara-fim-da-emergencia-nacional-para-zika
Brasil. Ministério da Saúde. (2017b) Boletim Epidemiológico nº 17. Volume 48 – 2017, Recuperado de (http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/junho/01/BE-2017-015-Monitoramento-integrado-de-alteracoes-no-crescimento-e-desenvolvimento.pdf)
Brasil. Ministério da Saúde. (2017b) Boletim Epidemiológico nº 31. Volume 48 – 2017, Recuperado de (http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/outubro/18/BE-Vol-48-n-31-2017-Monitoramento-dos-casos-de-dengue-febre-de-chikungunya-ate-a-Semana-Epidemiologica-37.pdf)
CBPD. (2017). Congresso de Psicologia do Desenvolvimento: Pequisa e Intervenção para Promoção de Saúde ao longo do Ciclo Vital. Recuperado de http://www.cbpd2017.com.br/apresentacao
Costa, A. (2016). Pesquisadora é eleita uma das 10 personalidades do ano na ciência. Agência Fiocruz de Notícias. Recuperado jun. 2017 do Portal Fiocruz (https://portal.fiocruz.br/pt-br/content/fiocruz-pe-pesquisadora-e-eleita-uma-das-10-personalidades-do-ano-na-ciencia)
Crespin, G. (2004). A clínica precoce: o nascimento do humano. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.
Dolto, F. (2013). Seminário de psicanálise de crianças (M. V. M. de Aguiar, trad.). São Paulo, SP: WMF Martins Fontes.(Trabalho original publicado em 1982).
Faria, M. R. (2016). Introdução à psicanálise de crianças: o lugar dos pais. São Paulo, SP: Toro Editora.
Freud, S. (1996). Análise de uma fobia em um menino de cinco anos. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 10, pp. 15-131). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1909).
Freud, S. (1996). Sobre o narcisismo: uma introdução. In S. Freud, Edição Standard Brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 14, pp. 77-108). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1914).
Freud, S. (1996) Conferências introdutórias à psicanálise. In S. Freud, Edição Standard Brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 15, pp. 25-33). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1916).
Fulgencio, L. (2016). Os narcisismos e a sexualidade: da experiência narcísica de ser à experiência de investir libidinalmente o eu e os objetos. In J. Birman, L. Fulgencio, D. Kupermann & E. L. Cunha (Eds.), Amar a si mesmo e amar o outro. Narcisismo e sexualidade na psicanálise contemporânea (pp. 215-224). São Paulo, SP: Zagodoni.
Houzel, D. (2004). As implicações da parentalidade. In L. Solis-Ponton (Org.), Ser pai, ser mãe. Parentalidade: um desafio para o terceiro milênio (pp. 48-51). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.
Iaconelli, V. (2015). Mal-estar na maternidade: Do infanticídio à função materna. São Paulo, SP: AnnaBlume Editora.
Lacan, J. (1998). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In J. Lacan, Escritos (I. Oseki-Depré, trad., pp. 223-260). São Paulo: Perspectiva. (Trabalho original publicado em 1957).
Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. In J. Lacan, Escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 96-103). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Trabalho original publicado em 1949).
Laplanche, J. & Pontalis, J.-B. (1986). Vocabulário da psicanálise. (P. Tamen, trad.). São Paulo, SP: Martins Fontes.
Laznik, M.-C. (2004). A voz da sereia: o autismo e os impasses na constituição do sujeito (C. F. Rohenkol et al, trad., 2ª ed.). Salvador, BA: Álgama.
Nunes, J., & Pimenta, D. N. (2016). A epidemia de zika e os limites da saúde global. Lua Nova: revista de cultura e política, (98), 21-46. doi:10.1590/0102-6445021-046/98
Puff, J. (2017). Zika e Olimpíada: Duas visões científicas sobre riscos a atletas e turistas. Recuperado de http://www.bbc.com/portuguese/brasil-36504916
Roudinesco, E. & Plon, M. (1998). Dicionário de psicanálise. (V. Ribeiro, & L. Magalhães, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor.
Vander Linden, V., Pessoa, A., Dobyns, W., Barkovich, A. J., Júnior, H. Vander L., Filho, E. L. R., Moore, C. A. (2016). Description of 13 Infants Born During October 2015–January 2016 With Congenital Zika Virus Infection Without Microcephaly at Birth — Brazil. MMWR. Morbidity and Mortality Weekly Report, 65(47), 1343–1348. doi:10.15585/mmwr.mm6547e2
Ventura, C. V., Maia, M., Dias, N., Ventura, L. O., & Belfort, R. (2016). Zika: neurological and ocular findings in infant without microcephaly. The Lancet, 387(10037), (p. 2502). doi:10.1016/s0140-6736(16)30776-0
Viodé-Bénony, C. G., Bernard. (2012). Psychopatologie du bébé. Paris: Armand Colin.
Winnicott, D. W. (2000). A preocupação materna primária. In D. W. Winnicott, Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas (D. Bogomoletz, trad., pp. 399-405). Rio de Janeiro, RJ: Imago Ed. (Trabalho original publicado em 1958).
Winnicott, D. W. (1983). Distorção do ego em termos de falso e verdadeiro self. In D. W. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação (I. C. S. Ortiz, trad., pp. 128-139). Porto Alegre, RS: Artmed. (Trabalho original publicado em 1960).
Winnicott, D. W. (1975). O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade (J. O. De A. Abreu e V. Algamis, trad., pp. 153-162). Rio de Janeiro, RJ: Imago Ed. (Trabalho original publicado em 1967).
Zornig, S. M. A.-J. (2010). Tornar-se pai, tornar-se mãe: o processo de construção da parentalidade. Tempo psicanalítico, 42(2), 453-470.
Zorzetto, R. (2016). Incertezas sobre a microcefalia. Pesquisa Fapesp, ed. 241, pp.14-21. Recuperado de http://revistapesquisa.fapesp.br/2016/03/18/incertezas-sobre-a-microcefalia/
Publicado
2019-08-30
Como Citar
Silva, F., & Fulgencio, L. (2019). O fenômeno social no entorno da epidemia de zika como potencial complicador à constituição psíquica do bebê. Estilos Da Clinica, 24(2), 276-290. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i2p276-290