Acompanhamento Terapêutico Escolar: uma atuação caracterizada pelo “entre”

  • Verônica Gomes Nascimento Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Adrielle de Matos Borges Teixeira Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Aline de Almeida Santos Spada Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Maria Virgínia Machado Dazzani Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Palavras-chave: Acompanhamento Terapêutico, Inclusão escolar, Enquadre profissional

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de apresentar a atuação do Acompanhamento Terapêutico Escolar (ATE), sendo esta uma prática crescente, no contexto brasileiro, a qual encontra-se associada ao processo de efetivação da inclusão escolar. Mas o que caracteriza essa atuação? A partir da noção da inclusão como ato terapêutico, considera-se que a atuação é marcada por uma posição do estar “entre” (entre o estudante e o(s) outro(s)), elemento intrínseco à prática. Mas também revela certa indefinição, incertezas e instabilidades inerentes a esta posição. Diante disso, a intenção é refletir sobre tais questões e suas relações com um possível enquadre profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Verônica Gomes Nascimento, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Psicóloga, especialista em Psicomotricidade (pelo Lydia Coriat), Mestre e Doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Federal da Bahia - UFBA.

Adrielle de Matos Borges Teixeira, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Psicóloga, Mestre em Educação pela Universidade Federal da Bahia - UFBA, Doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Federal da Bahia - UFBA.

Aline de Almeida Santos Spada, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Psicóloga, Mestre em Desenvolvimento pela Universidade Federal da Bahia - UFBA.

Maria Virgínia Machado Dazzani, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Doutora em Educação. Professora Adjunta do Instituto de Psicologia da Universidade Federal da Bahia - UFBA

Referências

Abenhaim, E. (2005). Os caminhos da inclusão: breve histórico. In: A. M. Machado, A. J. Veiga Neto, M. M. B. J. Neves, M. V. O. Silva, R. G. Prieto, W. Ranña, & E. Abenhaim. (Orgs.). Psicologia e direitos humanos: educação inclusiva, direitos humanos na escola (pp. 39-53). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Assali, A. M., Rizzo, C., Abbamonte, R. M., & Amâncio, V. (1999). O acompanhamento terapêutico na inclusão de crianças com distúrbios globais do desenvolvimento. A psicanálise e os impasses da educação: Anais do Colóquio do Lugar de Vida, 114-121. São Paulo.

Brasil. Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos – SDH. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência – SNPD. Novos Comentários à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília, 2014. Disponível em http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/convencao-sdpcd-novos-comentarios.pdf.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei Nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Brasília. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei Nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm.

Coelho, C. F. de M. (2007) Convivendo com Miguel e Mônica: uma proposta de Acompanhamento Terapêutico de crianças autistas. Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em http://repositorio.unb.br/handle/10482/3095?mode=full.

Cury, C.R.J. (2002). Direito à educação: direito à diferença. Cadernos de Pesquisa, 116, 245-262. doi: 10.1590/S0100-15742002000200010.

Declaração de Salamanca (1994). Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais. Salamanca/Espanha: UNESCO.

Duk, C. (2006) Educar na Diversidade – material de formação docente. 3ª ed. Brasília: [MEC, SEEESP].

Fráguas, V., & Berlinck, M. T. (2001). Entre o pedagógico e o terapêutico. algumas questões sobre o acompanhamento terapêutico dentro da escola. Estilos da Clínica 6 (11), 7-16. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v6i11p7-16.

Jerusalinsky, A. (2010). Psicanálise e desenvolvimento infantil: um enfoque transdisciplinar 5a ed. Porto Alegre, RS: Artes e Ofícios.

Jerusalinsky, J. (2006). O acompanhamento terapêutico e a construção de um protagonismo. Escritos da criança, (6), 163-178. Porto Alegre, RS: Centro Lydia Coriat.

Kupfer, M. C. M. (1997). Educação Terapêutica: o que a psicanálise pode pedir à educação. Estilos da Clínica 2 (2), 53-61. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v2i2p53-61

Kupfer, M. C. M. (2006). Duas notas sobre a inclusão escolar. Escritos da criança, (6), 71-81. Porto Alegre, RS: Centro Lydia Coriat.

Kupfer, M. C., & Petri, R. (2000). “Por que ensinar a quem não aprende?”. Estilos da Clínica: 5(9),109-117. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v5i9p109-117

Matos & Diniz, A. (2014). Acompanhamento terapêutico e educação inclusiva: a voz dos ATs. In R. C. S. Souza, M. A. G. Bordas, & C. S. Santos (Orgs.). Formação de professores e cultura inclusiva (pp. 45-66). São Cristovão, SE: UFS.

Melão, M. S. (2008) A escrita e a constituição do sujeito: um caso de autismo. Estilos da Clínica, 13 (25), 94-117. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v13i25p94-117.

Mena, L. F. B. (2000). Inclusões e inclusões: a inclusão simbólica. Psicologia: Ciência e Profissão, 20(1), 30-39. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932000000100005.

Montellano, C. P., Nero, C. T., Sereno, D., Garfunkel, J. L., Vicentin, M. C. G., Almeida, M. N. C., & Navarro, N. C. (2009). Construindo modos de ação na interface saúde-educação. In A. A. Anache, & I. R. Silva (Orgs.). Educação inclusiva: experiências profissionais em psicologia (pp. 53- 68). Brasília, DF: CFP.

Nascimento (2015). O acompanhamento terapêutico escolar no processo de inclusão de uma criança autista. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA. Disponível em https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/19009.

Nascimento; Silva, A.; Dazzani (2015). Acompanhamento terapêutico escolar e autismo: caminhos para a emergência do sujeito. Estilos da Clínica, 20 (3), 520-534. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v20i3p520-534.

Porto, M. & Sereno, D. (1991) Sobre Acompanhamento Terapêutico. In Equipe de Acompanhantes Terapêuticos do Hospital-Dia A Casa (Orgs.), A rua como espaço clínico: Acompanhamento Terapêutico. São Paulo, SP: Escuta.

Sanini, C., Sifuentes, M. & Bosa, C. A. (2013). Competência social e autismo: o papel da brincadeira no contexto da brincadeira com pares. Psicologia Teoria e Pesquisa, 29 (1), 99-105.doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722013000100012.

Silva, K. C. B. (da) (2014). Educação inclusiva: para todos ou para cada um? Alguns paradoxos (in)convenientes. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-29092014-134527/pt-br.php.

Spada (2016) Inclusão escolar de crianças diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista: significados e práticas. Dissertação de mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA. Disponível em https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/20228.

Sereno, D. (2006). Acompanhamento terapêutico e Educação Inclusiva. Psyche, 10(18), 167-179. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-11382006000200016.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Nascimento, V., Teixeira, A., Spada, A., & Dazzani, M. V. (2019). Acompanhamento Terapêutico Escolar: uma atuação caracterizada pelo “entre”. Estilos Da Clinica, 24(3), 445-457. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i3p445-457