Validação do instrumento "Acompanhamento Psicanalítico de Crianças em Escolas, Grupos e Instituições" (APEGI)

primeiros resultados

  • Maria Cristina Machado Kupfer Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia
  • Leda Mariza Fischer Bernardino Pontifícia Universidade Católica do Paraná
  • Maria Eugênia Pesaro Lugar de Vida - Centro de Educação Terapêutica
Palavras-chave: teoria psicanalítica; validação de instrumento; desenvolvimento da criança; função do semelhante.

Resumo

No presente artigo, apresentam-se os resultados preliminares de uma pesquisa para a validação do instrumento APEGI – Acompanhamento Psicanalítico de Crianças em Escolas, Grupos e Instituições. Construído com base na teoria psicanalítica, o APEGI busca proceder a uma leitura psicanalítica do processo de constituição subjetiva articulado ao desenvolvimento da criança, considerando ainda a relação da criança com seus pares a partir da noção de função do semelhante. O APEGI foi aplicado a uma amostra de 60 crianças entre 4 e 6 anos de idade. Os primeiros resultados mostram um bom índice de precisão ou confiabilidade do instrumento, além de apontarem que o instrumento vai em direção ao esperado para sua validação.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Machado Kupfer, Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia

Psicanalista, Professor Titular Senior do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Leda Mariza Fischer Bernardino, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Psicanalista, professora titular aposentada da PUCPR, Curitiba, PR, Brasil.

Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo.

 

 

Maria Eugênia Pesaro, Lugar de Vida - Centro de Educação Terapêutica

Psicanalista. Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pelo Instituto de Psicologia da  Universidade de são Paulo.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Baron-Cohen, S., Wheelwright, S., Cox, A., Charman, T., Swettenham, J., Drew, A. & Doehring, P. (2000). Early identification of autism by the checklist for autism in toddlers (CHAT). Journal of the Royal Society of Medicine, 93 (10), 521-525.

Bernardino, L. M. F. & Vaz, B. (2015). Avaliação de crianças pequenas em processo de educação inclusiva através do protocolo AP3. Revista Educação, 38 (1), 193-202.

Brunelle, Y. & Saucier, A. (1999). Les indicateurs et le système de soins. Québec: Ministère de la Santé et des Services Sociaux.

Cardoso, D. F., Fernandes, E. T., Novo, A. L. B. & Kupfer, M. C. M. (2012). O IRDI como facilitador das intervenções terapêuticas em um centro de reabilitação física infantil. In M. C. M. Kupfer, L. M. F. Bernardino & R. M. M. Mariotto (Orgs.), Psicanálise e ações de prevenção na primeira infância (pp. 95-108). São Paulo, SP: Escuta.

Crestani, A. H., Souza, A. P. R., Moraes, A. B. & Beltrami, L. (2011). Associação entre tipos de aleitamento, presença de risco ao desenvolvimento infantil, variáveis obstétricas e socioeconômicas. In Anais, 26ª Jornada Acadêmica Integrada da UFSM, Santa Maria, RS (pp. 1-3). Santa Maria, RS: UFSM.

De Césaris, D.M. (2013). O uso dos instrumentos IRDI e AP3 no acompanhamento da constituição da imagem corporal/especular de crianças em Centros de Educação Infantil. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Garcia, C. (2002, agosto/setembro). Saber e ciência: Psicanálise, saúde pública e saúde mental. Cadernos IPUB, 8 (21), 61-78.

Hanns, L. (2000). Psicoterapias sob suspeita: A psicanálise no século XXI. In R. A. Pacheco Filho, N. Coelho Júnior, & R. M. Debieux (Orgs.), Ciência, pesquisa, representação e realidade em psicanálise (pp. 175-204). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Jaquetti, R. C. & Mariotto, R. M. M. (2012). Mau-olhado: efeitos constituintes do laço mãe-bebê a partir de uma cena clínica. Associação Psicanalítica de Curitiba em Revista, (25), 97-103.

Kazahaya, D. (2014). Bebês, crianças e seus pequenos pares: a participação do pequeno semelhante no desenvolvimento e constituição subjetiva. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Kupfer, M. C. M., Bernardino, L. M. F. & Mariotto, R. M. M. Metodologia IRDI: uma intervenção com educadores de creche. In: M. C. M. Kupfer, L. M. F. Bernardino & R. M. M. Mariotto (Orgs), De bebê a sujeito: a metodologia IRDI nas creches (pp. 15-23). São Paulo: Escuta.

Kupfer, M. C. M., Bernardino, L. M. F., Pesaro, M. E. & Mariotto, R. M. (2015). Psychological Health Education in Nurseries: Off to a Good Start in the Psychic Development of Children Aged Zero to Eighteen Months. Creative Education, 6 (20), 1195-2204.

Kupfer, M. C. M., Jerusalinsky, A., Infante, D., Bernardino. L. F. & col. (2008). Roteiro para a Avaliação Psicanalítica de Crianças de Três Anos – AP3. In R. Lerner . & M. C. M. Kupfer (Orgs.), Psicanálise com crianças: clínica e pesquisa (pp. 137-147). São Paulo: Escuta.

Kupfer, M. C. M., Jerusalinsky, A. N., Bernardino, L. F., Wanderley, D., Rocha, P. S. B., Molina, S., Sales, L. M., Stellin, R., Pesaro, M. E. & Lerner, R. (2009, maio). Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Latin American Journal of Fundamental Psychopathology Online, 6 (1), 48-68.
Kupfer, M. C. M. & Voltolini, R. (2005). Uso de indicadores em pesquisas de orientação psicanalítica: um debate conceitual. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21 (3), 359-364.

Laznik, M-C. (2013). A hora e a vez do bebê. São Paulo: Instituto Langage.

Lerner, R., & Kupfer, M. C. M. (Orgs.). (2008). Psicanálise com crianças: clínica e pesquisa. São Paulo: FAPESP/Escuta.

Mannoni, M. (1978). Um lugar para viver. Lisboa: Moraes.

Manual para a aplicação do APEGI (2017). Inédito.

Mariotto R. M. M. (2009). Cuidar, Educar e prevenir: as funções da creche na subjetivação de bebês. São Paulo: Escuta.

Mariotto, R. M. M. & Bernardino, L. M. F. (2012). O Programa de Prevenção Inicial - PROPAI. In M. C. M. Kupfer, L. M. F. Bernardino & R. M. M. Mariotto (Orgs.), Psicanálise e ações de prevenção na primeira infância (pp. 15-28). São Paulo: Escuta.

Merletti, C. K. I. (2012). Escuta grupal de pais de crianças com problemas de desenvolvimento: uma proposta metodológica baseada na psicanálise. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, SP.

Merletti, C. K. I. & Pesaro, M. E. (2010). Corpo e linguagem na operação de surgimento de um sujeito: um caso a partir da AP3. In M. C. M. Kupfer & F. C. N. Pinto (Orgs.), Lugar de Vida, vinte anos depois. Exercícios de educação terapêutica (pp. 35-45). São Paulo: Escuta.

Mezan, R. (2002). Interfaces da psicanálise. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Morais, A. S. (2013). Usos e apropriações de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil por agentes comunitários de saúde: uma experiência de formação. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Mozzaquatro, C. de O., Polli, R. G., Arpini, D. M. (2011). Relação Mãe-Bebê: Cuidados e preocupações na construção da vinculação afetiva. In Anais, IV Jornada de Pesquisa em Psicologia: desafios atuais nas práticas da psicologia da Universidade de Santa Cruz do Sul, 2011, Santa Cruz do Sul, RS. Santa Cruz do Sul, RS: UNISC.

Oliveira, L. D., Flores, M. R. & Souza, A. P. R. (2012, março-abril). Fatores de risco psíquico ao desenvolvimento infantil: implicações para a fonoaudiologia. Revista CEFAC, 14 (2), 333-342.

Ouss, L., Saint-Georges, C., Robel, L., Bodeau, N., Laznik, M. C., Crespin, G. C., Chetouani, M., Bursztejn, C., Golse, B., Nabbout, R., Desguerre, I. & Cohen, D. (2014, March). Infant's engagement and emotion as predictors of autism or intellectual disability in West syndrome. European Child & Adolescence Psychiatry, 23 (3), 143-9. DOI: 10.1007/s00787-013-0430-x.

Pallant, J. (2007). SPSS Survival Manual. United Kingdom: Open University Press.

Pasquali, L. (2004). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Pereira, M. E. C. (2001). O geral das estruturas clínicas e a singularidade do sofrimento: Encontros e desencontros. In A. Quinet, (Org.), Psicanálise e psiquiatria – Controvérsias e convergências (pp. 55-68). Rio de Janeiro, RJ: Rios Ambiciosos.

Pires, R. B. (2011). Indicadores preliminares para a constituição do sujeito leitor/escritor. Dissertação de Mestrado em Fonoaudiologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUCSP, São Paulo, SP.

Préaut.fr [homepage na internet]. Paris. Association Préaut. Disponível em http://www. preaut.fr/. Acesso em novembro de 2017.

Sim, J. & Wright, C. C. (2005). The kappa statistic in reliability studies: use, interpretation, and sample size requirements. Physical Therapy, 85 (3), 257-68.

Tocchio, A. B. (2013). Educação permanente de profissionais de enfermagem da atenção básica à saúde a partir de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Vieira, M. A. (2001). Dando nome aos bois: Sobre o diagnóstico na psicanálise. In A. C. Figueiredo, (Org.). Psicanálise – Pesquisa e clínica (pp. 171-9). Rio de Janeiro, RJ: Edições IPUB-CUCA.
Publicado
2018-12-31
Como Citar
Kupfer, M. C., Bernardino, L. M., & Pesaro, M. E. (2018). Validação do instrumento "Acompanhamento Psicanalítico de Crianças em Escolas, Grupos e Instituições" (APEGI). Estilos Da Clinica, 23(3), 558-573. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v23i3p558-573