Entre ter uma deficiência e ser deficiente: um estudo sobre as identificações

Palavras-chave: deficiente físico, narcisismo, autoconceito

Resumo

Diversos trabalhos consideram que pessoas com deficiência física possuem sentimentos de inadequação, inferioridade e baixa autoestima. Parte-se da narrativa de Sunaura Taylor para localizar a questão no paradigma ver/ser visto para problematizar o tema. Assim, tem-se por objetivo discutir os efeitos imaginários da identificação nestes casos. De Freud à Lacan o conceito de narcisismo remete à formação do eu, bem como os processos de identificação a imagens e palavras advindas do Outro. Das imagens e sentidos atribuídos à deficiência pelo social encontram-se descritos na literatura as concepções de estranho e incapaz, da deficiência como doença ou castigo e referências a seres fantástico. Deste modo, foi proposto que pessoas com deficiência possam assumir o lugar de “deficiente” e seus respectivos sentidos por meio da identificação. Concluiu-se que os sentimentos de inadequação perpassam a dimensão imaginária de se ver sendo visto como “deficiente”. Dada esta função de representação para o Outro e unificação do eu, tratam-se de momentos em que se deixa de ter uma deficiência para sê-la, enquanto uma forma que lhe dá sentido e o organiza, ainda que possa trazer sofrimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Rodrigues Silva, Instituto de Psicologia - Universidade de São Paulo
Psicanalista. Graduado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo.
Eliana Herzberg, Universidade de São Paulo - Instituto de Psicologia - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica

Professora e pesquisadora do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Amaral, L. A. (1995). A Hidra de Lerna. Deficiência: uma fragmentação de conceitos em percurso acidentado. In L.A. Amaral, Conhecendo a deficiência (em companhia de Hércules) (pp. 41-55). São Paulo, SP: Robe Editorial.
Amiralian, M. L. T. M. (1986). Psicologia do excepcional. São Paulo, SP: EPU.
Brauer, J. F. (1998). O sujeito e a deficiência. Estilos da Clinica, 3(5), 56-62. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v3i5p56-62
Freud, S. (1996a). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. VII, pp. 121-252). Rio de Janeiro, RJ: Imago (Trabalho original publicado em 1905).
Freud, S. (1996b). Leonardo da Vinci e uma lembrança de sua infância. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. XI, pp. 73-142). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1910).
Freud, S. (1996c). Totem e tabu. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. XIII, pp. 13-168). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1912-1913).
Freud, S. (1996d). Sobre o narcisismo: uma introdução. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. XIV, pp. 75-108). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1914).
Freud, S. (1996e). Além do princípio de prazer. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. XVIII, pp. 11-75). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1920).
Freud, S. (1996f). O ego e o id. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. XIX, pp. 15-73). Rio de Janeiro, RJ: Imago (Trabalho original publicado em 1923).
Freud, S. (1996g). Conferência XXXI: A dissecção da personalidade psíquica. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. XXII, pp. 63-84). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1932).
Freud, S. (2010). Observações psicanalíticas sobre um caso de paranóia [Dementia Paranoides] relatado em Autobiografia (“O Caso Schereber”) (Obras completas, Vol. 10, pp. 13-107). São Paulo: Cia. das Letras. (Trabalho original publicado em 1911).
Gascón, M. R. P., Santos, R. F., Capitão, C. G., Fantine-Nogueira, M. C. & Oliveira, A. C. P. (2013). Um corpo que perde o sentido: uma leitura psicanalítica dos pacientes com paraparesia espástica tropical, Rev. SBPH, 16, 1, 33-48.
Goffman, E. (1988). Estigma: notas sobre a identidade deteriorada. São Paulo, SP: LTC.
Lacan, J. (1986). O seminário, livro 1: os escritos técnicos de Freud, 1953-1954. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.
Lacan, J. (1992). O seminário, livro 8: a transferência, 1960-1961. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.
Lacan, J. (1998a). A agressividade em psicanálise. In Escritos (pp. 104-126). Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1948).
Lacan, J. (1998b). O estádio do espelho como formador da função do eu tal como nos é relevada na experiência psicanalítica. In Escritos (pp. 96-103). Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1949).
Lacan, J. (1998c) Observação sobre o relatório de Daniel Lagache: "psicanálise e estrutura da personalidade”. In Escritos (pp. 653-691). Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1960).
Lacan, J. (2003). A identificação: seminário 1961-1962. Recife: Centro de estudos Freudianos do Recife. (Trabalho original publicado em 1961-1962).
Lawlor, M. C., & Elliot, M. L. (2012). Physical Disability and Body Image in Children. In T. F. Cash (Ed.), Encyclopedia of Body Image and Human Appearance (Vol. 2, pp. 650-656). Los Angeles: Elsevier. doi:10.1016/B978-0-12-384925-0.00102-4
Levin, E. (1997). A infância em cena: constituição do sujeito e desenvolvimento psicomotor. Rio de Janeiro: Vozes.
Livneh, H. (1982). On the origins of negative attitudes toward people with disabilities.
Rehabilitation Literature, 43(11-12), 338-347.
Nova, M. A. A. (2005). Como se faz corpo? Considerações sobre o ideal em Freud e Lacan. Pulsional, ano XVIII, 182, 40-47.
Shields, N., Murdoch, A., Loy, Y., Dodd, K. J. & Taylor, N. F. (2006). A systematic review of the self-concept of children with cerebral palsy compared with children without disability. Developmental Medicine and Child Neurology, 48(2), 151-157. doi:10.1017/s0012162206000326
Schilder, P. (1980). A imagem inconsciente do corpo. São Paulo: Martins Fonte (Trabalho original publicado em 1950).
Sit, C. H. P., Lau, C. H. L. & Vertinsky, P. (2009). Physical Activity and Self-Perceptions Among Hong Kong Chinese With an Acquired Physical Disability. Adapted Physical Activity Quarterly, 26(4), 321-335.
Suc, N., Lesnik, B. & Erpic, S. C. (2015). Differences in self-concept among persons with disabilities due to practicing adaptive alpine skiing. Kinesiologia Slovenica, 21(3), 34-42.
Taleporos, G. & McCabe, M. P. (2002). Body image and physical disability - personal perspectives. Social Science & Medicine, 54(6), 971-980. doi:10.1016/s0277-9536(01)00069-7
Tam, S. F., Chan, M. H., Lam, H. W. & Lam, L. H. (2003). Comparing the self-concepts of Hong Kong Chinese adults with visible and not visible physical disability. Journal of Psychology, 137(4), 363-372.
Taylor, A. (2008). Examined life - philosophy in the streets. Documentário, 87 min. Canadá. Judith Butler & Sunaura Taylor. Recuperado de www.youtube.com/watch?v=k0HZaPkF6qE
Publicado
2019-08-30
Como Citar
Silva, D., & Herzberg, E. (2019). Entre ter uma deficiência e ser deficiente: um estudo sobre as identificações. Estilos Da Clinica, 24(2), 304-316. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i2p304-316