O trágico na cena escolar e a medicalização como desenlace

  • Ana Paula Bellochio Thones Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Simone Zanon Moschen Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: educação, psicanálise, medicalização, sintoma, trágico

Resumo

O artigo propõe discutir um fenômeno que na última década tem ganhado vulto na cena escolar: a medicalização do sintoma de aprendizagem como forma de desenlace para o sofrimento que este engendra – tanto para estudante quanto para professores e famílias. Como estratégia metodológica, este escrito parte de uma retomada da tragédia clássica para, dela, destacar elementos que possibilitam compor diferentes cenários que indicam desdobramentos possíveis para o encontro com a dimensão insolúvel da (ex)sistência. O escrito tem como objetivo refletir sobre as consequências deste encontro para a relação estabelecida entre os atores escolares envolvidos com a práxis educativa. Retomando a figura trágica do deus ex machina, o trabalho indica que a medicalização, o mais das vezes, ingressa na cena escolar como elemento externo que suspende as condições necessárias a uma consideração do impossível próprio ao educar e daquilo que disso deriva: a abertura para uma invenção que mobilize os elementos internos à cena na construção de uma saída do mal-estar. Quando o desenlace de um impasse é pensado a partir da perspectiva do insolúvel que a linguagem inscreve na vida comum, as saídas para os conflitos escolares acabam por ser inventadas no jogo de relações entre os sujeitos da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Bellochio Thones, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. 

Simone Zanon Moschen, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Psicanalista. Professora Associada na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

American Psychiatry Association. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Porto Alegre: Artmed.
Aristóteles. (1991). Poética (E. de Souza, trad). São Paulo: Abril Cultural. (Trabalho original publicado em 335 a.C.-323 a.C.).
Eurípides. (2010). Medeia (T. Vieira, trad.). São Paulo: Editora 34. (Trabalho original publicado em 431 a.C.).
Freitas, C. (2011). Corpos que não param: TDAH, infância e escola. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.
Freud. S. (2012). O mal-estar na cultura (R, Zwick, trad.). Porto Alegre: L&PM. (Trabalho original publicado em 1930).
Freud. S. (2014). A predisposição à neurose obsessiva. In S. Freud, Obras completas (P. C. de Souza, trad., Vol. 10, pp. 324-337). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1913).
Kupfer, M. C. (1999). Problemas de aprendizagem ou estilos cognitivos? Um ponto de vista da psicanálise. In E. Rubinstein (Org.), Psicopedagogia: uma prática, diferentes estilos (pp. 65-78). São Paulo: Casa do Psicólogo.
Lacan, J. (1997). O seminário, livro 7: A ética da psicanálise (A. Quinet, trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1959-1960).
Lacan, J. (1998). Juventude de Gide ou a letra e o desejo. In J. Lacan, Escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 749-775). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Trabalho original publicado em 1958).
Lacan, J. (2008). O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (M. D. Magno, trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1964).
Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2012). Prescrição e consumo de metilfenidato no Brasil: identificando riscos para o monitoramento e controle sanitário. Boletim de farmacoepidemiologia – Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados, 2 (2), 1-14. Recuperado em 15 de fevereiro de 2019, de http://www.anvisa.gov.br/sngpc/boletins/2012/boletim_sngpc_2_2012_corrigido_2.pdf.
Monteiro, E. A. (2013). Educar: da alteridade ao estilo. Educação & Realidade: Educação, Psicanálise e Alteridade, 38 (2), 383-691. Recuperado em 15 de fevereiro de 2019, de http://dx.doi.org/10.1590/S2175-62362013000200007.
Moysés, M. A., & Collares, C. (2015). Produção do fracasso escolar e medicalização da infância e da escola. In C. Vasques, & S. Moschen (Org.), Psicanálise, educação especial e formação de professores: construções em rasuras (pp. 61-103). Porto Alegre: Evangraf.
Nietzsche, F. (1992). O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo (J. Guinsburg, trad.). São Pauto: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1872).
Pavis, P. (2015). Dicionário de teatro (M. L. Pereira, J. Guinsburg, R. A. de B. Fuser, E. Fraga & N. Fernandes, trads.). São Paulo: Perspectiva.
Sófocles. (2014). Antígona. In Sófocles, A trilogia tebana: Édipo Rei, Édipo em Colono, Antígona (M. da G. Kury, trad., pp. 199-262). Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 442 a.C.).
Rosenfield. K. (2000). Antígona, de Sófocles a Hölderlin. Porto Alegre: L&PM.
Vieira, T. (2010). O destemor de Medeia e o teatro de horror. In Eurípides, Medeia (pp. 157-176). São Paulo: Editora 34.
Vorsatz, I. (2013). Antígona e a ética trágica da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
Publicado
2019-08-30
Como Citar
Thones, A. P., & Moschen, S. (2019). O trágico na cena escolar e a medicalização como desenlace. Estilos Da Clinica, 24(2), 317-328. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i2p317-328