A função materna e seu lugar na constituição subjetiva da criança

  • Maria Gláucia Pires Calzavara Universidade Federal de São João Del Rei
  • Monique Aparecida Vale Ferreira Associação Municipal de Apoio ao Idoso ( AMAI)
Palavras-chave: Psicanálise, Criança, Função materna

Resumo

Partimos do dito mãe geladeira, que se apresenta na mídia especulativa como um representante da práxis psicanalítica, sobretudo na clínica das patologias infantis, e buscamos elucidar essa expressão como um equívoco necessitando de elaboração. Para tal, seguiremos pelos autores pós-freudianos, que se amparavam na maternagem para dizer do sujeito, posição que pode ter contribuído para esse equívoco, e nos dirigimos a Lacan, que elucida e diferencia o lugar da mãe mulher como uma função. Enfim, concluímos que esse dito, na atualidade, se revela como mais uma forma de ataque à psicanálise no que se refere ao tratamento das crianças autistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monique Aparecida Vale Ferreira, Associação Municipal de Apoio ao Idoso ( AMAI)

Monique Aparecida Vale Ferreira é graduada em psicologia pela Universidade Federal de São João Del Rei – UFSJ, psicóloga na Associação Municipal de Apoio ao Idoso (AMAI) de Prados. Endereço: Rua Nossa Senhora da Conceição, número: 5B. Cidade: Prados/MG, CEP:36320000; Telefone (32)98441-2471.

Referências

Abramovitch, S., & Castro, S. (2014). Autismo: desejo paradoxal. Heteridade, Rev. de Psicanálise, 11(1), 108-115. Disponível em https://www.champlacanien.net/public/docu/4/heterite11.pdf

Albornoz, A. C. G. (2006). Fantasmas no berço e o psiquismo do bebê. Revista Barbarói da Universidade de Santa Cruz do Sul, 2(25), 155-163.doi: http://dx.doi.org/10.17058/barbaroi.v0i0.735

Alvarenga, E. (2015). Apresentação do livro. In C. Alberti, Ser mãe: mulheres psicanalistas falam da maternidade (pp. 5-13). Belo Horizonte, MG: EBP.

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: o mito do amor materno (M. L. X. de A. Borges, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira. (Trabalho original publicado em 1980).

Barroso, S. F. (2014). As psicoses na infância: o corpo sem a ajuda de um discurso estabelecido. Belo Horizonte, MG: Scriptum Livros.

Bettelheim, B. (1987). A fortaleza vazia. São Paulo, SP: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1967).

Bruno, P. (1999). O dito – sobre a esquizofrenia. In S. Alberti (Org.), Autismo e esquizofrenia na clínica da esquize (pp. 177-196). Rio de Janeiro, RJ: Rios Ambiciosos.

Campanário, I. S. (2008). Espelho, espelho meu: a psicanálise e o tratamento precoce do autismo e outras psicopatologias. Salvador, BA: Ágalma.

Coriat, E. (1997). Causas e acasos. Estilos da Clínica, 2(3), 8-14.doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v2i3p8-14

Eulálio, A. (2018). Amores loucos: a devastação materna e nas parcerias amorosas. Belo Horizonte, MG: Artesã.

Farias, C. N. F., & Lima, G. G. (2004). A relação mãe-criança: esboço de um percurso na teoria psicanalítica. Estilos da Clínica, 9(16), 12-27. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v9i16p12-27

Freud, S. (1980). A sexualidade feminina. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 21, pp. 135-150). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1931).

Freud, S. (1980). Feminilidade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 22, pp. 75-92). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1932).

Jerusalinsky, J. (2014). A criação da criança: brincar, gozo e fala entre a mãe e o bebê. Salvador, BA: Ágalma.

Kanner, L. (1997). Os distúrbios autísticos do contato afetivo. In P. S. Rocha et al. Autismos (M. Seincman, trad., pp. 111-170). Recife: Escuta. (Trabalho original publicado em 1943).

Kehl, M. R. (2008). Deslocamentos do feminino (2a ed.). Rio de Janeiro: Imago.

Kupfer, M. C. M. (2000). Notas sobre o diagnóstico diferencial da psicose e do autismo na infância. Psicol. USP, 11(1), 85-105. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642000000100006.

Klein, M. (1981). Contribuições à psicanálise (M. Maillet, trad.). São Paulo: Mestre Jou. (Trabalho traduzido diretamente da terceira edição em inglês).

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise (A. Roitman, trad., A. Quinet, consult.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1969-1970).

Lacan, J. (1999). O seminário: livro 5: as formações do inconsciente (V. Ribeiro, trad., M. A. Vieira, rev.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1957-1958).

Lacan, J. (2003). Nota sobre a criança. In J. Lacan, Outros escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 369-370). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1969).

Lacan, J. (2003). O aturdido. In J. Lacan, Outros escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 448- 497). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar (Trabalho original publicado em 1972).

Lacan, J. (2007). O seminário, livro 23: o sinthoma (S. Laia, trad., A. Telles, rev.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar (Trabalho original publicado em 1975-1976).

Laznik Penot, M.-C. (2013). A voz da sereia: o autismo e os impasses na constituição do sujeito. Salvador, BA: Ágalma.

Lefort, R., & Lefort, R. (1991). Unidade da psicanálise. In J. Miller, A criança no discurso analítico (D. D. Estrada, trad., pp. 11-12). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Trabalho original publicado em 1983-1988).

Lefort, R., & Lefort, R. (1991). Introdução à Jornada de Estudos do CEREDA. In J. Miller, A criança no discurso analítico (D. D. Estrada, trad., pp. 13-14). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Trabalho original publicado em 1983-1988).

Lobo, S. (2008). As condições de surgimento da “Mãe Suficientemente Boa”. Revista Brasileira de Psicanálise, 42(4), 67-74.

Lopes, B. (2017). Autismo e culpabilização das mães: uma leitura de Leo Kanner e Bruno Bettelheim (pp. 1-10). Florianópolis: Seminário Internacional Fazendo Gênero 11th & 13th Women’ Worlds Congress (Anais Eletrônicos).

Miller, J. A. (1998). O osso de uma análise [Seminário proferido no VIII Encontro Brasileiro do Campo Freudiano e no II Congresso da Escola Brasileira de Psicanálise. Salvador – Bahia – 17 a 21 de abril de 1998. J. Gerbase, rev. téc.]. Revista da Escola Brasileira de Psicanálise.

Ribeiro, J. M. C. (2013). A criança autista em trabalho (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: 7 Letras.

Soler, C. (2005). O que Lacan dizia das mulheres (V. Ribeiro, trad., M. A. C. Jorge, consult.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 2003).

Telles, C. M. A. (2012). A escuta discursiva de mães de crianças autistas: o primeiro olhar sobre o filho. Cad. Psicanál., 34(26), 67-83.

Tustin, F. (1975). Autismo e psicose infantil. (I. Casson, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1972).

Teperman, D. W. (1999). Do desejo dos pais ao sujeito do desejo. Estilos da Clínica, 4(7), 151-158.doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v4i7p151-158

Vasconcelos, A. (s.d.). Autismo e psicose infantil exílio e prisão de uma relação imaginária? Disponível em http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/b0ecef7f41ce906080dfc4413953d30c.PDF

Vieira, M. A. (2005). Nota sobre a criança, de Jacques Lacan: uma leitura. [Versão do texto de duas aulas ministradas no curso organizado por Silas Nascimento].

Winnicott. D. W. (1975). O brincar e a realidade (J. O. de A. Abreu & V. Nobre, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1971).

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Calzavara, M. G., & Ferreira, M. A. (2019). A função materna e seu lugar na constituição subjetiva da criança. Estilos Da Clinica, 24(3), 432-444. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i3p432-444