Automutilações na adolescência e suas narrativas em contexto escolar

  • Lorena da Silva Lopes Universidade de Fortaleza
  • Leônia Cavalcante Teixeira Universidade de Fortaleza
Palavras-chave: automutilação, adolescência, escola, psicanálise

Resumo

O artigo tem por objetivo discutir a automutilação e suas narrativas por adolescentes em contexto escolar. Trata-se de uma pesquisa que envolve a psicanálise e o campo da educação, como um trabalho possível da clínica institucional. A partir de estudos de casos de uma escola privada em Fortaleza, são discutidos os seguintes aspectos: autolesão e os efeitos na escola, conflitos socio-familiares e processo de subjetivação adolescente. Conclui-se que a partir de uma escuta qualificada na escola é possível dar voz aos adolescentes para que possam produzir um saber sobre si, e ao seu modo sustentar seu mal estar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lorena da Silva Lopes, Universidade de Fortaleza

Psicóloga. Mestre pela Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil. 

Leônia Cavalcante Teixeira, Universidade de Fortaleza

Professora Titular da Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil.

 

Referências

Alberti, S. (2009). Esse sujeito adolescente. Rio de Janeiro, RJ: Rios Ambiciosos.
Bernardes, S. M. (2015). Tornar-se (in) visível: um estudo na rede de atenção psicossocial de adolescentes que se automutilam. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/135810.
Ceccarelli, P. R. (2010). A patologização da normalidade. Estudos de Psicanálise, (33), 125-136. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-34372010000100013&lng=pt&tlng=pt
Cedaro, J. J., & do Nascimento, J. P. G. (2013). Dor e gozo: relatos de mulheres jovens sobre automutilações. Psicologia USP, 24(2), 203-223. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642013000200002.
Costa, T., Martinez, C. Banhos, T., Pinheiro, F., Teixeira, L., & Pinheiro, C. (2015). Considerações sobre a pesquisa em psicanálise e as posições sujeito x objeto do conhecimento. In L. Texeira & S. Rodrigues (Orgs.), A psicanálise nas searas da universidade, do direito, da arte e da literatura (pp. 31-39). Curitiba, PR: Editora CRV.
Damous, Issa, & Klautau, Perla. (2016). Marcas do infantil na adolescência: automutilação como atualização de traumas precoces. Tempo psicanalitico, 48(2), 95-113. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382016000200007&lng=pt&tlng=pt.
Fernandes, A. H. (2010). Os efeitos da linguagem no corpo. In S. Carvalho (Org.), O mistério do corpo falante (pp. 19-26). Salvador, BA: Associação Científica Campo Psicanalítico.
Fortes, I., & Macedo, M. K. (2017). Automutilação na adolescência-rasuras na experiência de alteridade. Psicogente, 20(38). doi: http://doi.org/10.17081/psico.20.38.2556.
Freud, S. (1976). Inibição, sintoma e ansiedade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 20, pp. 95-204). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1926)
Freud, S. (1996). Sobre o início do tratamento. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 12, pp. 139-158). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1913)
Geoffroy, R. M. G., & Alberti, S. (2015). Contribuições de Jean Oury para verificar uma possível emergência do sujeito na escola. Estilos da Clinica, 20(2), 246-264. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v20i2p246-264.
Giusti, J. S., Garreto, A. K. R.,& Scivoletto, S. (2008). Automutilação. In C. N. Abreu, H.Tavares, & T. A. Cordás (Orgs.), Manual clínico dos transtornos do controle dos impulsos (pp. 181-200). Porto Alegre, RS: Artmed.
Hasky, F., & Frare, A. P. (2016). A concessão de benefícios e a aposta na singularidade: um desafio para a Saúde Mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 19(1), 99-113. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1415-4714.2016v19n1p99.8.
Jorge, J. C., Queirós, O., & Saraiva, J. (2015). Descodificação dos comportamentos autolesivos sem intenção suicida: Estudo qualitativo das funções e significados na adolescência. Análise Psicológica, 33(2), 207-219. doi: https://dx.doi.org/10.14417/ap.991.
Lacan, J. (1985). O seminário, livro 20: mais, ainda (1972-1973). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.
Lacan, J. (1995). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.
Lacan, J. (1999). O seminário: livro 5: as formações do inconsciente (1957-1958). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar .
Lacan, J. (2003). A proposição de 9 de outubro de 1967. In J. Lacan, Outros escritos. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor.
Le Breton, D. (2003). La peau et la trace. Sur les blessures de soi. Paris: Métailié
Le Breton, D. (2007). Adeus ao corpo. Campinas, SP: Papirus Editora.
Lorena, R.G.S. (2016). Um corpo para (de) marcar-se: estudo psicanalítico acerca das escarificações na adolescência. Dissertação de Mestrado. Universidade Católica de Pernambuco, Recife. Recuperado de http://www.unicap.br/tede/tde_arquivos/1/TDE-2016-12-21T130027Z-901/Publico/renata_guarana_sousa_lorena.pdf.
Marcos, C. M., & Mendonça, R. L. (2018). Adolescência e diferença sexual. Estilos da Clinica, 23(1), 175-190. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v23i1p175-190.
Matheus, T. C. (2007). Adolescência: história e política do conceito na psicanálise. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.
Mieli, P. (2002). Sobre as manipulações irreversíveis do corpo e outros textos psicanalíticos. Rio de Janeiro, RJ: Contra capa/Corpo Freudiano Rio de Janeiro.
Monteiro, A. R., Bahia, C. A., Anjos Paiva, E., de Sá, N. N. B., & de Souza Minayo, M. C. (2015). Hospitalizações relacionadas a lesões autoprovocadas intencionalmente-Brasil, 2002 a 2013. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 20(3). doi: 10.1590/1413-81232015203.16282014.
Moreira, J. D. O., Teixeira, L. C., & Nicolau, R. D. F. (2010). Inscrições corporais: tatuagens, piercings e escarificações à luz da psicanálise. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 13(4), 585-598. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1415-47142010000400004.
Nock, M. K. (2010). Self-Injury. Annual Review of Clinical Psychololgy, 6, 339-363. doi:10.1146/annurev.clinpsy.121208.131258.
Oliveira, N. R., & Tafuri, M. I. (2012). O método psicanalítico de pesquisa e a clínica: reflexões no contexto da Universidade. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 15(4), 838. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S1415-47142012000400007.
Rassial, J. J. (1997). A adolescência como conceito da teoria psicanalítica. In J.J. Rassial, Adolescência: entre o passado e o futuro (pp. 45-74). Porto Alegre, RS: Artes e Ofícios.
Rassial, J. J. (1999). O adolescente e o psicanalista. Rio de Janeiro, RS: Companhia de Freud.
Reis, M. N.(2018). Automutilação: o encontro entre o real do sofrimento e o sofrimento real. Polêm! ca, 18(1), 050-067. doi: https://doi.org/10.12957/polemica.2018.36069.
Reymundo, O. (2016). Adolescências - tempo de compreender e posição sexuada. In H. Caldas (Org.), Errâncias, adolescências e outras estações. Belo Horizonte, MG: Editora EBP.
Rosa, M. D. (2004). A pesquisa psicanalítica dos fenômenos sociais e políticos: metodologia e fundamentação teórica. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 4(2), 329-348. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/271/27140208.pdf.
Rosa, M. D. (2009). Histórias que não se contam: o não-dito e a psicanálise com crianças e adolescentes. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.
Silva, E. M. A. (2012). Relações íntimas, regulação emocional e ferimentos autoinfligidos em estudantes universitários. Dissertação de Mestrado. Universidade do Minho, Portugal. Recuperado de https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/21240/1/Eliana%20Marisa%20Ara%c3%bajo%20Silva.pdf.
Stazzone, R. (1997). O que um psicanalista deve fazer na escola? Estilos da Clinica, 2(2), 44-52. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v2i2p44-52.
Publicado
2019-08-30
Como Citar
Lopes, L., & Teixeira, L. (2019). Automutilações na adolescência e suas narrativas em contexto escolar. Estilos Da Clinica, 24(2), 291-303. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i2p291-303