Educa-me ou te mato!

Palavras-chave: psicanálise, socioeducação, escola, adolescência

Resumo

Temos pensado que a repetição da errância e da marginalidade na trajetória escolar de meninos e meninas que chegam à socioeducação acaba colocando a escola em um lugar complicado, um real não simbolizado em suas vidas. Ao não estarem incluídos nos sonhos e nas utopias educativas de nosso país, ao não serem sonhados como sujeitos educáveis e escolarizáveis, lhes apresentamos, enquanto sociedade, o que eles verbalizam: suas vidas se reduzem a matar ou morrer, ou seja, se encontram com o real da morte. Nesse contexto, abrimos algumas questões que irão nortear este artigo: o que se passa com esses adolescentes que migram da instituição escolar para a socioeducativa? O que temos feito, ou deixado de fazer, para que esses jovens não colem na escola e não se interessem pelo crime? Por que acabam por fazer suas trajetórias de vida junto ao tráfico e não nos bancos escolares? Qual a transmissão que aí não se faz? Que jovens a escola brasileira considera como “seus”?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rose Gurski, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Psicanalista, membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre (Appoa). Professora do Departamento de Psicanálise e Psicopatologia do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

 

Referências

Outras referências serão acrescentadas após o aceite
Adorno, T. (2003). Educação após Auschwitz. In T. Adorno, Educação e Emancipação (pp. 119-138). São Paulo: Paz e Terra.
Agamben, G. (2008). O que resta de Auschwitz. São Paulo: Boitempo.
Arendt, H. (1999). Eichmann em Jerusalém. São Paulo: Companhia das Letras.
Barbosa, R. R. M. (2011). Resenha do livro “Dimensões do despertar na psicanálise e na cultura”. Estudos de Psicanálise, 37, 165-168.
Dunker, C. (2017). Nunca me sonharam - Christian Dunker. Vídeo recuperado em 12 abr. 2019: https://www.youtube.com/watch?v=NWedatzNrpw
FASE. (2015). População da FASE por MSE em 05/05/2015. Texto recuperado em 12 abr. 2019: http://www.fase.rs.gov.br/wp/wp-content/uploads/2015/05/Pop-da-FASE-por-MSE-05-05-2015.pdf.
Faustini, M. (2017). Nunca me sonharam. Jornal O Globo. Texto recuperado em 12 abr. 2019: https://oglobo.globo.com/cultura/nunca-me-sonharam-21409837
Figueiredo, A. C. (1997). Vastas confusões e atendimentos imperfeitos: a clínica psicanalítica no ambulatório público. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.
Freire, P. (1991). A educação na cidade. São Paulo: Editora Cortez.
Freud, S. (1969). Breves escritos: contribuições para uma discussão acerca do suicídio. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão Trad., Vol. 11, pp. 217-218). Rio Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1910)
Freud, S. (1976). Novas conferências introdutórias sobre psicanálise. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão Trad., Vol. 12, pp. 17-74). Rio Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1933)
Koltai, C. (2014). O desejo do psicanalista face ao desamparo contemporâneo. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 45-46, 20-31.
Lacadée, P. (2011). O despertar e o exílio: ensinamentos psicanalíticos da mais delicada das transições, a adolescência. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.
Lacan, J. (2003). Prefácio a O despertar da primavera. In J. Lacan, Outros escritos (pp. 557-559). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1974).
Lacan, J. (2010). O Seminário, livro 2: o eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1954-55).
PNAD. (2015). Pesquisa Nacional de Amostra em Domicílio 2015. Texto recuperado em 12 abr. 2019: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2015/default.shtm
Rassial, J. J. (1999). O adolescente e o psicanalista. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.
Rhoden, C. (2017). Nunca me Sonharam. Filme Cinematográfico.
Rolim, M. (2016). A formação de jovens violentos: estudo sobre a etiologia da violência extrema. Curitiba: Appris Editora.
Viola, D. T. (2017). O saber à flor da pele: três ensaios psicanalíticos sobre a adolescência. Bragança Paulista: Margem da Palavra.
Publicado
2019-04-30
Como Citar
Gurski, R. (2019). Educa-me ou te mato!. Estilos Da Clinica, 24(1), 62-70. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i1p62-70
Seção
Dossiê