As problemáticas na diferenciação entre mães e filhas: um estudo de caso

  • Marina José Abud da Silva Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia
  • Marina F.R. Ribeiro Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia
  • Daina Bittar Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia
Palavras-chave: Psicanálise, Mãe, Filha, Mulher, Feminilidade

Resumo

O presente trabalho visa investigar as dinâmicas psicológicas das relações entre mães e filhas, utilizando como base a perspectiva psicanalítica. Mais especificamente, buscou-se compreender as problemáticas existentes quando há um grau elevado de indiferenciação entre a menina e sua mãe. Para isso, realizou-se uma articulação entre um estudo de caso e conceitos da psicanálise que fundamentam as cenas clínicas apresentadas. O estudo de caso concretizou-se a partir de um atendimento psicológico de uma criança que apresentava importantes sofrimentos oriundos de uma dificuldade de separação da figura materna. Assim, pretende-se fornecer uma melhor compreensão a respeito das vicissitudes de uma relação simbiótica com a mãe e as consequências de tal para a constituição da vida psíquica da mulher.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina José Abud da Silva, Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia

Psicóloga do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Marina F.R. Ribeiro, Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia

Psicanalista. Professora Doutora do Departamento de Psicologia Clínica.

Daina Bittar, Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia

Graduanda do Instituto de Psicologia.

Referências

André, J. (1996). As origens femininas da sexualidade. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

André, J. (2003). Mères et filles: les menaces de l´identique. Paris: PUF.

Bidaud, E. (1998). Anorexia mental, ascese, mística. Rio de Janeiro, RJ: Cia. de Freud.

Brusset, B. (1989) L’anorexie et ses imagos. In B. Prieur (dir.), L’anorexique, le toxicomane et leur famille (pp.285-314). Paris: E.S.F.

Freud, S. (1980). Feminilidade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, (J. Salomão, trad., Vol. XXII, pp.139-165). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1933 [1932]).

Halberstadt-Freud, H. C. (2001). Electra cativa. Sobre a simbiose e a ilusão simbiótica entre mãe e filha e as consequências para o complexo de Édipo. Revista Brasileira de Psicanálise, 35 (1), 143-168.

Ribeiro, M. F. R. (2011). De mãe em filha. A transmissão da feminilidade. São Paulo, SP: Escuta.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Silva, M., Ribeiro, M., & Bittar, D. (2019). As problemáticas na diferenciação entre mães e filhas: um estudo de caso. Estilos Da Clinica, 24(3), 471-481. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i3p471-481

Dados de financiamento