Ressonâncias da escuta psicanalítica com adolescentes em privação de liberdade

Autores

  • Débora Ferreira Bossa Universidade Federal de Uberlândia
  • Andréa Máris Campos Guerra Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i3p497-509

Palavras-chave:

Adolescência, Medidas socioeducativas, Identificação, Resistência, Psicanálise

Resumo

Este estudo discorre sobre a experiência de intervenção com adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa, cuja escuta impulsiona a produção de novas significações para o acautelamento e o envolvimento com a criminalidade. Ao propor que o adolescente fale livremente, a prática da psicanálise no centro socioeducativo esbarra na lógica da institucionalização do corpo e normatização das condutas dos adolescentes. O estudo apresenta reflexões sobre os efeitos produzidos, em transferência, a partir da escuta dos adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa, e a tensão existente entre o falar livremente na experiência de privação de liberdade, articulando esses aspectos a partir dos conceitos de identificação e resistência. Para isso foram elaboradas reflexões a partir de cinco expressões apresentadas na situação de atendimento psicológico oferecido aos adolescentes em privação de liberdade. Conclui-se sobre a necessidade de construção de escutas nos espaços socioeducativos que ampliem as possibilidades do laço entre o adolescente e a sociedade, expandindo as discussões políticas e jurídicas sobre os efeitos da privação de liberdade, bem como indicando possibilidades para a construção de uma prática psicanalítica atravessada por questões clínico-políticas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Ferreira Bossa, Universidade Federal de Uberlândia

Psicóloga, Analista Executivo de Defesa Social em Psicologia (SESP/MG). Mestre em Psicanális e Cultura pela Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

Andréa Máris Campos Guerra, Universidade Federal de Minas Gerais

Docente do Programa de Pós-Graduação e do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Referências

Alberti, S. (2010). O adolescente e o Outro. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

ECA, Estatuto da Criança e do Adolescente. BRASIL. Lei n° 8.069/1990. Disponível em Recuperado em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm

Freud, S. (2006a). Estudos sobre a histeria [1893-1895]. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 2). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1893).

Freud, S. (2006b). Fragmento da análise de um caso de histeria. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 7, pp. 3-76). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1905).

Freud, S. (2006c). Romances familiares. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 9, pp. 127-130). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1909).

Freud, S. (2006d). A história do movimento psicanalítico. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 14, pp. 3-43). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1914).

Freud, S. (2006e). Novas conferências introdutórias sobre a psicanálise. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 22, pp. 13-220). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1933).

Freud, S. (2011). Psicologia das massas e análise do eu. In P. C. Souza (trad.), Psicologia das massas e outros textos (1920-1923) / Sigmund Freud, (Vol. 15, pp. 10-100). São Paulo, SP: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1921).

Foucault, M. (1977). Vigiar e punir: nascimento da prisão (L. M. P. Vassallo, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Guerra, A. M. C.; Soares, C. A. N.; Pinheiro, M. do C. de M.; Lima, N. L. de. (2012). Violência urbana, criminalidade e tráfico de drogas: uma discussão psicanalítica acerca da adolescência. Psicologia em Revista, 18 (2), 247-263. doi: http://dx.doi.org?10.5752?P.1678-9563.2012v18n2p247.

Jorge; M. A. C. (2008). Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998a). Introdução teórica às funções da psicanálise em criminologia. In J. Lacan, Escritos (pp. 125-151). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1950).

Lacan, J. (1998b). Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In J. Lacan, Escritos (pp. 238-324). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1953).

Lacan, J. (1998c). Variantes do tratamento padrão. In J. Lacan, Escritos (pp. 325-364). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1955).

Lacan, J. (1998d). A direção do tratamento e os princípios de seu poder. In J. Lacan, Escritos (pp. 591-653). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1958).

Lacan, J. (1998e). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise, 1964. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2003a). O seminário, livro 9: a identificação, 1961 – 1962. (I. Corrêa, & M. Bagno (trads.). Recife, PE: Centro de Estudos Freudianos de Recife.

Lacan, J. (2003b). Proposição 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola. In J. Lacan, Outros escritos (pp. 248-264). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1967).

Lacan, J. (2005). Meu ensino. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1968).

Melgaço, P.; Moreira, J. De O.; Araújo, E. C. M.; Vasconcelos, M. A. M; Taveres, P. R.; Pompeu, M. (2014). Da atuação de psicólogos orientados pela psicanálise à relação transferencial nas medidas socioeducativas: considerações para uma prática. Analytica: Revista de Psicanálise, 3 (5), 115-136. Disponível em : http://seer.ufsj.edu.br/index.php/analytica/article/view/600/610.

Melman, C. (1992). Alcoolismo, delinquência, toxicomania: uma outra forma de gozar. São Paulo, SP: Escuta.

Moreira, J. de O.; Guerra, A. M. C.; Oliveira, N. A.; Souza; J. M. P. de; Soares, C. A. N. (2015). Medidas socioeducativas com seus dispositivos disciplinares: o que, de fato, está em jogo nesse sistema? Revista Psicologia Política, 15 (33). Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2015000200004.

Rizinni, I. (2004). A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios presentes. Rio de Janeiro, RJ: PUC-RIO.

Rosa, M. D. (2004). A pesquisa psicanalítica dos fenômenos sociais e políticos: metodologia e fundamentação teórica. Revista Mal-estar e Subjetividade, 4 (2), 329 – 348. Disponível em https://www.redalyc.org/pdf/271/27140208.pdf

Rosa, M. D.; Vincentin, M. C. (2010). Os intratáveis: o exílio do adolescente do laço social pelas noções de periculosidade e irrecuperalidade. Revista Psicologia Política, 10 (19), 107-124. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-549X2010000100010&lng=pt&tlng=pt.

Souza, J. M. P. de; Moreira, J. de O. (2014). Psicanálise e Direito: escutar o sujeito no âmbito das medidas socieducativas. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14 (1), 182-200. Disponível em http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=451844507011

Downloads

Publicado

2019-12-30

Como Citar

Bossa, D. F., & Guerra, A. M. C. (2019). Ressonâncias da escuta psicanalítica com adolescentes em privação de liberdade. Estilos Da Clinica, 24(3), 497-509. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i3p497-509

Edição

Seção

Experiência Institucional