O laço social contemporâneo a partir da experiência adolescente

Autores

  • Fernanda Canavêz Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Psicologia
  • Leonardo Câmara Universidade Federal de Rio de Janeiro. Instituto de Psicologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p264-279

Palavras-chave:

Adolescência, Psicanálise, Laço social, Contemporaneidade

Resumo

O presente artigo busca ressaltar a perspectiva construída e situada da adolescência na psicanálise, contrapondo-a à visão naturalizante. A partir das descontinuidades advindas da passagem da modernidade para a contemporaneidade, indica a necessidade de se pensar sobre as especificidades da experiência adolescente no contexto atual. Argumenta-se que a experiência adolescente é um ponto privilegiado para investigar os impasses relativos ao laço social contemporâneo, uma vez que seus laços podem ser considerados horizontalizados. Por fim, são discutidas as possibilidades de se intervir no mal-estar apresentado pelo sujeito adolescente, apostando na identificação dos atores do mundo adulto que o relegam à condição moratória, bem como na sua escuta como sujeito desejante para além de tal visada adultocêntrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Canavêz, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Psicologia

Professora do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Leonardo Câmara, Universidade Federal de Rio de Janeiro. Instituto de Psicologia

Pós-doutorando Bolsista pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado da CAPES, Instituto de Psicologia da Universidade Federal de Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. RJ, Brasil.

Referências

Aberastury, A., & Knobel, M. (1981). Adolescência normal (S. M. G. Ballve, trad.). Porto Alegre, RS: Artes Médicas. (Trabalho originalmente publicado em 1970).

Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? In G. Agamben, O que é o contemporâneo e outros ensaios (V. N. Honesko, trad.). Chapecó, SC: Argos. (Trabalho originalmente publicado em 2008).

Ariès, Ph. (1981). História social da criança e da família (D. Flaksman, trad.). Rio de Janeiro: LTC. (Trabalho originalmente publicado em 1960).

Birman, J. (2006). A psicanálise e a crítica da modernidade. In J. Birman, Arquivos do mal-estar e da resistência. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Bock, A. (2007). A adolescência como construção social: estudo sobre livros dedicados a pais e educadores. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 11(1), 63-76. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-85572007000100007

Brandão, P. M. C., & Canavêz, F. (2018). O corpo na contemporaneidade: notas preliminares sobre a prática de autolesão em adolescentes. Analytica: Revista de Psicanálise, 7(13), 179-191.

Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. (1990, 13 de julho). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm.

Calligaris, C. (2000). A adolescência. São Paulo: Publifolha.

Canavêz, F., & Oliveira, V. (2014). Toda aproximação é um conflito: sobre a Psicologia na Educação. ECOS – Estudos Contemporâneos da Subjetividade, 4(2), 241-250.

Canavêz, F., & Herzog, R. (2020). “O corpo adivinha se não entende”: o contemporâneo a partir da autolesão. In J. Verztman & F. Pacheco-Ferreira (Orgs.), O público na psicanálise. Curitiba: Appris. (no prelo).

Carneiro, C., Ribeiro, L. M. A., & Ippolito, R. (2015). Adolescência, modernidade e cultura dos direitos. Revista Internacional Interdiscilinar INTERthesis, 12(1), 176-191. doi: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2015v12n1p176

Castro, L. R. (2008). A politização (necessária) do campo da infância e da adolescência. Psicologia Política, 14(7), 1-19.

Castro, L. R., & Besset, V. (2008). Pesquisa-intervenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: Trarepa/FAPERJ.

Côté, J. E. (2000). The Mead-Freeman Controversy in Review. Journal of Youth and Adolescence, 29(5), 525-538. doi: https://doi.org/10.1023/A:1005172012716

Coutinho, L. G. (2005). A adolescência na contemporaneidade: ideal cultural ou sintoma social. Pulsional: Revista de Psicanálise, 17(181), 13-19.

Coutinho, L. G. (2009). Adolescência e errância: destinos do laço social no contemporâneo. Rio de Janeiro: NAU/FAPERJ.

Coutinho, L. G., & Andrade, C. B. (2017). O que as ocupações nos ensinam sobre a adolescência, o laço social e a educação? Educação Temática Digital, 19 (esp.), 48-63. doi: https://doi.org/10.20396/etd.v19i0.8647736

Coutinho, L. G., & Carneiro, C. (2012). Educação e subjetivação: palavras de crianças e jovens. (Trabalho apresentado no Simpósio Internacional Sobre a Juventude Brasileira, 5. Recife, PE). Recuperado de www.unicap.br/jubra/wp-content/uploads/2012/10/TRABALHO-155.pdf.

Dumont, L. (1993). O individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna (A. Cabral, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Rocco. (Trabalho originalmente publicado em 1983).

Erikson, E. H. (1972). Identidade: juventude e crise (A. Cabral, trad.). Rio de Janeiro: Zahar Editores. (Trabalho originalmente publicado em 1968).

Federici, S. (2017). Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva (Coletivo Sycorax, trad.). São Paulo, SP: Elefante. (Trabalho originalmente publicado em 2004).

Foucault, M. (1997). Il faut défendre la société. Cours au Collège de France. Paris: Seuil/Gallimard. (Originalmente publicado em 1976).

Freud, S. (1974). Totem e tabu. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas (J. Salomão, trad., vol. 13, pp. 13-194). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho originalmente publicado em 1912-13).

Freud, S. (1976). Algumas reflexões sobre a psicologia do escolar. In S. Freud, Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas (J. Salomão, trad., vol. 13, pp. 281-288). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho originalmente publicado em 1914).

Freud, S. (1976). Psicologia de grupo e análise do ego. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas (J. Salomão, trad., vol. 18, pp. 89-179). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho originalmente publicado em 1921).

Freud, S. (1996). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas (J. Salomão, trad., vol. 7, pp. 89-179). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho originalmente publicado em 1905).

Garcia, C. A., & Coutinho, L. G. (2004). Novos rumos do individualismo e o desamparo do sujeito contemporâneo. Psychê, 13(13), 125-140. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-11382004000100011.

Giusti, J. S. (2013). Automutilação: características clínicas e comparação com pacientes com transtorno obsessivo-compulsivo (Tese de Doutorado, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo). Recuperado de www.teses.usp.br.

Hoffmann, C. (2004). Impact adolescent. In C. Hoffmann, L'agir adolescent (pp. 9-19). Paris: ERES.

Kehl, M. R. (1998, 20 de setembro). A teenagização da cultura. Folha de São Paulo, Caderno Mais. Recuperado de: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs20099809.htm.

Kehl, M. R. (2000). Função fraterna. Rio de Janeiro, RJ: Relume Dumará.

Lima, E. F. (2018). Negritudes, adolescências e afetividades: experiências afetivo-sexuais de adolescentes negras em uma periferia da cidade de São Paulo (Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista). Recuperado de www.repositorio.unesp.br.

Maffesoli, M. (1998) O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa (M. L. Menezes, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária. (Trabalho originalmente publicado em 1987).

Martins, G. (2018). O sol na cabeça. Rio de Janeiro, RJ: Companhia das Letras.

Mead, M. (1928). Coming of age in Samoa: a psychological study of primitive youth for Western Civilization. New York: William Morrow & Company.

Rassial, J.-J. (1997). A passagem adolescente – da família ao laço social (F. A. H. Roche, trad.). Porto Alegre, RS: Artes e Ofícios. (Trabalho originalmente publicado em 1996).

Taquette, S. R. (2010). Interseccionalidade de gênero, classe e raça e vulnerabilidade de adolescentes negras às DST/aids. Saúde e Sociedade, 19(2), 51-62. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-12902010000600006

Downloads

Publicado

2020-08-29

Como Citar

Canavêz, F., & Câmara, L. (2020). O laço social contemporâneo a partir da experiência adolescente. Estilos Da Clinica, 25(2), 264-279. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p264-279